Séries Addict

Archive for janeiro 2009

O último episódio de Fringe antes do hiato, Safe, foi simplesmente o melhor de toda a temporada. E eu tinha expectativas de que Bound, sendo sua continuação, fosse ser igualmente fantástico. Mas não foi assim. Bound tem seus méritos, mas tirando o seqüestro de Olivia e o envolvimento do agente Loeb, é como se todas as demais peças do quebra-cabeça tivessem sido deixadas de lado. E apesar de eu entender que eles tem até o final da temporada para mostrar mais coisas e resolver tudo, fiquei um pouco decepcionada. Depois da excelente seqüência de episódios sombrios e intrigantes em que Fringe vinha desde The Equation, Bound parece terrivelmente superficial.
A abertura, com Olivia no cativeiro levando a injeção na espinha e depois escapando foi excelente. Até me fez lembrar de Sydney Bristow em Alias. Mas me pareceu que acabaram com a questão do seqüestro rápido demais simplesmente por não saberem como conduzir a estória sem Olivia. E está aí justamente algo que seria interessante eles tentarem: um caso sem Olivia. Já pensaram Broyles e Charlie tendo que lidar diretamente com Peter e mais importante, Walter? Seria no mínimo engraçado.
E a maneira fácil como toda a situação do rapto acabou me pareceu tão idiota quanto a tentativa de fuga de Olivia em Safe. Simplesmente não consigo engolir as ações dos envolvidos e no final eu fiquei simplesmente confusa, mas já chego a isso. Eu li em uma outra review (acho que foi a do Sepinwall) que esse episódio tinha que ser um pouco mais didático e fácil de seguir que os demais porquê era o primeiro pós- American Idol. Mas eu não acho que quem nunca assistiu Fringe teve uma idéia clara de como funciona a série a partir de Bound. A dinâmica com Peter, Walter, Olivia e Astrid nem está tão presente, a Massive Dynamics não aparece, e quem não conhecia ou lembra de Loeb (e eu não me lembrava) deve ter boiado por um tempo.
O agente que foi mandado para investigar a divisão e que ficou pegando no pé da Olivia por vingança causou muita pouca tensão, e para piorar Broyles nem fez nada de útil. A irmã de Olivia só serviu para a Anna Torv poder interpretar a Olivia um pouco relaxada e feliz, mas fiquei com a impressão de que ela vai abandonar a filha com a irmã. E isso pode ser uma boa trama, ou pode ser péssima.
Senti falta de John, da Nina Sharp e do carinha creepy que ordenou o seqüestro de Olivia antes de fugir da prisão, o quê me leva de volta a minha confusão. Para mim com toda aquela estória de vírus e depois de chegarem a conclusão que para quererem matar dois proeminentes imunologistas seria alguém estar planejando uma epidemia, quando Loeb diz que salvaram Olivia a primeira coisa que se passou pela minha cabeça foi ‘Vacina. A injeção na espinha deve ser algum tipo de vacina.’ Mas não entendo porquê o cara que estava preso (me desculpem, mas realmente não me lembro o nome) iria querer salvar a vida de Olivia.
Então, Bound para mim foi um episódio que não fez muito sentido no geral. Não tem um roteiro terrivelmente ruim, a direção tem um ritmo muito bom, as atuações não comprometem (nem a de Anna Torv) e se sustentam bem, e enquanto durou o episódio prendeu minha atenção. Mas quando ele acabou, eu percebi que não gostei.

Lost está de volta, e novamente a série se reinventa. A estrutura narrativa mudou, e o foco agora é o tempo. Viagens no tempo mais precisamente. Mas nem tudo está diferente e a temporada começa exatamente como a segunda e a terceira, com um personagem desconhecido colocando um vinil para tocar, e fazendo coisas rotineiras enquanto a música toca. E se antes fomos apresentados a dois personagens que viriam a figurar entre os melhores da série, Desmond e Juliet, aqui vemos alguém já familiar, o Dr. Chang (ou Marvin Candle, que é o nome dele que eu sempre recordo). Contudo, o flashback não é menos revelador em nada.
Quem poderia imaginar que Marvin Candle era um pacato morador da Vila Dharma (no futuro Vila dos Outros), que tinha esposa e filho? Eu nem achava que ele estivesse na Ilha! E o quê dizer sobre a descoberta da roda que moveu a Ilha durante a construção da Estação Orquídea? Ou sobre a presença de Faraday no local? Eu não sou a primeira a dizer, e provavelmente essa frase se tornará um clichê esse ano, mas o personagem principal de Lost se tornou a Ilha. Ainda assim, o quê mais me interessa em Lost ainda são as pessoas, as reações humanas frente ao difícil, ao improvável e ao impossível. Os mecanismos de superação de cada um e suas maneira de se relacionar com os outros e com o mundo a sua volta em tempos de crise.
Eu estava muito interessada em tudo o quê Faraday tinha a dizer sobre as viagens no tempo que o grupo aparentemente estava realizando. Fiquei curiosa em entender porquê os Outros não estavam sofrendo os mesmos efeitos. Afinal, não pode ser algo relacionado à queda do avião, porquê Charlotte, Miles e Daniel não estavam nele, e não parece ser relacionado ao tempo que cada um está na Ilha, porquê Juliet está lá há anos. E também não parece ser uma questão geográfica. Então qual é o fator que faz com que os Losties fiquem presos no loop da Ilha, e os demais não?

Porém melhor que pensar essa questão, é ver Locke, Sawyer, Juliet e os demais tentando lidar com a incerteza, a instabilidade, a falta de segurança, a impossibilidade de se segurar ao comforto de algo rotineiro e constante. Enquanto Sawyer se revolta e e fica frustrado, Juliet facilmente desliza para dentro do papel que era então de Jack (com direito a altruísmo estúpido e tudo) como a líder calma e diplomática e John se apega ao único objeto que sempre lhe faz sentir forte e no controle, sua faca, apesar de Richard encontrar-lhe e lhe dar uma bússola que muito provavelmente era o objeto que Locke deveria ter escolhido quando criança ao invés da arma. E Faraday, que continua misteriosamente racionando a informação, tem um momento de desespero inspirado e pede ajuda de Desmond, no quê se torna uma memória com a qual o Brotha imediatamente sonha (um dos momentos mais inspirados dessa premiere, na minha opinião).
Fora da Ilha, Hurley e Sayid tem destaque enquanto tentam fugir, mas não conseguem. Seus caminhos acabam cruzando com os de Jack e do sempre manipulador Ben, que parece ter todo tipo de contatos e cúmplices fora da Ilha. E Kate é forçada novamente a fugir quando é confrontada com um mandado para um teste de DNA de Aaron. Mas é Sun quem mais chamou minha atenção. Apesar de aparecer pouco, a Coreana me deixou com a pulga atrás da orelha. Algo me diz que não podemos mais confiar nela e em seu bom caráter, e que seja seu objetivo vingança ou outra ainda obscuro, ela será capaz de fazer qualquer coisa para alcançá-lo. Acho inclusive que ela pode ser responsável pelos advogados que foram atrás de Kate e até mesmo pelos homens que tentaram raptar Sayid. É claro, Ben também é um suspeito natural de todas essas ações.

Eu também gosto muito do desenvolvimento do personagem de Jorge Garcia fora da Ilha e aqui não foi diferente. Dessa vez, ele viu a Anna Lucia. E eu fico me perguntando o tempo todo o quê pode estar acontecendo com o Dude para ele estar vendo gente morta. Será que é uma variação do que ocorre com Miles?
E voltando ao pedido de socorro de Faraday a Desmond, o físico pede ao escocês para encontrar sua mãe. Bom, eu, como o resto do mundo, pensei imediatamente em Miss Hawking. E não é que nada por acaso ela aparece no final, e descobrimos que a misteriosa senhora do viagem ao passado de Desmond em Flashes Before Your Eyes também é uma alida de Benjamin Linus?
Essa pode até não ter sido minha premiere de Lost favorita (na verdade, seria até a que eu menos gostei, junto com The Beginning of the End), mas não deixa de ser um bom episódio e um que me deixou infinitamente ansiosa pelo o quê pode estar por vir. E a mudança de estrutura da série pode até mesmo significar que não precisaremos de Flashbacks para rever conhecidos como Danielle (os produtores não sempre disseram que veríamos o passado dela, mas não em um flashback, ou algo assim?). Fico pensando na possibilidade da Rousseau do passado se encontrar com Locke, Sawyer e Juliet e fico salivando, seria o máximo eles verem ao vivo como a equipe dela realmente morreu e como ela sobreviveu tantos anos na Ilha sozinha. Além dessa óbvia possibilidades, o novo modo da trama ser contada abre a porta para muitas, muits coisas interessantes acontecerem. E eu mal posso esperar.

Eu sei que eu tenho vindo aqui, dito que o episódio foi bom, listado o quê eu gostei, o quê não está tão bom, mas que é irrelevante porquê eu me diverti mesmo assim, e talvez minhas reviews estejam ficando insuportáveis devido ao meu otimismo quase obsceno. Bom, em primeiro lugar, eu acho realmente que essa segunda temporada está superior à primeira, com episódios que mesmo quando não tão bons, ainda me divertem e não chegam a me irritar e querer bater na equipe de produção.
E montando a nova coluna semanal do blog, o Top 10 de Melhores Episódios da Semana, ficou ainda mais evidente para mim que um episódio bom de Gossip Girl fica muito abaixo de vários episódios bons de outros shows. Então talvez seja estupidez minha vir aqui semana após semana, toda animada, e dizer que gostei. Mas o problema é que gostei mesmo. Talvez eu deva começar a escrever reviews de GG com atrasos gigantescos (como o da review de Damages) ao invés de horas depois de ter visto o episódio, porquê talvez eu consiga fazer um melhor julgamento. Tempo é um ótimo amigo do bom senso. Contudo, eu tenho apontado vários defeitos que eu vi na série, várias coisas que não funcionaram no episódio na minha opinião, e eu acho que a minha capacidade analítica ainda compensa pelo fato de que GG é um guilty pleasure que apesar de tudo, ainda me deixa satisfeita ao final de um episódio. E ao final de You’ve Got Yale eu fiquei muito satisfeita.
Apesar de eu adorar o casal Blair e Chuck, separá-los durante esse episódio e deixar cada um ter sua própria trama foi a melhor coisa que os roteiristas poderiam fazer. Blair teve novamente uma trama completamente focada em sua admissão em Yale e apesar de eu achar que o escritores deveriam “pegar emprestado” uma das frases do sexto livro que sempre me faz rir ( “E se eu não entrar… Alguém vai ter que pagar por essa porra.”), eu ainda acho que a trama com a nova professora é válida, só por trazer a Blair bitch de volta. Destaque para a cena em que Penelope e Isabel bancam o anjo e o diabo de Blair, enquanto ela decide se deve se vingar da professora ou não.
Rachel Carr é sim muito sem graça (quem é o diretor de casting de GG, hein?), a atriz Laura Breckenridge tem tanto carisma quanto Chace Crawford ou… faça sua própria escolha. São tantos, né? Mas a storyline acerta ao retratá-la como alguém que pode de fato se provar um desafio para B. Só acho que se ela se envolver com Dan vai deixar tudo muito fácil para Blair arruiná-la. E o único jeito que esse romance entre professora e aluno pode render frutos seria se Serena resolvesse juntar-se a Blair e ser má de novo. O casal Dan/Serena parece estar acabado, mas nunca é possível atestar isso com certeza. E eu queria ver Serena e Blair juntas, mandando a Miss Iowa de volta para o lugar dela.
Enquanto isso, Chuck se aliou a Lily para tirar Jack da presidência da Bass Industries. E essa storyline foi uma das melhores de toda a temporada. Dois dos meus personagens favoritos, interpretados por dois dos atores mais carismáticos do show (ao lado de Leighton) e com as composições de personagem mais regulares e acertadas de toda a série, ótimas situações e diálogos perfeitos. Eu venho torcendo para Lily convencer Chuck a ir viver com eles desde que Bart morreu. Os dois tem uma relação super legal, e os escritores conseguem fazer Lily ser muito mais maternal com Chuck do quê com os próprios filhos, sem ser excessivamente sufocante ou moralista de maneira que fosse destruir o estilo de Bass.
E a estória faz sentido o tempo todo. Quer dizer, pelo menos eu não achei nada estranho que Chuck tenha continuado a se irritar com o affair de Lily com Rufus, afinal, o pai dele só morreu há um mês. E eu entendo ele não querer se tornar dependente dela, ou muito próximo dela, porquê afinal ele já perdeu dois pais, além de Blair. Apegar-se a madrasta e depois acontecer algo com ela é justamente o quê ele não precisa. Mas tem como não se agradar de ver Lily pedindo para Chuck ensiná-la a jogar sujo e depois dizendo que sabotar o jatinho corporativo quando Jack estiver dentro simplesmente não é uma boa idéia porquê o avião é caro?
Falando em Jack, ele se saiu um tremendo vilão. Pena que, ao que parece, não o veremos mais e ele nem contou a Chuck que dormiu com seu grande amor no ano novo. O personagem é tão maquiavélico e eu gostei tanto das tiradas dele, que até ignorei o fato de Desmond Harrington ser completamente canastrão. E a cena em que ele ataca e tenta estuprar Lily no banheiro da Ópera foi uma das mais tensas, se não a mais tensa, de toda a série. Por um minuto, eu simplesmente parei de respirar e torci para Chuck arrombar a porta logo. E eu suspeito que a cena nem tenha sido tão violenta quanto poderia ter sido devido ao estado delicado de Rutherford, cuja gravidez de quatro meses já começa a aparecer.
E já que me referi a Kelly Rutherford, depois de passar o começo dessa temporada completamente apagada, eu a considero o destaque isolado pela segunda vez consecutiva. Além da já dita cena do ataque, a primeira cena em que ela e Rufus aparecem é ótima (e só tem appeal cômico por causa dela) e a cena da reconciliação com Chuck também foram ótimas. E Ed Westwick e Leighton Meester, evidentemente, também estiveram ótimos. Eu estou ansiosa para ver Chuck se mudar de volta para o apartamento dos Van der Woodsen, e para ver Blair na detenção, e para vê-la se vingar de Rachel. Espero que a semana que vem chegue logo.


Eu gostei tanto desse episódio que se eu ainda utilizasse notas para avaliar episódios , eu daria a Burn it, Shred it, I Don’t Care a nota máxima. Nessa segunda temporada as coisas parecem estar se desenvolvendo mais rápido, e obviamente teremos mais reviravoltas, o quê nem sempre é bom, mas aqui é surpreendente. O roteiro intricado, cheio de revelações mas ao mesmo tempo sempre nos mantendo três passos atrás dos espertos e dúbios protagonistas.
Nessa nova trama, ninguém é confiável, ninguém é simplesmente bom ou mau, nada é preto ou branco. E como na primeira temporada, quando você começa a achar que está entendendo alguma coisa, vem um episódio como esse e te mostra que ainda é muito cedo para se ter certeza de qualquer coisa, e que a verdade é que nós não sabemos nada. A estrutura narrativa de Damages é como uma tapeçaria incompleta, e por mais que os caminhos que os fios percorrerão e se entrelaçarão pareçam previsíveis, eles nunca correspondem as nossas expectativas.
Patty dispensou o caso que o FBI preparou como armadilha e assumiu com tudo o caso de Daniel Purcell. Porém o velho conhecido da advogada parece não ser tão inocente quanto se esperava. A frase do episódio é de Patty, que diz sabiamente que todo mundo tem um objetivo escuso. E eu acho que o grande mistério dessa temporada não é em quem Ellen atirou afinal de contas, mas qual é o objetivo de escuso de Patty. Até agora Hewes parece não estar jogando, manipulando ou escondendo nada para tirar vantagem dos outros, mas esperar que ela realmente não tenha uma (ou várias) cartas na manga é ingenuidade. Por mais que ela pareça se preocupar genuinamente com Purcell (quem, em um momento suspeito, fica extremamente tenso ao conhecer o filho de Patty, Michael, que ao alguém me lembrou sabiamente que também não é filho do marido dela), e por mais que as intenções dela em relação ao caso pareçam boas, eu não confio que Patty seja completamente altruísta ou que pelo menos ela não vá jogar muito sujo.
Mas com o quê vimos até aqui, ela está até parecendo a mocinha da estória. Ellen está tramando contra ela, Tom parece muito próximo de Parsons no futuro, Purcell pode estar usando-a. E ainda temos, Frobisher (que não apareceu dessa vez, mas alguém duvida que ele continue sendo o homem maquiavélico de sempre) e o novato Wes, que parece ter uma obsessão nada saudável com ex-bilionário e seu envolvimento com Ellen, isso sem mencionar na sua assustadora coleção de armas.
Para completar, entra em cena Claire Maddox, interpretada pela ganhadora do Oscar Marcia Gay Harden. Por enquanto apenas conseguimos deduzir que ela e Daniel tem um segredo, que pode variar desde um envolvimento mais pessoal até os dois estarem juntos armando contra Patty. Porquê motivo eles fariam isso, eu ainda não sei. Mas Claire parece que será uma antagonista ainda melhor que Ray Fiske.
Gay Harden é ótima atriz, e sua composição está irrepreensível, mas os destaques de atuação em Burn it, Shred it, I Don’t Care são mesmo Glenn Close e William Hurt. Enquanto Glenn consegue dar uma certa vulnerabilidade a Patty sem fazer com que ela deixe de ser a mulher sagaz e calculista que todo mundo já aprendeu a temer e respeitar, William Hurt faz exatamente o oposto, apresentando Daniel como um homem supostamente fiel aos seus valores e assustado, mas que esconde um lado negro.
Com isso, quarta-feira já tornou-se o melhor dia da semana, o mais esperado por mim pelo menos, e está extremamente difícil escolher o que ver primeiro: Damages, Lost ou Criminal Minds (e ainda tem tecnicamente impecável CSI: NY).

Grey’s Anatomy: Sympathy for the Devil (5×12)
Exibição: 15/1/2009
MVP: Eric Stoltz e Jessica Capshaw

A visita inesperada da mãe de Derek nem de longe foi tão notável quanto à visita de sua irmã Nancy (Let the Angels Commit), mas foi uma boa participação que serviu para os roteiristas selarem de vez o compromisso de Meredith e Derek e de Sloan e Lexie.

Eu honestamente temi que Mer e McDreamy pudessem ter mais uma de suas separações devido ao seu desentendimento em como lidar com o paciente deles, William, que é um serial killer. William, interpretado por Eric Stoltz, não chamou muito a minha atenção no episódio passado, mas, aqui, ele foi o melhor de tudo, e sua cena final me deixou agarrada a poltrona.

A volta de Grey’s do hiato está indo muito bem, na minha opinião. Até agora tivemos dois episódios que se completaram, com tramas excelentes (melhores aqui do que Wish You Were Here), um ritmo de direção muito acertado e diálogos inspirados. Eu tenho adorado tudo que diz respeito a Sloan e Callie, aprovei totalmente a chegada de Jessica Capshaw como a pediatra Arizona Robbins, achei que a relação entre Owen e Christina está finalmente evoluindo e até a presença de Denny “fantasma” Duquette me irritou menos.

A única coisa que eu desaprovo totalmente é a briga e birra infantil de Christina e Meredith, que, como recurso narrativo, até agora se mostrou inútil.

Nip/Tuck: Gene Shelly (5×16)
Exibição: 13/1/2009
MVP: Dylan Walsh e Julian McMahon

Nip/Tuck é uma série peculiar, até mesmo bizarra ocasionalmente. Ryan Murphy não tem medo de explorar as esquisitices e o lado negro (porém cômico) de seus personagens. Às vezes eu acho que ele passa da conta – até hoje não consegui ver um episódio inteiro sequer da quarta temporada – e, às vezes, eu o considero simplesmente um gênio. Nessa quinta temporada a série tem me agradado e muito.

Adorei esse episódio e como eles exploraram a questão do câncer de mama de Christian. Ainda estou me decidindo qual foi a melhor cena, mas Liz e ele dormindo juntos certamente merece destaque.

É claro que nada supera Christian manipulando Sean de maneira perfeita para que o melhor amigo assumisse que pode andar e saísse da cadeira de rodas, ainda que eu prefira a idéia do Matt de jogar a cadeira no oceano e ver o quão bem as pernas dele estão.

Julia ainda está meio apagada, mas ficamos sabendo que ela ainda mora com Olivia e não se recorda que a filha da amante tentou matá-la duas vezes. Além disso, o novo médico Raj, o estudante gênio de Sean, tem estado muito bem e tem sido um ótimo alívio cômico. Adhir Kalyan foi uma ótima adição ao elenco.

Texto publicado previamente no site TeleSéries.

Ano novo, coluna nova. E essa coluna é o Top 10 de melhores episódios da semana. Eu sei que com as reviews parece um pouco redundante, mas não é. Primeiro, porquê eu não consigo escrever sobre todas as séries que assisto aqui. E ultimamente eu tenho atrasado um pouco as reviews, e me desculpo por isso. É um problema que eu ainda tenho que solucionar, mas no meio tempo, vocês já ficam sabendo o quê eu vi e do quê eu gostei mais. Eu não vou usar notas, porquê desisti desse sistema faz um tempo. Era muito rígido, e eu acho que não acrescentava nada ao quê eu tinha para dizer. Mas eu vou usar os MVPs, que para quem não sabe, significa Most Valuable Player, e é usado por blogueiros para designar o melhor ator em cena em um episódio. O segundo motivo por eu ter decidido começar essa coluna é que me ajuda a colocar em perspectiva os episódios que assisti. Quando eu faço uma review, eu procuro apontar criticamente o quê eu vi como qualidade ou como defeito. O quê às vezes faz com que eu perca um senso mais geral sobre o episódio. Avaliá-los de maneira comparativa me ajuda a perceber o quanto um episódio foi bom de verdade, respeitadas as devidas características específicas de cada show e a questão da subjetividade. É um exercício muito bom e me permite também trazer minha intuição para os julgamentos que eu faço, já que durante uma crítica geralmente eu fico tão imersa em análises e dissecações técnicas que coloco o instinto um pouco de lado. Bom, sem mais delongas, o primeiro Top 10 Most Addictive da Semana.

1. Damages – 2×02 – Burn it, Shred it, I don’t Care (MVP: William Hurt, Glenn Close)
2. CSI NY – 5×12 – Help (MVP: Gary Sinise, Hill Harper)
3. Desperate Housewives – 5×12 – Connect! Connect! (MVP: Marcia Cross, Felicity Huffman, Nicollette Sheridan)
4. Nip/Tuck – 5×16 – Gene Shelly (MVP: Dylan Walsh, Julian McMahon)
5. The New Adventures of Old Christine – 4×13 – Notes on a 7th Grade Scandal (MVP: Julia Louis-Dreyfus)
6. Criminal Minds – 4×12 – Soul Mates (MVP: Paget Brewster)
7. Grey’s Anatomy – 5×12 – Sympathy for the Devil (MVP: Eric Stoltz, Jessica Capshaw)
8. Two and a Half Men – 6×12 – Thank God for Scoliosis (MVP: Jon Cryer)
9. 24 – 7×01 – 8:00 a.m.-9:00 a.m. (MVP: Kiefer Sutherland, Carlos Bernard)
10. Gossip Girl – 2×15 – Gone with the Will (MVP: Kelly Rutherford)

A minha espera pela volta de Criminal Minds foi tão grande, que eu acho que estava mais ansiosa pelo retorno da série policial do quê pelas estréias das temporadas de Lost e Damages. Eu estava morrendo por um pouquinho do time de profilers, de Quantico, das frases hilárias da Garcia, da genialidade do Reid, do charme e a determinação de Morgan, da serenidade e sabedoria do Rossi e da perspicácia e segurança de Prentiss e Hotch.
Porém Soul Mates não nos leva a território familiar. Ele tira o confortável de debaixo de nós como se puxasse um tapete, e utiliza-se, novamente, de uma estrutura narrativa diferenciada. Ao invés de acompanharmos a equipe recebendo debriefing do caso em Quantico, o avaliando, fazendo o brainstorming no jato e começando a traçar o perfil e procurar por suspeitos, já começamos com a prisão de um suspeito. Uma prisão que é um tanto precipitada, considerando que não há muitas evidências, e com isso eles tem pouco tempo para quebrar William Harris.
Sim, a partir daí a maneira de conduzir a trama lembra muito Masterpiece. Só que é muito melhor que o episódio com Jason Alexander (que a cada vez que eu reviso na minha cabeça, só me parece pior, mas eu ainda vou vê-lo de novo para reavaliar). Todavia, parece que depois de 52 Pickup, o nível caiu de brilhante para apenas muito bom. Soul Mates é ótimo, mas ainda não me empolgou como o começo dessa temporada. É claro que se eu vejo um episódio ótimo, que fica acima de vários outros episódios de outras séries, e ainda assim acho que está abaixo da média da temporada, isso mostra o quanto a qualidade está alta. E com o nível tão alto, não tem como a expectativa não ficar alta demais também.
William Harris é um ótimo personagem. Ele é tudo aquilo que Prof. Rothchild não conseguiu ser. Arrogante, seguro, educado, insensível. E em um caso raro, seu parceiro, Steven Baleman, também o é. Dois sujeitos dominadores, em uma parceria extremamente forte, mas que é abalada assim que a BAU começa a plantar evidências de traição, e a fé de Baleman na lealdade de seu parceiro balança.
O roteiro trouxe um caso extremamente coeso, com um profile interessante e um trabalho de equipe afiado. O time é dividido: Rossi e Morgan entrevistando e tentando manipular o suspeito (com destaque para Morgan, que se mostra cada vez melhor em coagir os UNSUBs), Reid fazendo análise lingüística de um Live Journal que ambos os suspeitos mantinham para se comunicar (e se em Angel Maker tivemos o “He’s so life-like!” da Prentiss, aqui tivemos Rossi dizendo ao detetive responsável que o gênio “Foi deixado em uma cesta na porta do FBI” quando perguntado sobre onde eles encontraram Spencer), Garcia como sempre conseguindo as informações necessárias direto de seu bunker, e Hotch e Prentiss falando com a família e demais pessoas de interesse (e como eu sou shipper dos dois, adorei vê-los grudados o tempo todo durante a investigação).

Prentiss continua ganhando destaque. Ela é uma quase Hotch, e nessa temporada está assumindo bastante uma posição de liderança, mas ela é quase tão calorosa e se relaciona tão bem com as pessoas quanto JJ (e para quem nunca deu nada pela loura como eu, é duro admitir, mas ela faz muita falta, especialmente porquê Todd não convence, e mesmo que conseguisse convencer, ela mal apareceu). O elenco todo faz um trabalho notável, mas Paget Brewster é a estrela dessa quarta temporada. A expressividade dela é tão grande, que me deixa triste saber que por causa da natureza da série sua composição não será tão reconhecida como merece. E além dela, Matthew Gray Gubler, continuando a ser espetacular, também se sobressai.
O diretor John Gallagher (No Way Out, Seven Seconds) também soube conduzir muito bem o material que tinha em mãos. Eu fiquei extremamente tensa no momento do climax, o final, quando Steven rapta Andrea, a filha de William, mas ainda assim o suspeito se recusa a assumir a culpa pelos crimes e dar o paradeiro do parceiro para que a BAU possa resgatar sua única filha das mãos de um estuprador em série e assassino. Mas enfim a BAU consegue o suficiente para prender os dois. E eu mal posso esperar pelo próximo.


Categorias

Comentários

luiz augusto em The Day of the Triffids
karina em Much I Do About Nothing…
andreia em Eles estão voltando…

Blog Stats

  • 197.309 hits

Todas as atualizações do seu blog favorito

Me Adicione no Technorati

Add to Technorati Favorites