Séries Addict

Nas Telas Americanas

Posted on: março 4, 2009

Damages – 2×08 – They Had to Tweeze That Out of My Kidney

Na primeira temporada de Damages, eu achava Patty Hewes o máximo. Ela era misteriosa, implacável e assustadoramente calculista. Mas eu nunca cheguei a gostar dela. Porém, veio a segunda temporada e nós conhecemos o quê tem por trás da grande advogada. Vimos um lado mais suave e até mais ingênuo dela (eu estou começando a achar que ela realmente não desconfia da traição de Ellen). E eu comecei não apenas a gostar de Patty, mas a sentir pena dela. Nesse segundo ano, parece que o mundo está contra Patty. Até seu marido a está traindo, e de todas as maneiras possíveis. O FBI segue sua vigília implacável, apesar de parecer que a missão deles contra Patty tem mais a ver com o descontentamento de alguns figurões de Washington do quê com os pecados da advogada.
Nesse oitavo episódio, a má fase de Patty atinge seu auge. Breves flashbacks de um momento chave de seu passado complementam a principal trama no presente, que trata da importância de Tio Pete em sua vida. Infelizmente, apesar de sobreviver a própria tentativa de suicídio, Pete é assassinado por um de seus comparsas, logo depois de Patty lhe dar autorização para entregá-la para os Federais. A morte de Pete é tocante e angustiante pelo efeito devastador que tem em Patty, que se encontra agora mais sozinha que nunca. Mas a cena em que recebe a notícia nem é o melhor exemplo de atuação da maravilhosa Glenn Close. O melhor fica para o final, quando finalmente nos revelam que é de fato Patty que se encontra sob a mira da arma de Ellen no futuro. É óbvio que Patty, sendo a protagonista, não morrerá. Principalmente com uma terceira temporada garantida. Mas Close quase nos faz temer por ela. Eu estou morrendo para saber onde pararão as balas que Parsons dispara, vocês não?

Nip/Tuck – 5×21 – Allegra Caldarello

Christian aceitou seu destino trágico e seguiu em frente com as preparações para que Liz, Wilber e Sean não fiquem desamparados com sua morte. Agora falta Sean conseguir se resignar a idéia de perder seu melhor amigo e irmão. A situação não poderia ser mais difícil, e sem dúvida a rapidez com que Christian parece estar agindo não ajuda. O substituto escolhido por Christian também não. Logan Taper me pareceu divertido desde o primeiro minuto em tela. Também ficou óbvio de cara que ele não era normal. Mas em Nip/Tuck, quem é? Eu não imaginei, porém, que ele protagonizaria a melhor cena do episódio, quando logo depois de ser contratado faz amor com o sofá de Christian. Aliás, essa foi uma das cenas mais hilárias de toda a temporada. Se tem algo que Nip/Tuck não errou nenhuma vez na continuação desse quinto ano, foi na criação dos personagens que fariam aparições especiais e nos atores convidados para vivê-los. Richard Burgi estava impecável e é uma pena que sua participação seja tão curta.
Liz esteve às voltas com sua extremamente crítica mãe. É impossível não se relacionar com a Liz. Quem nunca escutou a coisa errada dos pais? Mais freqüentemente que não o criticismo deles não vem na hora certa, e mutias vezes cria-se um abismo entre pais e filhos que levam a muitas coisas dolorosas. Eu apóio Liz porquê eu não acho que gays e lésbicas devem ser tratados como uma anomalia, mas poderia facilmente ser de outra maneira. Todos nós somos injustos e julgadores em algum momento. Também acho que apesar de não ser um relacionamento perfeito e vir cheio de bagagem, o casamento de Liz e Christian não é só sobre a morte iminente dele. É sobre confiança, cumplicidade e companheirismo. Não é uma romance de contos de fada, mas isso não o torna menos verdadeiro. E se a minha mãe disesse que meu noivo é muito bonito e bem-sucedido para mim, e que só está se casando por causa do câncer, eu também a expulsaria do meu casamento.

Lie To Me – 1×04 – Love Always

Será que a Gillian sabe de alguma coisa que nós não sabemos, ou ela simplesmente escolhe ignorar os sinais de que seu marido está mentindo? Porquê eu me recuso a acreditar que, como braço direito de Lightman, ela seja incapaz de ver o quê todo mundo já percebeu. Então, ou ela tem medo do quê descobrirá caso pressione o marido ou ela já conhece a razão de suas mentiras. É a´te estranho que uma mulher tão confiante e segura em sua profissão seja tão carente na vida amorosa, mas às vezes é assim mesmo que as pessoas são. E Lightman mostra que apesar de seu jeito meio petulante com os clientes, ele é acima de tudo humano e compreende sensivelmente onde estão os limites do que ele pode revelar. Eu gostaria de ver a amizade dos dois mais explorada. No piloto, pareceu que eles tinham uma dinâmica divertida, e muita intimidade. Mas desde então Lightman só trabalhou com Ria. E eu também a adoro, mas acho que eles podem trocar de dupla. Torres e Loker não são um time ruim, e Keli Williams não anda rendendo muito como chefe do time secundário, acho que ao lado de Tim Roth ela pode funcionar melhor.
O caso foi bom, mas ainda não foi nada que tenha me deixado boquiaberta. Eu não entendo porquê as séries de investigação ás vezes criam roteiros com tantas reviravoltas. Talvez seja por isso que eu goste tanto de Criminal Minds. As mudanças no rumo da investigação parecem orgânicas, enquanto em Lie to Me fica claro que os roteiristas tentam tranfosmar o texto em algo mais interessante e chocante, além de ser a maneira preferida de enrolação desse tipo de show.

Trust Me – 1×05 – Way Beyond the Call

Tem como não amar essa série? Eu sinto que fico me repetindo toda semana, e realmente devo ficar, mas é que Tom Cavanagh e Eric McCormack simplesmente estão fantásticos. Eles tornam até o mais absurdo dos plots em algo super interessante. E dessa vez Tony e Denise tiveram a chance de aparecer mais um pouco, e Griffin Dunne esteve muito bem.
Novamente eu gostei muito do roteiro. Eu acho que os produtores do show tinham uma idéia, que é até boa, mas não é exatamente genial, e eles conseguem fazer uma série que foge do óbvio sem fugir da realidade. E além do bom texto, da boa direção e das boas atuações, a série é muito, muito divertida. É o entreterimento leve e descompromissado, mas com qualidade.

Anúncios

1 Response to "Nas Telas Americanas"

repetindo o que escrevi no post anterior e deve ter passado batido.

Só vi Nip/Tuck até a terceira temporada, mas a série passou a ignorar tudo o que foi mostrado sobre o futuro dos personagens?
No futuro o Christian apareceu bem de saúde, como pode estar morrendo de câncer?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

Comentários

luiz augusto em The Day of the Triffids
karina em Much I Do About Nothing…
andreia em Eles estão voltando…

Blog Stats

  • 173,234 hits

Todas as atualizações do seu blog favorito

Me Adicione no Technorati

Add to Technorati Favorites
%d blogueiros gostam disto: