Séries Addict

Archive for dezembro 2008

Esse texto contém Spoilers para quem não está acompanhando a série de acordo com a exibição americana.

Chegamos a The Insticsts e Memoriam, que são dois episódios especiais com uma trama focada completamente em Reid. O mais jovem do time está sendo atormentado por sonhos que no começo parecem estar relacionados ao caso, em que um menino de seis anos é seqüestrado e morto e eles tem que encontrar um segundo menino, que acaba de ser raptado. Mas com o tempo fica aparente que podem ser memórias reprimidas de sua infância. O caso é resolvido, mas Reid continua perturbado. Ele dorme com a mãe e seus companheiros ficam em Vegas também (e jantam juntos, em uma cena super descontraída e cheia de camaradagem que eu adorei). Mais um sonho, e agora Reid tem certeza de que seu pai teve alguma coisa a ver com o assassinato de Riley Jenkins, um menino de seis anos estuprado e esfaqueado na época em que ele era uma criança.
Assim, no começo de Memoriam ele avisa a todos que ficará para trás e os dispensa. Mas Derek sabe o porquê Reid realmente quer permanecer em Vegas, e ele e Rossi ficam também para ajudarem o amigo em suas investigações. Esse episódio é uma viagem ao passado de Reid, e nós ficamos sabendo muita coisa de sua família. Eu amei todo ele, adorei cada cena que a mãe de Reid teve (Jane Lynch é perfeita) e achei que Gubler teve uma ótima interpretação (acima do ótimo de sempre, desculpem-me, mas estou ficando sem elogios positivos).
E para completar esse episódio, tivemos JJ entrando em trabalho de parto. Nem sou tão fã da personagem, mas foi muito doce ver todos da equipe correndo com ela para o hospital, e deixando sua substituta, a mais sem graça ainda Jordan Todd, cuidando da casa. E ela ainda escolheu Garcia e Reid como padrinhos!! A cena final, com Reid segurando seu afilhado, foi o cúmulo do adorável.


O oitavo episódio, Masterpiece, também é diferente. O Prof. Rothchild (Jason Alexander, com uma caracterização estranhíssima) procura por Rossi e Reid em uma seção de recrutamento e lhes diz que matou sete mulheres e que mais cinco pessoas morrerão, a não ser que a BAU descubra onde estão. Esse foi um episódio que me decepcionou um pouco. Tive a impressão de que tudo acabou rápido demais e no final a trama de vingança de Rothchild contra Rossi ficou parecendo meio boba (apesar de eu ter literalmente perdido o fôlego por um segundo quando ficou claro que o criminoso tinha armado uma armadilha para a equipe). Quando acabou, eu me perguntei: “mas é só isso”? Não foi a Masterpiece (obra-prima) do título.
Então temos 52 Pickup para deixar minha decepção completamente para trás. Eu nunca ri e provavelmente nunca mais rirei tanto com um episódio de Criminal Minds. O suspeito do episódio em questão está pegando sus vítimas em boates, abrindo suas barrigas e fazendo com que limpem seu sangue antes de matá-las cortando sua garganta. A equipe voa para Atlanta e decide que tem que fazer dois profiles, pois antes o suspeito vitimava prostitutas, o quê quer dizer que ele mudou completamente seu M.O. E o quê ajudou a mudar foi um curso sobre como “pegar” mulheres em boates.
E então entra cena uma das figuras mais bizarras a aparecerem em CM, Viper, o professor do curso. Não bastasse ele ser misógino e cretino, ele tem a coragem de dizer a Prentiss: “Encontre-me em meu território e as coisas que eu poderia obrigá-la a fazer…”. Seriously? Como se não bastasse, Prentiss é mandada para uma boate, para investigar Viper e no meio tempo, se submeter as péssimas cantadas dele. Os momentos que esse encontro rendeu ainda conseguem me arrancar uma risada quando eu relembro. As expressões de Brewster foram simplesmente impagáveis.
Hotch ainda se desculpa por faze-la passar por isso, mas ela diz que não se importa, porquê já namorou caras bem piores do que o cafajeste profissional. Acontece que isso somado a cena da surra lá no terceiro episódio tem feito os fãs acharem que o segredo de Prentiss (os produtores disseram que ela tem um segredo que será revelado em breve) está relacionado a algum tipo de violência contra ela. Será? Eu só sei que amo cada vez mais a personagem (que já é minha favorita junto com Derek e Reid, porquê eu sou indecisa e me recuso a escolher entre os três) e ficarei feliz com qualquer coisa que derem para Paget trabalhar.
Ainda mais engraçado que Prentiss toda arrumada em uma boate aturando aquele palhaço do Viper tentando convencê-la de que ele era o presente de Deus para as mulheres, foi Derek e Reid também em uma casa noturna, distribuindo o retrato falado do suspeito. O quê foi o Reid dizendo que não sabe como as casas noturnas não atraem mais serial killers, considerando “o abuso do álcool, as incontáveis oportunidades para o uso de drogas de estupro e a conduta de alto risco” para um monte de garotas na boate? Melhor ainda foi ele seguindo as dicas de Derek e deixando a bartender completamente interessada nele (e ela é super bonita, e combina muito com ele). Tomara que eles namorem.

Terminator: Sarah Connor Chronicles – 2×13 – Earthlings Welcome Here (MVP: Lena Headey)

Depois de dois episódios como quase figurante, com pouco tempo de tela e nada de muito relevante para fazer, Sarah ganha um episódio centrado nela. Já que Cameron e Derek também tiveram os seus, acho que John será o próximo, o quê pode ser muito bom, ou muito ruim. Sua aparição aqui serviu apenas para que soubéssemos como Riley foi parar no passado (ela é do futuro) e como está sendo manipulada por Jesse para afastar John “dela” (parece ser Cameron, mas eu ainda acho que pode ser a própria Sarah). E em uma trama que deve focar John e Riley, a Summer Glau ainda rouba completamente a cena.
Sarah persegue sua obsessão com os três pontos e vai parar em uma daquelas convenções sobre OVNIs. Lá, ela encontra-se com um homem disfarçado de mulher que blogava sobre coisas suspeitas com as quais trabalhava em uma empresa mais suspeita ainda. E ao explorar essa pista, Sarah acaba se enfiando em uma grande enrrascada. É impressão minha ou ela está ficando insana? A outra Sarah, a de branco, me lembrou muito a maravilhosa Sarah de Linda Hamilton. Eu queria ver aquela Sarah na série o tempo todo! Então, eu estou meio que torcendo para que ela pire, e perca um pouco dessa serenidade atormentada.
Também reapareceram Catherine e Ellison. E Ellison começou a ensinar John Henry. E eu fiquei com a impressão de que já sei o porquê das máquinas terem se rebelado.

The Big Bang Theory – 2×11 – The Bath Item Gift Hypothesis (MVP: Jim Parsons)

Esse foi o episódio especial de Natal de Big Bang Theory, ou como diria Sheldon, o festival pagão de Saturnália. E como Penny não sabia que os Nerds não o celebram, cometeu o terrível erro de comprar um presente para Sheldon, que entra em espiral paranóica sobre como comprar um presente que seja exatamente recíproco ao de Penny. O quê leva a cena mais hilária de todo o episódio e talvez até de toda temporada: Penny lhe dá um guardanapo assinado por Leonard Nimoy (Star Trek) e Sheldon fica tão feliz quando descobre que o ator limpou sua boa nele, e que portanto ele possui DNA para cloná-lo, que para retribuir de maneira completa, ele abraça Penny.
Mas a série é mesmo de Sheldon, porquê a trama paralela envolvendo Leonard, o físico bonitão e Penny foi bem chatinha. Nem o acidente de Leonard com a moto parada e a tentativa de fazer uma gag com a indiferença de todos a sua perna machucada funcionaram comigo.

Textos publicados previamento no site TeleSéries.

Esse texto contém Spoilers para quem não está acompanhando a série de acordo com a exibição americana.

