Séries Addict

Posts Tagged ‘Lexie

It’s a Wonderful Lie foi, como diria Miranda Priestly, “not wonderful yet”. Essa temporada vinha muito bem, mas perdeu o gás e agora está até mesmo trazendo episódios que ficam na sombra de episódios da temporada passada. Um importante baile da sociedade, logo depois do episódio de Ação de Graças? Eu ainda me lembro de Hi, Society, senhores roteiristas.
O Snowflakes não impressionou, e até as party girls pareciam entediadas. A cena da humilhação de Vanessa foi chata, Lily e Rufus no baile tentando se entender foi chato e Serena e Dan se acertando foi… bom, alguém entendeu alguma coisa? Porquê eu realmente fiquei perdida com aqueles diálogos. É para brincarmos de decifrem os significados ocultos?
O pouco que gostei se resume a Blair e Chuck (nenhuma novidade nisso) e Jenny. O casal como sempre teve uma trama cômica culminando em um momento mais sério, quase melancólico. Adorei Blair apostando os serviços de Dorota com Chuck e por um longo momento quis que ele ganhasse a aposta só para ver essa situação. Mas Beta Blair e Chuck 2.0 acabaram um com o outro, enquanto o casal original chegou a dividir uma dança, mas ainda não descobriu como podem ficar em um relacionamento de verdade! Por favor, dêem de Natal um momento In Treatment para Blair e Chuck: uma horinha com um bom terapeuta que os façam parar de bater na mesma tecla.
E por falar em disco quebrado, eu amo Lily e Rufus, mas por favor, dêem andamento para a trama. Nem eu agüento mais os olhares tristes e languidos, e a explicação de porquê Rufus deixou Lily seguir em frente no dia do casamento foi brega, brega e brega. Antes eu achava a relação dos dois sutil e cheia de beleza, mas estão começando a me deprimir. Contudo, eu ainda considero Rutherford uma das atrizes mais competentes e talentosas do elenco (junto com Meester e ultimamente, Monsen) e acredito que se o texto e a direção melhorarem um pouquinho, as coisas se acertam.
Com tudo isso que eu desabafei sobre Lily e Rufus, Serena e Aaron ainda conseguem ser um casal mais maçante e irritante. E isso nem tem nada com o fato de eles não terem ido para a cama (porquê, honestamente, quem se importa?). Mas se Dan consegue deixar Serena insuportável de chata (e tivemos mais uma prova disso nesse episódio), o ator que interpreta Aaron (cujo nome desconheço e estou com preguiça de procurar, porquê não vale mesmo muito a pena) consegue sugar todo o brilho de Blake Lively. A personagem nova, Lexie, até pareceu legal (ela é inspirada na Lexie francesa e piranhuda dos livros, aquela que fica querendo dormir com Nate?), e a atriz até pareceu boa, mas eu fiquei com a impressão de que tinha algo errado. Sabe, quando algo te incomoda o tempo todo? E eu não sei dizer se foi ela, ou o Penn Badgley.
Retornando a Jenny, ela está inserida no triângulo amoroso mais ridículo de todos os tempos. Tenho pena dela, porquê até o episódio passado a jornada trágica e complicada dela estava me agradando muito, muito mesmo. E agora ela é a garotinha que fica em casa se perguntando porquê Nate não ligou ao invés de bater na porta de todos os ateliês de moda de Nova York e ou de desenhar uns mil vestidinhos e blusinhas peças únicas que as colegas milionárias de escola dela adorariam usar, mesmo que a considerem uma escória da sociedade? Adorei todas as cenas que ela teve com as bitchs, que também foram ponto alto do episódio porquê eu adoro suas superficialidades maliciosas. Mas tive verdadeiro horror de cada um de seus diálogos com Vanessa. E Nate lhe dizendo que ela não era quem ele achava o coroou como Joselito-Mor. Onde ele estava quando ela fez de tudo para ser Rainha, roubou um vestido, o usou como moeda de barganha para voltar para o grupo das populares, espalhou fofocas sobre ter transado com o namorado gay só para sua festa Upper East Side não ser cancelada? Fazer uma amiga que a apunhalou pelas costas passar vergonha nem entra no Top 5. E eu nem importo com o roubo da carta. Vanessa mereceu porquê todos os roteiristas querem de qualquer maneira torná-la uma espécie de mártir que seja capaz de mostrar o quanto pessoas pobres são mais cheias de principio e ética que as ricas. Mas na verdade ela é apenas irritante. E Nate apaixonado por ela e dizendo que está mais feliz do quê nunca também é. É uma combinação mega sofrível de atores muito ruins com texto muito cafona. E eles precisam reduzir significativamente o tempo de tela dos dois, para que a série volte a ser ótima. Period.


Categorias

Comentários

luiz augusto em The Day of the Triffids
karina em Much I Do About Nothing…
andreia em Eles estão voltando…

Blog Stats

  • 201.308 hits

Todas as atualizações do seu blog favorito

Me Adicione no Technorati

Add to Technorati Favorites