Séries Addict

Dollhouse – 1×09 – Spy in the House of Love

Posted on: abril 13, 2009

Uma espécie de continuação dos assuntos abordados em Man on the Street (que todo mundo adorou, menos eu), Spy in the House of Love conseguiu aprofundar a mitologia da série e ser ágil e cheio de ação, o quê garantiu um episódio não apenas sólido e interessante, mas também muito divertido. Além disso, esse episódio se aprofundou em dois personagens que chamaram a minha atenção desde o começo, mas que até então eram unilaterais e rasos: Adelle e Dominic.
E com o pouco tempo que tiveram para desenvolver os dois em Spy, enquanto Sierra e Echo iam ao resgate da Dollhouse no melhor estilo Sydney Bristow, e Mellie se reintegrava a vida de Ballard com um bug que aproveitou a oportunidade para revelar ao agente a verdadeira identidade de November e lhe passar mais uma mensagem, ainda assim DeWitt e Dominic conseguiram se tornar os personagens mais complexos que Dollhouse já nos apresentou. E tudo por causa de um não tão inocente encontro de Adelle/Katherine com Victor/Roger e a descoberta de Topher do dispositivo que estava colocando as mensagens clandestinas para Ballard nas dolls.
Uma das minhas maiores implicâncias com a série até agora era exatamente como eles conseguiam aproveitar tão pouco o talento de Olivia Williams. Então quando Victor encontrou-se secretamente com Katherine, eu vibrei com o fato de que pelo menos Williams poderia trabalhar um material diferente de fria e emocionalmente distante (tá, ela também teve bastante material diferente disso em Echoes, mas aquela foi uma storyline totalmente cômica, enquanto essa foi dramática). Porém, toda a coisa foi bastante estranha. Não sei se essa foi a intenção, mas em nenhum momento o relacionamento foi romântico de verdade e parecia que havia algo de muito errado naquilo tudo. Foi o suficiente para eu sentir muito pela Adelle, contudo. Que ela era uma pessoa solitária era um tanto óbvio desde o início, mas também existe o fato de que qualquer pessoa que entrar na vida dela jamais poderá saber a verdade sobre o quê ela faz. E já que ela não pode mostrar fraqueza dentro da Dollhouse, ela não pode desabafar.
Então, basicamente a fantasia de DeWitt não é tanto amorosa e sexual, mas é mais ligada a uma questão de cumplicidade. De ela poder ser ela mesma sem medo do que acontecerá. E se isso não é triste, eu não sei o quê é. Ao mesmo tempo, ela não hesita em deslizar para a persona mulher de negócios eficiente e insensível. E apesar da natureza moralmente questionável do cargo que ela ocupa, é admirável o grau de competência dela.
Portanto, eu discordo totalmente de Dominic quando ele afirma que o trabalho era impedir que Adelle deixasse a Dollhouse afundar. Apesar de Caroline e Paul, eu acho que a Dollhouse é uma estrutura sólida o suficiente para continuar fazendo negócios por muito tempo se não houvesse um vazamento de informações. E apesar de Dominic ter sido identificado como espião e punido com uma lobotomização e uma passagem sem volta para o sótão, eu não acho que ele estivesse por trás do dispositivo encontrado por Topher. Primeiro porquê mesmo que o objetivo dele fosse de fato acabar com a Dollhouse, sendo ele da NSA, ele nunca recorreria a um agente do FBI. Segundo que a NSA parece muito mais interessada em adquirir e explorar a tecnologia secretamente do quê em acabar com os males perpetuados pela Dollhouse e salvar as pessoas machucadas pela empresa.
Eu acho que existe um segundo espião. E embora seja bem provável que seja a Doutora Saunders (ela tem o discurso de agente duplo moldado á perfeição, não?), o meu palpite sobre a identidade dessa pessoa é Adelle. E todos os elementos que me fizeram criar essa teoria são elementos desse episódio mesmo. A primeira coisa que é muito suspeita é a maneira como Topher parece não estar ciente de que o imprint da Miss Lonely Hearts indica que Victor deve chegar a casa dela, pegar o carro e dirigir para uma outra residência, que “Roger” sabe tudo sobre a Dollhouse já que “Katherine” trabalha lá, e por aí vai. Eu acho que a própria DeWitt poderia ter criado os parâmetros de Roger, e a razão de ela aparecer no quarto e chorar copiosamente no dia seguinte, seria ela finalmente ter falado com Topher e descoberto que o chip havia sido encontrado, impossibilitando portanto que Victor continuasse a receber os parâmetros secretos.
Eu realmente não acredito que ela seja ingênua a ponto de acreditar cegamente naquele discurso que ela vive professando de que a Dollhouse ajuda as pessoas. Ela é bastante dedicada ao trabalho e ela sempre faz o que deve fazer, mas nas conversas dela com ‘Roger’ ela parecia um pouco amarga sobre o trabalho que ela faz e o efeito que ele tem na vida dela. E ela certamente tem ressentimentos da Rossum. Então eu acho que é ela que está se comunicando com Ballard. Só não digo que é certo ela está tentando ajudá-lo a derrubar a House, libertar as dolls e a ela mesma. Se ela for o agente duplo ela pode muito bem estar usando Paul com outros objetivos.
Eu fico realmente feliz que Dollhouse tenha evoluído tanto a ponto de ser uma série que hoje em dia me empolga e me fez teorizar. Eu tinha minhas dúvidas em relação a continuar vendo a série, mas agora ela está completa em matéria de elementos que me fazem viciar em um programa de televisão.

Anúncios

4 Respostas to "Dollhouse – 1×09 – Spy in the House of Love"

Mas e aí, Thaís. O que acha da minha visão de que era a Echo com habilidades e não uma nova personalidade?

Pois é, eu estava pensando, logo no começo do episódio a Echo diz para a Sierra “Ela cometeu uma erro. Ela está triste.” Tenho quase certeza que ela estava falando da Adelle. Então acho que é bem provável que sua teoria esteja certa, que Topher tenha simplesmente criado super Echo, uma pessoa que trabalha para a Dollhouse de livre e espontânea vontade. Só que acho que se ele fez mesmo isso, foi meio idiota, porquê é algo totalmente perigoso para se fazer com uma doll já problemática, não?

Sim, perigoso, mas eu senti isso. Quero dizer, a investigadora parecia a Echo. Ela sabia que era uma doll, ela tinha as expressões da Echo (se bem que isso não é lá muito difícil, mas…) e eles fizeram questão de nao mencionar o nome dela. E ela pediu para receber o upgrade.
Sei lá, uma doll com habilidades mas ainda com a personalidade da doll, inevitavelmente voltará a fazer o que foi programada para fazer.
Aff, confuso isso.

Ainda não decidi o motivo da Adelle estar chorando. Acho que foi por tudo. Por ela perder ‘Roger’, por ela perder Dominic, por ter confiado em Dominic, por ter errado, por não conseguir fazer o que realmente quer fazer, por não ter uma vida real, por perder a própria essência dentro da Dollhouse, enfim…

Agora, voltando ao Ballard, imagina como será para ele agora, ter que fingir que não sabe nada de Mellie. Será que ele consegue ir adiante com esse relacionamento dos dois? E mais, será que ele se apaixona de verdade pela doll? E como será quando ela recuperar a personalidade no término do seu contrato?

“Ainda não decidi o motivo da Adelle estar chorando. Acho que foi por tudo. Por ela perder ‘Roger’, por ela perder Dominic, por ter confiado em Dominic, por ter errado, por não conseguir fazer o que realmente quer fazer, por não ter uma vida real, por perder a própria essência dentro da Dollhouse, enfim…”

Acho que você resumiu tudo muito bem. Eu também pensei na hora que Roger poderia ser um caso igual ao do carinha de Man on the Street. Um imprint de alguém que ela perdeu, não necessariamente para a morte.

Acho que a Eliza Dushku às vezes prejudica o negócio, porquê realmente a personagem parecia a Echo, mas não realmente pra ter certeza porquê a Dushku compõe todos os imprint de maneira muito semelhante, com os mesmo maneirismos e maneira de ser, e tirando a inocência e a cara de idiota, a Echo é exatamente a mesma coisa.

Sobre o Ballard, eu nunca gostei muito dele. Mas esse relacionamento dele com a Mellie/November acaba de ficar muito interessante. Agora sim eu consigo vê-lo tendo um motivo realmente forte para derrubar a Dollhouse, um motivo que me faria torcer por ele, sabe? Porquê toda aquela coisa de salvar Caroline, a dama em perigo que ele nunca nem conheceu, e que desde o começo da série parece muito bem conseguir se salvar sozinha, apesar de tudo, nunca realmente me desceu.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

Comentários

luiz augusto em The Day of the Triffids
karina em Much I Do About Nothing…
andreia em Eles estão voltando…

Blog Stats

  • 173,207 hits

Todas as atualizações do seu blog favorito

Me Adicione no Technorati

Add to Technorati Favorites
%d blogueiros gostam disto: