Séries Addict

Posts Tagged ‘Miranda Bailey

Quando acontece tanta coisa legal em um episódio que eu mal sei como comentar tudo em tão poucas linhas, é sinal de que os quarenta minutos foram de excelente qualidade. E nas minhas reviews de Grey’s ultimamente, eu sempre me sinto deixando algo interessante de lado, mesmo quando escrevo horroes. E para mim isso ratifica a competência do roteiro.

Não estou dizendo que todas as storylines de Sweet Surrender foram igualmente brilhantes. Eu gostei de umas mais do que de outras. Mas eu senti que todos os personagens tiveram seu espaço (com a exceção de Yang) e todos os atores estiveram muito bem. Chandra Wilson teve a trama mais dramática e o melhor material para trabalhar, e foi o destaque. A trama de Callie poderia ter sido melhor desenvolvida, mas foi bem-vinda, principalmente por Sara Ramirez ter tido bom material também. Pena que Jessica Capshaw ficou dividida entre as duas estórias e não rendeu. T.R. Knight recebeu alguma coisa para fazer, finalmente, e eu acabei de reparar que só sinto muita falta do George quando ele aparece. A progressão da doença da Izzie me deu pena, mas ao mesmo tempo foi uma trama leve por causa do planejamento do casamento. E a resolução do conflito entre Derek e Sloan foi a cereja no topo. Adoro esses dois!

MVP: Chandra Wilson, Sara Ramirez, Katherine Heigl

Texto publicado originalmente no site TeleSeries.

Anúncios

Após assistir esse crossover, eu fiquei pensando que ao invés da série que se passa em Los Angeles, Shonda Rhimes deveria ter feito um spin-off sobre a vida de Addison. Não é apenas porquê eu amo a personagem, mas porquê toda vez que suas histórias do passado vem à superfície, eu fico encantada. Eu realmente queria ver sua vida crescendo na milionária família Forbes Montgomery, seus primeiros anos como pupila do Chief, a deterioração de seu casamento com Derek e seu envolvimento com Mark, mas acima de tudo, eu queria ver seus tempos de faculdade. Porquê depois de assistir Derek, Mark, Archer, Sam, Naomi e Addie juntos, com o toda o clima de intimidade e camaragem que existe ali, suas piadas, brigas e afeto um pelo outro, é impossível não querer mergulhar de cabeça na vida passada deles e ver em primeira mão como eles se tornaram o quê são.
A química do grupo foi o principal ingrediente de sucesso desse crossover. E exatamente como eu imaginei a presença de Addison e seus amigos produziu um dos melhores episódios da temporada. O caso de Archer, sendo ainda mais delicado do quê parecia inicialmente, aumentou a tensão ao ponto de eu mal conseguir respirar, especialmente na cena da cirurgia. E a atuação maravilhosa de Kate Walsh foi um fator de peso. Ela manifestou de maneira sublime todo o desespero e impotência que sua personagem estava sentindo, sua fé e esperança, seu desconforto em relação a Meredith ficar escutando a música que Derek compôs para ela quando eles se casaram e seu carinho discreto pelas pessoas que ela deixou para trás no Seattle Grace.
A direção do experimente Daniel Attias se provou exata, mesclando muito bem drama e comédia, e dividindo bem o tempo de tela da trama do crossover com as tramas paralelas dando o ritmo adequado a cada uma delas. A competição que Izzie organizou foi leve e divertida. E foi a maneira encontrada para nos mostrar o quão incompetente era Sadie e justificar sua saída da série. Apesar de ser uma coisa nova e repentina (ela sempre pareceu louca, mas só na semana passada começou a dar sinais claros de não saber o quê estava fazendo), para mim não fez diferença já que eu nunca cheguei a me interessar pela personagem.
Também descobrimos quem é a mulher que causou o ataque de pânico de Owen no hospital no episódio passado. Apesar de eu ter torcido para Yang ganhar uma trama, essa não me agrada. É praticamente uma reprise do quê aconteceu com Meredith e Derek, com Addison chegando repentinamente ao hospital no fim da primeira temporada. O término do relacionamento por email foi muito mais interessante quando Aaron Sorkin usou o recurso em Studio 60 (foi a maneira que Matt terminou com Harriet). E apesar de Kevin McKidd ser ótimo, eu não vejo química entre Sandra Oh e ele.

O resto dos personagens ou gravitaram em torno de Addison, ou em torno da competição. George continua a aparecer pouco; já Callie apesar de também só figurar em cena por alguns minutos, é sempre divertida e interessante. Sara Ramirez é uma ótima atriz e eu entendo o porquê dela ter ficado um pouco de lado e só a cena na capela com Addie já é suficiente para eu perdoar os escritores. Miranda fica amiga de Sam, e os dois fazem uma ótima dupla. Karev teve um momento terno com Addison, mas eu ainda quero vê-la responder a ele se está de fato feliz.
Na segunda parte do crossover, Archer está bem (apesar dele discordar e continuar causando comoção), então todas as atenções se voltam para Jen Harmon, a grávida com o aneurisma. A cirurgia que Derek faz tem complicações e Addison e ele se juntam para tentar salvar ela e o bebê. É claro que há farpas e brigas, em grande parte devido ao fato de Mark ter contado a Addison sobre o anel da mãe de Derek que ela nunca ganhou, mas que Meredith ganhará. Então os bons momentos são deixados um pouco de lado e os ressentimentos subiram à superfície. Mas eu tenho fé que ambos vão salvar a vida da paciente e do bebê no final, e que eles se entenderão e farão as pazes antes de Addison partir.
Em Los Angeles, Cooper, Violet e Pete tem que lidar com uma mãe com psicose pós-parto. A trama é até interessante, e foi muito bem escrita. Os atores estavam muito bem e eu fiquei interessada. Mas toda vez que o episódio ia para a Califórnia, eu ficava torcendo para retornarem para Seattle logo. E quando acabou, eu imediatamente amaldiçoei quinta-feira por estar tão longe. Acho que até lá, meus nervos estarão em frangalhos. E isso é um feito impressionante, pois há anos eu não fico ansiosa assim por um episódio de Grey’s.

É irônico que esse episódio de Private Practice se chame Acceptance, porquê eu particularmente nunca aceitei a série e a mudança de uma das minhas personagens preferidas de Grey’s Anatomy, Addison, para Los Angeles. Assisti metade da primeira temporada, forçosamente, por causa da Kate Walsh, mas então finalmente joguei a toalha e me contentei em torcer para quê a audiência fosse baixa, o projeto fosse cancelado e Addison reassumisse seu lugar como Obstreta-Chefe do Seattle Grace, protegida do Chief, ex-mulher/amiga do Derek, e assim por diante. Maldade, eu sei.
Eu ainda não consigo gostar dos coadjuvantes de Private, e o clima geral da série também não me conquistou, mas pelo menos parei de torcer contra. E esse crossover obviamente não foi uma recompensa pelo fim da minha atitude negativa, mas eu me sinto presenteada. E até me esforcei e assisti alguns episódios de Private Practice para me inteirar do quê estaria acontecendo.
O importante aqui era conhecer Archer, o irmão mais velho de Addison que vai para Los Angeles atrás dela e consegue espantar seu namorado policial em cinco minutos (foi só mencionar os 25 milhões no fundo de poupança da Addie e o tal do Kevin quase correu para a porta). E então ele se envolve com a melhor amiga de Addie, Naomi. E logo depois descobrimos que ele tem parasitas dentro do cérebro, ao invés do tumor inoperável que ele achava que tinha. E removê-los será uma trabalho para Derek, é claro.
E para mim, a presença Grant Show como Archer Montgomery ajudou muito a melhorar a série. Eu realmente não consigo empatizar com os demais coajuvantes, então se você consegue, ignore minha opinião, mas ele salvou esse episódio para mim. A relação dele e de Addie, o desespero dela perante a doença dele, as brigas dos dois, tudo funcionou e no fim, eu realmente gostei de um episódio de Private pela primeira vez.
A trama da menininha que era abandonada pelos pais foi brilhante e a storyline da gravidez realmente é muito boa, e tem umas complicações muito bem conduzidas, mas o problema é, se o roteiro é tão legal (e é), por que eu não sinto nada quando vejo? Vou recorrer a um dos clichês mais recorrentes desde que a Warner fez aqueles comerciais bregas, mas Private Practice não me faz sentir.
E enquanto a trama do crossover começava a se desenvolver em PP, em Grey’s Anatomy os cirurgiões retornam com um episódio abaixo de Stairway to Heaven, mas ainda assim conseguiu manter um nível satisfatório de qualidade. A verdade é que o episódio foi bom, mas foi um filler, porquê nada realmente aconteceu.
A evolução, mínima, aconteceu com a sempre ótima Miranda e com Callie, a Doutora Arizona sendo coadjuvante das duas storylines. E uma ótima coadjuvante. Bailey, depois de tirar três dias de folga por causa do caso Jackson, volta com a promessa de um cargo como atendente assim que terminar sua residência, mas é jogada em mais um caso de uma criança com um problema possivelmente fatal, ficando desestabilizada. Chandra demonstrou muito bem os sentimentos de insegurança e dúvida de sua personagem, e sua epifania em descobrir que ela pode pertencer de fato à Cirugia Pediátrica.
E Arizona, que ajudou Bailey a ter certeza da decisão, mais tarde vai consolar e ajudar Callie, que passou o episódio inteiro sofrendo com sua solidão e com o fato de Lexiepedia e Sloan a ficarem usando como confidente de seus problemas amorosos sem graça. Quando fica óbvio que ela também é lésbica, eu não curti de cara. Sei que ela e Callie juntas promete ser um envolvimento ótimo, aliás, tem tudo para ser melhor ainda que foi com Erica Hahn. Mas contando com ela, já são quatro lésbicas/bissexuais em Grey’s (porquê a Sadie também parece ser) e eu fico me perguntando quando a série se tornou The L Word.
Eu adoro o Sloan e até gostei de seu envolvimento com a Lexie a princípio, mas além de ter dificuldades em enxergar que eles possam estar apaixonados, todo esse drama vazio em torno de não poderem ficar juntos lembra muito Derek e Meredith em suas fases ruins. Graças a Deus são águas passadas e Derek quase pediu a mão de Mer em casamento, mas Addison ligou bem na hora e ele teve que cancelar o grande evento romântico.
O próximo episódio promete, e eu estou tão ansiosa que acho que quero vê-lo mais do quero ver qualquer outra coisa (e olha que estou na expextativa por muitas séries essa semana).


Fechando o arco de três episódios que se iniciou com o retorno do hiato, Grey’s Anatomy nos presenteia com o melhor episódio dessa temporada, cujo nível foi tão alto que pode ser comparado aos melhores momentos da série, durante sua fantástica segunda temporada. Stairway to Heaven é tão cativante, que até me fez esquecer que essa temporada de Grey’s tem sido a mais irregular de todos os tempos, com algumas tramas beirando ao sofrível.
Jackson, o menino que precisava de um transplante e William, o serial killer que vai parar sob os cuidados de Shepard, foram ótimos pacientes e trouxeram aquelas questões éticas e morais deliciosamente complicadas que eu adoro. A nova médica, Arizona Robbins, trouxe um frescor a série que nem a Doutora Dixon, nem Sadie, nem Owen Hunt conseguiram trazer.
Enquanto isso, Miranda Bailey, que estava completamente apagada nessa temporada, voltou a ser a estrela e maior destaque. Ela lutou bravamente por Jackson, fez tudo o quê podia fazer e até mesmo o quê não deveria fazer, e foi humana durante todo o tempo. Birgou com Arizona, chorou, saiu do quarto para não ter que ver o menino morrer, e mais importante, foi a competentíssima médica de sempre e ajudou a Doutora Robbins a manter Jackson vivo. Chandra Wilson fez um trabalho notável e me angustiou e emocionou durante cada momento em que esteve na tela.
Já Meredith tentava, da sua maneira, fazer o quê achava certo. E nesse caso, era não apenas salvar Jackson com os órgãos, mas demonstrar compaixão por William e deixar que ele morresse de maneira digna, mesmo que isso significasse quebrar as regras e ir contra Derek. Eu fico extremamente feliz que essa trama não foi usada para que os dois brigassem e se separassem novamente. E que os escritores também não preferiram a saída fácil e fizeram com quê William morresse pela injeção letal. Eu fiquei do lado de Meredith o tempo todo durante esse arco e entendi completamente o quê ela estava fazendo.
William fez coisas horríveis, mas é fácil pensar como Derek. Que existem mosntros como William, e existem pessoas normais como Shepard. Mas eu não consigo não pensar como Meredith: qualquer um pode fazer qualquer coisa, e pessoas que cometem atos assombrosos ainda são pessoas. Humanas, com defeitos, qualidades, vulnerabilidades e medos. Quando eu vi Meredith naquela execução, eu fiquei contente. Porquê acho que eu faria exatamente a mesma coisa.
Ellen Pompeo atuou melhor do que eu jamais vi. Ela esteve fantástica e merece exaltações. Seu parceiro de cena, Eric Stoltz também chegou ao auge de sua participação, que será inesuqecível para mim.
Paralelamente, tivemos Izzie lidando com Denny, e os rumores de que a personagem estaria doente se confirmaram. Mesmo essa explicação final não me deixou muito satisfeita. Mas eu só tenho a agradecer que finalmente deixaram o Jeffrey Dean Morgan partir. Ele é lindo, mas a coisa toda foi no mínimo bizarra. E teve a Lexie quebrando o pênis do Sloan, mas eu achei essa parte completamente apagada e sem graça, o quê é uma surpresa, porquê até aqui qualquer mero suspiro do Sloan conseguia ser a melhor coisa do episódio.
O próximo episódio é o crossover com Private Practice. Depois desse episódio maravilhoso e com a volta de Addie, eu estou delirando de expectativa. Espero não me decepcionar.


Categorias

Comentários

luiz augusto em The Day of the Triffids
karina em Much I Do About Nothing…
andreia em Eles estão voltando…

Blog Stats

  • 174,216 hits

Todas as atualizações do seu blog favorito

Me Adicione no Technorati

Add to Technorati Favorites