Eu sempre gostei de Criminal Minds. É uma série policial extremamente inteligente, que conseguiu ser um pouco diferente de CSI e criar seu espaço próprio. Tem roteiros muito bem desenvolvidos, uma direção que faz sua parte e todo o resto da parte técnica segue sendo exemplar. É uma série que eu acho que apenas melhora a cada ano, apesar de ser uma série de fórmula. E é uma série que sofreu uma enorme variedade de mudanças no elenco; mudanças essas que tinham tudo para compromete-la, fazer os fãs abandonarem ou a interação entre os personagens não ficar orgânica o suficiente, mas que apenas acrescentaram à Criminal Minds.
Tenho que confessar que no começo eu tinha problemas empatizando com os profilers de Criminal Minds. Eles eram todos ótimos, mas eu me sentia distanciada deles, mesmo quando mostravam sua vida particular e quando aconteciam coisas dramáticas (como o ataque a Elle no fim da primeira temporada). Com o tempo, eu fui gostando deles. Rendi-me ao jeito sisudo de Hotch, a excentricidade de Garcia, a estranhice e genialidade de Reid. Mas eles ainda não me convenciam completamente como uma unidade. E eu tinha certeza absoluta que eles nunca se igualariam aos CSIs de Las Vegas, que formam, desde sua estréia, minha equipe de trabalho favorita na TV. Mas eles se igualaram (e se bobear, podem até superar agora que 60% da equipe original de CSI se foi).
Já no primeiro episódio dessa temporada eu já estava sentindo uma clima um pouco diferente, mais caloroso. Depois do segundo episódio, meu computador quebrou e eu me perdi de todas as séries que via. Fui organizando maratonas para me colocar em dia, e com isso minha agenda de inéditos da semana ia ficando cheia e as maratonas mais difíceis. Por algum motivo, Criminal Minds acabou sendo uma das últimas que eu consegui ver, apenas essa semana (que coincidiu também com a minha primeira semana de férias da faculdade, o quê ajudou).
O episódio que abriu a minha maratona, Minimal Loss, me fisgou de cara. Reid e Prentiss vão tentar mediar um caso de pedofilia em uma daquelas comunidades religiosas parecidas com a de Big Love (apesar de que essa aqui parece não ser Mórmon) e acabam se tornando reféns quando a policia vai tentar entregar um mandado (com uma equipe daquelas tipo SWAT, é claro). O resto da equipe corre para lá para negociar, mas ao invés da frieza e distanciamento de sempre, eles estão emocionais. É um episódio todo muito emocional.
Eu passei todo ele quase tão nervosa quanto o resto da equipe. E pirei junto com eles quando Prentiss leva uma surra do líder da comunidade e eles são obrigados a escutar tudo, sem fazer nada, a pedido dela mesma, que grita (sabendo que eles plantaram escutas) “Eu agüento. Eu agüento.” Eu já gostava da Prentiss desde que ela entrou para o time, mas depois desse episódio eu passei a adorá-la.

Sim, todos os personagens tem algum espaço aqui, mas Minimal Loss pertence mesmo é a Paget Brewster e Matthew Gray Gubler. Prentiss se assume como agente do FBI, apanha, é amarrada e trancada em um quartinho, e ainda consegue salvar todos os inocentes da comunidade. Mesmo assim, ela consegue se preocupar com Reid, e faz questão de garantir-lhe que ele não tem culpa pelo quê aconteceu a ela (e a cena em que ela conversa com ele no avião é particularmente sensacional). E Reid mantém a cabeça fria o suficiente para manipular o líder da comunidade e conseguir passar informações vitais a equipe do lado de fora. Gubler tem uma grande cena quando Reid vê Prentiss toda machucada pela primeira vez. Porém, o grande momento de Matthew vem mais a frente.
Temos então Paradise. Nenhuma grande trama pessoal, o foco fica mais no caso mesmo. O episódio é ótimo e traz Hotch entrevistando o suspeito e não descobrindo que é ele a quem está procurando, o quê faz com quê ele tenha dúvidas sobre a própria competência e se sinta culpado. Eu, assim como Rossi, acho que ele não teve culpa.
Temos Catching Out, que foi muito melhor, mas as cenas mais particularmente memoráveis foram as do time. O caso ainda era parecido com o do crossover de CSI com Without a Trace ano passado, e o fato de não fazer tanto tempo assim que a trama foi usada em CSI afetou o meu aproveitamento. Mas o final, depois que eles descobrem quem é o criminoso, até que funcionou. Contudo, eu ri muito com Morgan provocando Reid no começo do episódio, e no final, Prentiss e Reid provocando ele por causa da Agente Todd. E gargalhei com Reid dizendo a JJ que sentir o bebê chutando o deixa apavorado. Esse episódio me fez sentir que eles tem um relacionamento meio que de irmãos, cheio de carinho e implicância.

O Vídeo abaixo contém spoilers para quem não está acompanhando a exibição americana de Fringe.

Happy Fringemas:

O vídeo da FOX é uma paródia da estória The Night Before Christmas, muito popular nos Estados Unidos. É narrada por Walter e é uma retrospectiva divertida do quê aconteceu em Fringe até aqui.

Mad SnowMan:

O vídeo foi criado firma de publicidade e traz uma paródia com a abertura da série Mad Men, usando o também tradicional nos Estados Unidos, boneco de neve.

Saiu a listinha com as indicações ao prêmio do Sindicato dos Atores. Eu adoro ver essa premiação em particular, adoro aquele começo com os atores contando sua historinha e dizendo “I’m fulano de tal, and I’m an actor”. Mas todo ano tenho mais e mais ressalvas a essa lista. É claro que ela nunca será unanimidade, e quem sou eu, uma pessoa com gostos tão peculiares, para dizer quem merece ser indicado e quem não? Mas é só comigo, ou essa lista parece ser mais do mesmo? Parece que eles estão sempre indicando as mesmas pessoas. E quando entra algo novo, é algo novo que também entra no Golden Globes, no Emmy, no WGA, no PGA.

Elenco Drama

“Boston Legal”
“Dexter”
“House”
“Mad Men”
“The Closer”

Elenco Comédia

“30 Rock”
“Desperate Housewives”
“Entourage”
“The Office”
“Weeds”

Ator em Série Dramática

Michael C. Hall, “Dexter”
Jon Hamm, “Made Men”
Hugh Laurie, “House”
William Shatner,” Boston Legal”
James Spader, “Boston Legal”

Atriz Série Dramática

Sally Field, “Brothers & Sisters”
Mariska Hargitay, “Law & Order: SVU”
Holly Hunter, “Saving Grace”
Elisabeth Moss, “Mad Men”
Kyra Sedgwick, “The Closer”

Ator Série Comédia

Alec Baldwin, “30 Rock”
Steve Carell, “The Office”
David Duchovny, “Californication”
Jeremy Piven, “Entourage”
Tony Shalhoub, “Monk”

Atriz Série Comédia

Christina Applegate, “Samantha Who?”
America Ferrera, “Ugly Betty”
Tina Fey, “30 Rock”
Mary-Louise Parker, “Weeds”
Tracey Ullman, “Tracey Ullman’s State of the Union”

Comentários: Bom, quem lê esse blog está cansado de saber que eu sou uma defensora fiel de House, mas nem eu aceito aquela indicação em elenco. Sim, Laurie é sensacional (e teve sua indicação individual para provar isso). Lisa Edelstein é maravilhosa, tem tido chances espetaculares de mostar isso nessa temporada, e as tem aproveitado muito bem. Robert Sean Leonard teve uma ótima quarta temporada. E Anne “Amber” Dudek fez uma ótima participação. O resto do elenco não merece, não. A equipe antiga aparece tão pouco que é quase figurante e a equipe nova, bom nem preciso falar. Acho que LOST merecia muito mais (e isso ficando em outras opções realistas). Acho a ausência de Jim Parsons completamente inaceitável. Fico me perguntando se alguém realmente vê Mad Men, porquê praticamente todo mundo que eu conheço a considera extremamente chata. Continuo me perguntando quem é Tracy Ullman e o quê é State of Union. De resto, mais do mesmo.

