Séries Addict

House – 5×01 – Dying Changes Everything

Posted on: setembro 18, 2008

Com todas as séries teens que eu tenho assistido, cheias de melodrama que não me causam nenhum impacto, é surpreendente que seja uma série como House que teime em me tirar lágrimas (tá, eu sei que é cruel comparar). Eu sempre gostei muito dos relacionamentos de House. Do trio House, Wilson e Cuddy, para ser mais exata. A relação desses três uns com outros sempre foi um tanto disfuncional, complicada, tumultuosa, e cheia de sutilezas. São complexas no sentido inteiro da palavra, e é particularmente uma das coisas que sempre me atraiu mais em House.
Então, nem é preciso dizer que essa Season Premiere foi um prato cheio pra min. O pobre House é um aleijado social (não é para ser um trocadilho de mal gosto, juro) e vê-lo puxando e empurrando seus limites de todas as maneiras para conseguir manter por perto seu único amigo foi ao mesmo tempo triste e extremamente delicioso de assistir. Mas aquela última cena me deixou arrasada. Wilson vai sair? House vai perder mesmo seu único amigo?
A paciente da semana também mostrou a que veio. Adorei ela. E acho que ela tem razão, você pode sempre aspirar a tudo (e na minha opinião, pode além de aspirar, tentar conseguir), mas não somos todos iguais, cada um nasce com um potencial, e para cada House, tem milhares de pessoas que apesar de dedicadas, competentes, jamais serão brilhantes. Podemos passar a vida toda tentando ser algo mais, ou podemos aproveitar o máximo a vida nos limites das nossas potencialidades. E eu acho que nenhuma das duas maneiras está equivocada.
O quê me leva de volta a Wilson. Eu posso apenas imaginar o quê seja o luto por uma pessoa que se amava. Nunca perdi ninguém desta categoria, ainda. Ele poderia ficar no hospital e tentar fazer o melhor que pudesse com sua existência pós-Amber. Ou ele pode ir embora e ver o quê mais existe para ele no mundo, mesmo que na realidade, não exista mais nada e tudo vá ser igual, ou pior, já que pelo menos no hospital ele tinha pessoas que se importavam, mesmo que essas pessoas tivessem seus próprios interesses em sua permanência. O quê é difícil julgar, porquê é difícil não ser egoísta. Quantas vezes eu já não pensei nas pessoas próximas dando valor a elas pelo papel que elas exercem na minha vida? Por elas me divertirem, ou me ouvirem? Só 90% do tempo… Até onde eu sei, esse é um dos principais significados da vida. Significar algo, para alguém.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

Comentários

luiz augusto em The Day of the Triffids
karina em Much I Do About Nothing…
andreia em Eles estão voltando…

Blog Stats

  • 169,073 hits

Todas as atualizações do seu blog favorito

Me Adicione no Technorati

Add to Technorati Favorites
%d blogueiros gostam disto: