Séries Addict

Posts Tagged ‘Joe Mantegna

Episódios envolvem religiões sempre têm uma certa tendência a divagações filosóficas e éticas que muito me agradam. Eu não sou religiosa, mas eu tento ser o mais tolerante possível com as crenças das pessoas, motivo pelo qual eu sempre fico um pouco chateada quando vejo o quê acontece quando alguém falha em se encaixar em um modelo de pensamento ou comportamento. E o pior disso tudo é que é a falta de compreensão e aceitação não fica apenas entre meros estranhos, mas é até mais comum entre membros de uma mesma família.
O quê é o caso de Matthew Benton, a vítima principal de Demonology. Amigo de adolescência de Emily, Matthew se rebelou contra a religião católica depois que Emily, ao engravidar aos 15 anos de idade e optar pelo aborto, foi alienada e maltratada pelo Padre deles. Revoltado pela rejeição da pessoa com quem ele achava que podia contar, Matthew começou a questionar sua religião, o quê somado a seu vício em drogas acabou convencendo seus pais de quê ele estava possuído. E com essa convicção eles não apenas consentiram a presença de um homem cujas segundas intenções consistiam no assassinato de seu único filho, eles estiveram no quarto enquanto Matthew morria, e não fizeram nada para salvá-lo.
Com uma trama dessas, e as responsabilidades de cada um firmemente calcadas em fés inabaláveis, é até difícil atribuir culpas. E as questões morais de Demonology são o grande destaque do roteiro de Chris Mundy. Aliás, faço um pequeno desvio do assunto para comentar que Mundy é sem dúvidas o melhor roteirista de Criminal Minds. Responsável pelos textos de Lo-Fi, In Birth and Death, Revelations e Sex, Birth, Death, entre outros, Mundy é extremamente competente em criar crimes interessantes e complexos, sem recorrer a grandes reviravoltas, e explorar e desenvolver os personagens principais da série.
E a Prentiss, que há muito tempo merecia um episódio quê lhe desse bastante destaque, teve uma das tramas focadas mais interessantes da série. Além de carregar o peso de ter feito algo que não queria para ser aceita e ter acabado grávida (meu palpite é que essa coisa seja ter tido relações sem utilizar anti-concepcionais) e de fazer um aborto, o peso de manter isso em segredo por vários anos e de ter complicado a vida de seu melhor amigo, que se tornou problemático após o acontecido. E o quê dizer de Paget Brewster? Sua Emily vivaz e forte simplesmente desaparece dentro dessa mulher culpada, frustrada, triste e angustiada. Ela tem estado ótima a temporada toda, mas em Demonology ela tem que fazer algo totalmente diferente e se reinventar dentro de Prentiss que mostra, durante os quarenta minutos de projeção, um lado totalmente novo.
Como boa shipper que sou, eu esperava que houvesse mais interação entre Hotch e Prentiss. E mesmo que não fosse Hotch, de todos os personagens, o quê eu menos esperava que fosse ser o grande apoio de Emily durante esse episódio era Rossi. Por um lado, foi mancada dos escritores escolherem justo ele, que é a pessoa menos íntima de Prentiss. Reid, Morgan, Garcia ou JJ se encaixariam melhor.
Por outro, eu gostei de todas as atitudes de Dave, de todos os diálogos, e em nenhum momento eu achei que o suporte que ele deu a Emily soou falso. Dave foi a única pessoa que percebeu que Prentiss precisava de atenção, e precisava não ser julgada ou colocada contra a parede. Eu acreditei no afeto genuíno dele por Emily. Às vezes eu sinto que Rossi não se encaixa tão bem na equipe quanto o resto, mas aqui sua interação foi perfeita. Pela primeira vez, eu o vi como uma figura paterna para alguém do time, e apesar de tudo, não me pareceu algo repentino ou forçado. Joe Mantegna merece parabéns pela segunda melhor performance do episódio e por estar gradualmente me conquistando nessa quarta temporada.
Para encerrar, eu só queria falar um pouquinho sobre o sangramento nasal de Emily, porque esse sangramento está gerando mais teorias que os de Lost. Algumas pessoas acham que o sangramento de Prentiss pode ser uma combinação de estresse e tempo frio. Eu acho bem possível, e a minha primeira teoria foi de que essa seria uma forma de demonstrarem o quanto tudo aquilo havia abalado a agente e a levado a beira de um colapso. Mas depois de ler vários comentários, eu revi o episódio e percebi que em todas as cenas de exorcismo, as vítimas tinham sangramentos nasais. E o Padre jogou água benta em Emily e John. Então é bem provável que a água benta estivesse mesmo contaminada. Mas eu não acho que vá levar a nenhuma condição séria.

Semana difícil. Vários episódios foram excelentes, os melhores de suas respectivas temporadas. Então, digamos que é um empate entre os sete primeiros.

1. Grey’s Anatomy – 5×15 – Before and After (MVP: Kate Walsh)
2. Lost – 5×05 – This Place is Death (MVP: Terry O’Quinn)
3. Criminal Minds – 4×14 – Cold Comfort (MVP: Joe Mantegna)
4. Fringe – 1×14 – Ability (MVP: Anna Torv, Jared Harris)
5. Private Practice – 2×16 – Ex Life (MVP: Kate Walsh, Patrick Dempsey)
6. The Big Bang Theory – 2×15 – The Maternal Capacitance (MVP: Christine Baranski, Jim Parsons)
7. Damages – 2×06 – Pretty Girl in Leotard (MVP: Marcia Gay Harden, Ted Danson)
8. The United States of Tara – 1×04 – Inspiration (MVP: Toni Collette)
9. Terminator: The Sarah Connor Chronicles – 2×14 – The Good Wound (MVP: Lena Headey)
10. The New Adventures of Old Christine – 4×15 – Reckless Abandonment (MVP: Julia Louis-Dreyfus, Hamish Linklater, Michaela Watkins)

Depois de um comentário de um colega a quem eu apresentei Criminal Minds no Twitter, eu pela primeira vez assisti à série prestando atenção na trilha sonora. E é mesmo um trabalho estupendo no qual eu nunca tinha reparado antes. Aliás, eu estou sempre tão envolvida com os acontecimentos na minha frente, que muitas vezes eu esqueço de parar e apreciar as qualidades técnicas que fazem parte da identidade de Criminal Minds. A fotografia, a maquiagem, a direção de arte e a edição também são parte crucial do sucesso da série, e muitas vezes passam despercebidos. Em Cold Comfort todos esses elementos se apresentam como uma grande sinfonia, compondo um painel harmonioso e belo.
O roteiro, a parte técnica que recebe mais consideração e atenção, é o grande maestro. E um que eu aplaudiria de pé. Assim como Bloodline, sua estória trás várias camadas, vários assuntos, e eu poderia passar o resto da minha vida dissecando-os. O crime é o seqüestro e assassinato por embalsamamento de três mulheres, sendo que uma quarta ainda está viva no cativeiro e na corrida para salvá-la, a BAU precisa disputar espaço com um médium que acaba se tornando um pomo da discórdia.
Foi uma batalha entre ceticismo e fé, e os protagonistas e oponentes acabaram sendo Rossi e JJ. Cada um teve seus motivos e suas justificativas, e acho que cada um acertou de uma maneira ou outra, mas ao mesmo tempo ambos cometeram erros e se deixaram levar pelos seus lados emocionais.
JJ já está deixando seu lado materno falar mais alto. Apesar de ser uma evolução normal para uma personagem que acaba de dar a luz, eu concordo com Rossi que ela precisa acreditar no trabalho deles se quiser fazer o trabalho dela adequadamente. Se toda a fé dela não estiver na habilidade deles, as das pessoas a quem ela deve convencer, especialmente durante as coletivas de imprensa, também não estará.
E apesar de eu ficar do lado do Rossi em relação ao vidente, ele também pecou. Sua história trágica com outro vidente interferiu em sua maneira em lidar com as pessoas e ele passou o caso inteiro irritável e frustrado, respondendo de maneira rude aos comentários e situações que lhe desagradavam, e sendo um tanto quanto cruel com a mãe desesperada da vítima.
O episódio também fala de necrofilia. Eu acho que não é a primeira vez que Criminal Minds aborda o assunto, mas dessa vez eles usaram a mesma construção que em The Instincts. Antes de chegarem ao Unsub, eles encontram um criminoso similar e o interrogam, aprofundam um pouco o assunto e mostram que dentro de uma mesma doença existem vários criminosos que agem de maneiras distintas.
E a estória da família Gless e do assassino, Roderick, foi muito bem montada. O trauma na infância, os pais ausentes. A mãe austera e distante, interpretada por Cybill Shepherd é substituída pela figura da babá, que morta, se torna a obsessão do garoto pelo resto da vida. O pai culpado financia sem saber as condições para o filho manter as mulheres em cativeiro e embalsamá-las. E a vítima, Brooke Lombardini, ao final de seu cárcere dá sinais de não se lembrar do próprio nome, um sinal de quê apesar de salvá-la, a BAU pode ter chegado um pouco tarde demais. Tarde o suficiente para a lavagem cerebral de Roderick funcionar e Brooke se convencer que é na verdade Abigail. Pena que foi tudo muito rápido e sutil, já que eu acho que eles nunca exploraram a questão do surgimento de personalidades dissociativas em uma vítima devido ao trauma.
Para mim, Cold Comfort é um dos três melhores episódios dessa temporada, superando o anterior Bloodline (que ainda assim não deixa de ser genial). Mas essa quarta temporada está atingindo um grau tão alto de excelência, que eu sei que é provável que essa minha lista dos três melhores ainda mude muito até seu final. E que uma lista de dez melhores ou até mesmo doze melhores acabe sendo totalmente composta de episódios memoráveis.


Categorias

Comentários

luiz augusto em The Day of the Triffids
karina em Much I Do About Nothing…
andreia em Eles estão voltando…

Blog Stats

  • 200.456 hits

Todas as atualizações do seu blog favorito

Me Adicione no Technorati

Add to Technorati Favorites