E heis que chegamos ao último episódio desse ano, possivelmente o antepenúltimo episódio da série. As coisas estão muito longe de uma resolução e eu já esperava um final aberto, mas eu queria ver mais e mais. Gostaria que Lipstick tivesse pelo menos uma temporada de mais de vinte episódios.
Certamente eu não quero mais dez episódios do insuportável do Shane tentando afundar o próprio casamento, contudo. Antes eu achava que era só eu que o via como um cretino, talvez porquê eu seja muito nova e não conheça os sacrifícios de casamento. Mas depois de ler várias críticas, eu já vi que o problema é o personagem. Que cafajeste aceita sair em turnê por meses com uma cantora internacional pelas costas da esposa? E será que não é obvio que a adorada empresária dele parece ser uma cobra manipuladora que parece o tempo ter segundas intenções no sucesso de Shane, leia-se o casamento dele ruindo? Tenho pena da Brooke Shields toda vez que, como nesse episódio, a trama dela fica toda atrelada ao personagem de Paul Blackthorne (cujo sotaque faz com que eu não entenda 80% do que ele fala), porquê quando se trata de situações envolvendo sua carreira, seus filhos e suas amigas, a personagem dela fica mil vezes melhor.
E falando em suas amigas, todas as cenas das três juntas foram adoráveis e divertidas. A química entre elas só cresce. Dessa vez, um dos principais tema das piadinhas amigáveis dela foram a neurose de Victory em relação a nudez e a volta à cena de Joe Bennet. A personagem realmente fica meio sem rumo sem trama romântica, então foi até bom vê-la tomar coragem e abordar Joe em seu quarto, e finalmente resolver tudo entre eles. Mas eu tenho medo de qual a reação de Joe a proposta de casamento dela pode ser. Já em relação a nudez, além das piadas, é claro, eu só gostei mesmo da montagem de Victory tomando coragem para fotografar, andando segura em direção ao local das fotos, enquanto Nico passava pelo exato oposto.
Kim Raver teve novamente minha estória preferida da noite. Nico está tomando as injeções de hormônio para poder congelar óvulos até que ela decida ter filhos. Mas ainda continua a ser a Nico de sempre, e trabalha milhões de horas por dia, se recusando, inclusive, a passar o posto de diretora do website da Bonfire para alguém que possa se dedicar exclusivamente, como Griffin quer. Eu não sei quanto ao colega de faculdade de Griffin, mas eu também não daria o site nas mãos da ex-assistente comedora de cabelo. O quê nos leva a parte da Nico na montagem: ela toma uma de suas injeções, sai no corredor obviamente não passando bem, cambaleia e chega a se apoiar em Griffin para não cair, apenas para desmaiar logo a frente.
Eu já achava que estava rolando um clima entre os dois desde aquela reunião a respeito da revista de esportes, mas antes, o Kirby estava em cena e Nico o amava demais para traí-lo. Mas agora as coisas entre os dois parecem estar realmente terminadas, e Griffin pode ser a pessoa com quem Nico vá acabar tendo seus filhos. Ele definitivamente gosta dela e fez questão de levá-la ao hospital, depois para casa, onde ficou e cuidou dela. Ele é um fofo, e é maduro o suficiente, é bem-sucedido, e está em um mesmo lugar na vida que Nico. Ou seja, ela provavelmente não terá os problemas que teve com Kirby e até mesmo Charles. É a primeira vez que Nico está se envolvendo com um homem que é um igual. Charles obviamente tinha algum tipo de domínio sobre ela, e mesmo quando os dois estavam distantes, ele conseguia manipulá-la e enganá-la, e faze-la se sentir culpada ou ridícula. E o Kirby estava sempre se sentindo inferior em relação a ela, o quê não os ajudava a ficarem juntos. E Kim anda atuando tão bem, que ela deveria ganhar um Emmy (o quê nunca vai acontecer, pelo não por Lipstick, o quê é uma pena). Só de pensar que tenho que começar a me despedir de Lipstick Jungle, eu fico deprimida. Vou chorar horrores quando acabar.

O primeiro beijo de Capitu e Bentinho.

A primeira aparição de Maria Fernanda Cândido.

A cena do giz.

O Juramento do Poço.

No seminário, quando Bentinho conhece Escobar.


Categorias

Comentários

luiz augusto em The Day of the Triffids
karina em Much I Do About Nothing…
andreia em Eles estão voltando…

Blog Stats

  • 207.314 hits

Todas as atualizações do seu blog favorito

Me Adicione no Technorati

Add to Technorati Favorites