Séries Addict

Posts Tagged ‘Jennifer ‘JJ’ Jareau

Depois de um comentário de um colega a quem eu apresentei Criminal Minds no Twitter, eu pela primeira vez assisti à série prestando atenção na trilha sonora. E é mesmo um trabalho estupendo no qual eu nunca tinha reparado antes. Aliás, eu estou sempre tão envolvida com os acontecimentos na minha frente, que muitas vezes eu esqueço de parar e apreciar as qualidades técnicas que fazem parte da identidade de Criminal Minds. A fotografia, a maquiagem, a direção de arte e a edição também são parte crucial do sucesso da série, e muitas vezes passam despercebidos. Em Cold Comfort todos esses elementos se apresentam como uma grande sinfonia, compondo um painel harmonioso e belo.
O roteiro, a parte técnica que recebe mais consideração e atenção, é o grande maestro. E um que eu aplaudiria de pé. Assim como Bloodline, sua estória trás várias camadas, vários assuntos, e eu poderia passar o resto da minha vida dissecando-os. O crime é o seqüestro e assassinato por embalsamamento de três mulheres, sendo que uma quarta ainda está viva no cativeiro e na corrida para salvá-la, a BAU precisa disputar espaço com um médium que acaba se tornando um pomo da discórdia.
Foi uma batalha entre ceticismo e fé, e os protagonistas e oponentes acabaram sendo Rossi e JJ. Cada um teve seus motivos e suas justificativas, e acho que cada um acertou de uma maneira ou outra, mas ao mesmo tempo ambos cometeram erros e se deixaram levar pelos seus lados emocionais.
JJ já está deixando seu lado materno falar mais alto. Apesar de ser uma evolução normal para uma personagem que acaba de dar a luz, eu concordo com Rossi que ela precisa acreditar no trabalho deles se quiser fazer o trabalho dela adequadamente. Se toda a fé dela não estiver na habilidade deles, as das pessoas a quem ela deve convencer, especialmente durante as coletivas de imprensa, também não estará.
E apesar de eu ficar do lado do Rossi em relação ao vidente, ele também pecou. Sua história trágica com outro vidente interferiu em sua maneira em lidar com as pessoas e ele passou o caso inteiro irritável e frustrado, respondendo de maneira rude aos comentários e situações que lhe desagradavam, e sendo um tanto quanto cruel com a mãe desesperada da vítima.
O episódio também fala de necrofilia. Eu acho que não é a primeira vez que Criminal Minds aborda o assunto, mas dessa vez eles usaram a mesma construção que em The Instincts. Antes de chegarem ao Unsub, eles encontram um criminoso similar e o interrogam, aprofundam um pouco o assunto e mostram que dentro de uma mesma doença existem vários criminosos que agem de maneiras distintas.
E a estória da família Gless e do assassino, Roderick, foi muito bem montada. O trauma na infância, os pais ausentes. A mãe austera e distante, interpretada por Cybill Shepherd é substituída pela figura da babá, que morta, se torna a obsessão do garoto pelo resto da vida. O pai culpado financia sem saber as condições para o filho manter as mulheres em cativeiro e embalsamá-las. E a vítima, Brooke Lombardini, ao final de seu cárcere dá sinais de não se lembrar do próprio nome, um sinal de quê apesar de salvá-la, a BAU pode ter chegado um pouco tarde demais. Tarde o suficiente para a lavagem cerebral de Roderick funcionar e Brooke se convencer que é na verdade Abigail. Pena que foi tudo muito rápido e sutil, já que eu acho que eles nunca exploraram a questão do surgimento de personalidades dissociativas em uma vítima devido ao trauma.
Para mim, Cold Comfort é um dos três melhores episódios dessa temporada, superando o anterior Bloodline (que ainda assim não deixa de ser genial). Mas essa quarta temporada está atingindo um grau tão alto de excelência, que eu sei que é provável que essa minha lista dos três melhores ainda mude muito até seu final. E que uma lista de dez melhores ou até mesmo doze melhores acabe sendo totalmente composta de episódios memoráveis.

A minha espera pela volta de Criminal Minds foi tão grande, que eu acho que estava mais ansiosa pelo retorno da série policial do quê pelas estréias das temporadas de Lost e Damages. Eu estava morrendo por um pouquinho do time de profilers, de Quantico, das frases hilárias da Garcia, da genialidade do Reid, do charme e a determinação de Morgan, da serenidade e sabedoria do Rossi e da perspicácia e segurança de Prentiss e Hotch.
Porém Soul Mates não nos leva a território familiar. Ele tira o confortável de debaixo de nós como se puxasse um tapete, e utiliza-se, novamente, de uma estrutura narrativa diferenciada. Ao invés de acompanharmos a equipe recebendo debriefing do caso em Quantico, o avaliando, fazendo o brainstorming no jato e começando a traçar o perfil e procurar por suspeitos, já começamos com a prisão de um suspeito. Uma prisão que é um tanto precipitada, considerando que não há muitas evidências, e com isso eles tem pouco tempo para quebrar William Harris.
Sim, a partir daí a maneira de conduzir a trama lembra muito Masterpiece. Só que é muito melhor que o episódio com Jason Alexander (que a cada vez que eu reviso na minha cabeça, só me parece pior, mas eu ainda vou vê-lo de novo para reavaliar). Todavia, parece que depois de 52 Pickup, o nível caiu de brilhante para apenas muito bom. Soul Mates é ótimo, mas ainda não me empolgou como o começo dessa temporada. É claro que se eu vejo um episódio ótimo, que fica acima de vários outros episódios de outras séries, e ainda assim acho que está abaixo da média da temporada, isso mostra o quanto a qualidade está alta. E com o nível tão alto, não tem como a expectativa não ficar alta demais também.
William Harris é um ótimo personagem. Ele é tudo aquilo que Prof. Rothchild não conseguiu ser. Arrogante, seguro, educado, insensível. E em um caso raro, seu parceiro, Steven Baleman, também o é. Dois sujeitos dominadores, em uma parceria extremamente forte, mas que é abalada assim que a BAU começa a plantar evidências de traição, e a fé de Baleman na lealdade de seu parceiro balança.
O roteiro trouxe um caso extremamente coeso, com um profile interessante e um trabalho de equipe afiado. O time é dividido: Rossi e Morgan entrevistando e tentando manipular o suspeito (com destaque para Morgan, que se mostra cada vez melhor em coagir os UNSUBs), Reid fazendo análise lingüística de um Live Journal que ambos os suspeitos mantinham para se comunicar (e se em Angel Maker tivemos o “He’s so life-like!” da Prentiss, aqui tivemos Rossi dizendo ao detetive responsável que o gênio “Foi deixado em uma cesta na porta do FBI” quando perguntado sobre onde eles encontraram Spencer), Garcia como sempre conseguindo as informações necessárias direto de seu bunker, e Hotch e Prentiss falando com a família e demais pessoas de interesse (e como eu sou shipper dos dois, adorei vê-los grudados o tempo todo durante a investigação).

Prentiss continua ganhando destaque. Ela é uma quase Hotch, e nessa temporada está assumindo bastante uma posição de liderança, mas ela é quase tão calorosa e se relaciona tão bem com as pessoas quanto JJ (e para quem nunca deu nada pela loura como eu, é duro admitir, mas ela faz muita falta, especialmente porquê Todd não convence, e mesmo que conseguisse convencer, ela mal apareceu). O elenco todo faz um trabalho notável, mas Paget Brewster é a estrela dessa quarta temporada. A expressividade dela é tão grande, que me deixa triste saber que por causa da natureza da série sua composição não será tão reconhecida como merece. E além dela, Matthew Gray Gubler, continuando a ser espetacular, também se sobressai.
O diretor John Gallagher (No Way Out, Seven Seconds) também soube conduzir muito bem o material que tinha em mãos. Eu fiquei extremamente tensa no momento do climax, o final, quando Steven rapta Andrea, a filha de William, mas ainda assim o suspeito se recusa a assumir a culpa pelos crimes e dar o paradeiro do parceiro para que a BAU possa resgatar sua única filha das mãos de um estuprador em série e assassino. Mas enfim a BAU consegue o suficiente para prender os dois. E eu mal posso esperar pelo próximo.


Categorias

Comentários

luiz augusto em The Day of the Triffids
karina em Much I Do About Nothing…
andreia em Eles estão voltando…

Blog Stats

  • 201.387 hits

Todas as atualizações do seu blog favorito

Me Adicione no Technorati

Add to Technorati Favorites