Séries Addict

Criminal Minds – 4×17 – Demonology

Posted on: março 14, 2009

Episódios envolvem religiões sempre têm uma certa tendência a divagações filosóficas e éticas que muito me agradam. Eu não sou religiosa, mas eu tento ser o mais tolerante possível com as crenças das pessoas, motivo pelo qual eu sempre fico um pouco chateada quando vejo o quê acontece quando alguém falha em se encaixar em um modelo de pensamento ou comportamento. E o pior disso tudo é que é a falta de compreensão e aceitação não fica apenas entre meros estranhos, mas é até mais comum entre membros de uma mesma família.
O quê é o caso de Matthew Benton, a vítima principal de Demonology. Amigo de adolescência de Emily, Matthew se rebelou contra a religião católica depois que Emily, ao engravidar aos 15 anos de idade e optar pelo aborto, foi alienada e maltratada pelo Padre deles. Revoltado pela rejeição da pessoa com quem ele achava que podia contar, Matthew começou a questionar sua religião, o quê somado a seu vício em drogas acabou convencendo seus pais de quê ele estava possuído. E com essa convicção eles não apenas consentiram a presença de um homem cujas segundas intenções consistiam no assassinato de seu único filho, eles estiveram no quarto enquanto Matthew morria, e não fizeram nada para salvá-lo.
Com uma trama dessas, e as responsabilidades de cada um firmemente calcadas em fés inabaláveis, é até difícil atribuir culpas. E as questões morais de Demonology são o grande destaque do roteiro de Chris Mundy. Aliás, faço um pequeno desvio do assunto para comentar que Mundy é sem dúvidas o melhor roteirista de Criminal Minds. Responsável pelos textos de Lo-Fi, In Birth and Death, Revelations e Sex, Birth, Death, entre outros, Mundy é extremamente competente em criar crimes interessantes e complexos, sem recorrer a grandes reviravoltas, e explorar e desenvolver os personagens principais da série.
E a Prentiss, que há muito tempo merecia um episódio quê lhe desse bastante destaque, teve uma das tramas focadas mais interessantes da série. Além de carregar o peso de ter feito algo que não queria para ser aceita e ter acabado grávida (meu palpite é que essa coisa seja ter tido relações sem utilizar anti-concepcionais) e de fazer um aborto, o peso de manter isso em segredo por vários anos e de ter complicado a vida de seu melhor amigo, que se tornou problemático após o acontecido. E o quê dizer de Paget Brewster? Sua Emily vivaz e forte simplesmente desaparece dentro dessa mulher culpada, frustrada, triste e angustiada. Ela tem estado ótima a temporada toda, mas em Demonology ela tem que fazer algo totalmente diferente e se reinventar dentro de Prentiss que mostra, durante os quarenta minutos de projeção, um lado totalmente novo.
Como boa shipper que sou, eu esperava que houvesse mais interação entre Hotch e Prentiss. E mesmo que não fosse Hotch, de todos os personagens, o quê eu menos esperava que fosse ser o grande apoio de Emily durante esse episódio era Rossi. Por um lado, foi mancada dos escritores escolherem justo ele, que é a pessoa menos íntima de Prentiss. Reid, Morgan, Garcia ou JJ se encaixariam melhor.
Por outro, eu gostei de todas as atitudes de Dave, de todos os diálogos, e em nenhum momento eu achei que o suporte que ele deu a Emily soou falso. Dave foi a única pessoa que percebeu que Prentiss precisava de atenção, e precisava não ser julgada ou colocada contra a parede. Eu acreditei no afeto genuíno dele por Emily. Às vezes eu sinto que Rossi não se encaixa tão bem na equipe quanto o resto, mas aqui sua interação foi perfeita. Pela primeira vez, eu o vi como uma figura paterna para alguém do time, e apesar de tudo, não me pareceu algo repentino ou forçado. Joe Mantegna merece parabéns pela segunda melhor performance do episódio e por estar gradualmente me conquistando nessa quarta temporada.
Para encerrar, eu só queria falar um pouquinho sobre o sangramento nasal de Emily, porque esse sangramento está gerando mais teorias que os de Lost. Algumas pessoas acham que o sangramento de Prentiss pode ser uma combinação de estresse e tempo frio. Eu acho bem possível, e a minha primeira teoria foi de que essa seria uma forma de demonstrarem o quanto tudo aquilo havia abalado a agente e a levado a beira de um colapso. Mas depois de ler vários comentários, eu revi o episódio e percebi que em todas as cenas de exorcismo, as vítimas tinham sangramentos nasais. E o Padre jogou água benta em Emily e John. Então é bem provável que a água benta estivesse mesmo contaminada. Mas eu não acho que vá levar a nenhuma condição séria.

2 Respostas to "Criminal Minds – 4×17 – Demonology"

Não posso nem falar sobre o episódio, senão vou enrolar e você não terá paciência o suficiente para ler tudo o que eu vou escrever. Passa lá no blog xD

Fiquei pensando que deve ter mais alguma coisa nessa história da Prentiss, acho que o pai da criança que ela estava esperando pode ser um padre… Sei não, ficou alguma coisa no ar e espero que seja mostrado até o final da temporada.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

Comentários

luiz augusto em The Day of the Triffids
karina em Much I Do About Nothing…
andreia em Eles estão voltando…

Blog Stats

  • 169,074 hits

Todas as atualizações do seu blog favorito

Me Adicione no Technorati

Add to Technorati Favorites
%d blogueiros gostam disto: