Séries Addict

Posts Tagged ‘Ryan Wolfe

Uma reclamação recorrente que eu tenho a respeito de CSI Miami (dos CSIs em geral, mas em Miami é mais proeminente) é a facilidade com quê os suspeitos confessam. É óbvio que em uma série como essa haja uma certa quantidade de confissões, porquê do contrário quase nenhum caso seria fechado. Porém eu fico embasbacada como alguns criminosos podem fazer malabarismos extraordinários para esconder sua culpa, ocultar corpos em lugares exóticos, usarem luvas e disfarces, e no fim, ao serem confrontados com evidências que em muitos casos poderiam muito bem ser alegadas como circunstanciais por qualquer advogado, eles simplesmente confessam o crime. E ainda fazem cara de surpresa quando são presos.
Eu sei que arrogância é uma característica fácil de encontrar no ser humano. Mas algumas resoluções de caso em CSI Miami dependem quase que totalmente da burrice e petulância do vilão da semana. É como eu estou cansada dessa muleta fraca da série, eu fiquei contente com a participação do advogado Derek Powell, interpretado por Sean ‘P. Diddy’ Combs. Diddy (ou seja lá qual é o nome dele essa semana) não é exatamente uma revelação como ator. Mas ele não chega a prejudicar. O que Powell traz para a trama é sua sagacidade, como por exemplo, ao pegar a garrafa de água que os CSIs tinham oferecido ao seu cliente para “roubar” uma amostra de DNA. Ou quando Ryan pára o suspeito por causa de uma lanterna quebrada, e Derek rapidamente contorna a situação.
É claro que se o suspeito é escorregadio, o roteirista tem que usar de outros artifícios para faze-lo se dar mal. E em Presumed Guilty, Corey Miller utiliza coincidências um tanto forçadas para conseguir ao mesmo tempo criar uma trama cheia de reviravoltas e fazer com que Horatio e cia consigam provas contra o suspeito. Afinal, é muito azar justo na hora em quê está transportando evidências a Calleigh se meter em um acidente (algo que nem é original, porquê o Warrick passa por algo semelhante em CSI). Mas ainda pior foi o Ryan estar ter ido atrás de Kevin Sheridan, o suspeito, logo na hora em que a menina que ele havia seqüestrado quebra sua lanterna.
Todavia, a direção de Larry Detwiler é tão boa, a edição é tão fantástica e a fotografia é tão precisa, que as falhas de roteiro até são perdoáveis. E é uma pena que Horatio tenha sido o grande destaque do episódio, porquê como sempre o resto elenco faz uma trabalho muito bom, enquanto Caruso continua a ser estranho e a me causar incômodo.
Assim que CSI Miami voltou do hiato, eu não fiquei muito empolgada com os episódios. Mas do episódio treze para cá, eu tenho ficado extremamente satisfeita com o quê tenho visto. E Presumed Guilty foi mais um ótimo exemplar do quê CSI Miami tem a oferecer.

Decidi voltar a fazer reviews de CSI Miami. Apesar de parecer que quase ninguém assiste tão cedo quanto eu e preferem esperar pela Tv a Cabo (que é quando a audiência dos posts realmente é grande), de quase nunca ter comentários e de ser uma série considerada péssima por noventa e cinco por cento dos fãs de série, eu não resisto. Principalmente quando o episódio é tão bom quanto este.
A seqüência antes dos créditos certamente é a melhor da temporada (junto com a inesquecível seqüência de Power Trip). Ver Calleigh e Ryan entrarem sem backup na casa onde haveria um suposto morto me fez deduzir na hora que algo de ruim aconteceria (qualquer um que já leu fanfic sabe que a maneira mais fácil e estúpida de emboscar um CSI é com uma cena do crime falsa). Mas o tiroteio, o incêndio e a fuga dos dois foi tão tensa que eu acho que nem respirei por toda a duração da cena.
E depois de Eric (The DeLuca Motel) e Ryan (And They’re Offed) é a vez da minha personagem preferida, Calleigh, ter destaque. Quando durante o incêndio ela volta para buscar o corpo, eu pensei “É, definitivamente ela não é a protegida do Horatio à toa”. Afinal, atos de heroísmo aparentemente idiotas são a especialidade do tenente responsável pelo laboratório de perícia. Porém, Horatio sempre consegue escapar de suas incursões ileso. Enquanto Calleigh se saiu muito bem, mas algumas horas depois tem um colapso no trabalho, não sendo capaz de respirar e tendo que ser levada às pressas para o hospital onde trabalha, pasmem, Alexx Woods.
Na hora que Alexx sai correndo em câmera lenta pelas portas do hospital em direção à ambulância, eu não consegui conter um sorriso involuntário. Khandi Alexander não é nenhuma Meryl Streep, e vê-la contracenar com Caruso chega a me causar dor física de verdade. Mas comparada à nova legista, Tara Price, Alexx é um vulcão de personalidade, e colocada lado a lado com a correta Megalyn Echikunwoke, Alexander é preferível por sua forte presença em cena. E eu nunca achei que fosse dizer isso, mas eu sinto falta dela.
Smoke também desenvolveu a relação entre Delko e Duquesne, que vem engatinhando há algum tempo. Eu gosto dos dois juntos, mas a primeira vez que Delko se declarou para Calleigh foi um ano antes, quando ela foi seqüestrada. Ou seja, ela precisou quase morrer novamente para alguma coisa conclusiva acontecer entre eles novamente. Só espero que a velocidade da evolução do romance dos dois seja um pouquinho maior dessa vez.
O caso do episódio em si foi bom. É claro que CSI Miami é esquemática, e se alguém for interrogado como suspeito, é seguro deduzir que no futuro ele aparecerá e nós descobriremos que ele é muito mais culpado no quê fora concluído a princípio. Mas toda a estória sobre o mercado negro de órgãos foi realmente interessante e diferente dos já usuais crimes relacionados à drogas e/ou gangues de Miami. A dupla formada pelo diretor Joe Chappelle e a roteirista Krystal Houghton fez um trabalho bem acima da média, o quê não é surpreendente considerando que eles foram responsáveis pelo melhor episódio da temporada passada All In, e que adicionalmente Chappelle dirigiu Power Trip (melhor episódio dessa temporada), Stand Your Ground e 10-7.

Eu reclamei que faltava melodrama, e CSI Miami trouxe melodrama. E o protagonista da novela mexicana da vez é Delko.
No episódio passado, vimos brevemente que Eric estava morando em um daqueles hotéis barato de beira de estrada. E quando ocorre um tiroteio e o assassinato de um jovem neste mesmo hotel, todos os CSIs descobrem o segredo de Delko de lhe fazem a mesma pergunta que eu me fiz: por quê? E todas aquelas desculpas sobre reforma do apartamento não realmente colaram com ninguém.
O crime é uma bagunça. Várias pessoas envolvidas, vários crimes diferentes. A morte do garoto acaba não tendo nada a ver com a bala que atinge Eric, e ainda há a morte e ocultação de cadáver do marido de uma das vizinhas, uma grávida. Eu prefiro quando os roteiristas mantém a trama simples, do quê quando eles criam uma série de reviravoltas e complicações, e milhões de pessoas que por um acaso estão envolvidas, mas não são realmente os culpados. Então eu não curti muito os crimes desse episódio.
E nós ficamos sabendo mais sobre a família de Delko. Acontece que ao invés de ter nascido nos Estados Unidos, como achava, ele nasceu em Cuba, e seu pai não é quem ele pensava. E esse pai deve ser realmente alguém do mal, como diz sua mãe, porquê o cara descobre que tem um filho e sua primeira reação é contratar alguém para matá-lo. Eric pelo menos foi esperto o suficiente para perceber que estava sendo vigiado e tentar sair de cena, mas foi estúpido confiando em um mercenário qualquer. A assassina, que não conseguiu matar Eric, foi presa. Mas obviamente a estória não acaba aqui, nesse episódio. Será abordado no futuro, de preferência perto da season finale.
As tramas de CSI Miami sempre tem continuação, e isso é algo que eu gosto, às vezes, em uma série como essa. Mas às vezes a coisa toda é muito lenta, devido, também, à natureza da série. Calleigh e Eric por exemplo. O romance está demorando tanto para engatar, que já está enjoando. O envolvimento deles está mais vagaroso do quê Grissom e Sara, e olha que em Miami as tramas pessoais são muito mais presentes do quê em Las Vegas. No balanço final foi um episódio mediano e até um pouco chato. Só houveram três bons momentos que eu possa me lembrar: quando o mercenário contratado por Eric pergunta a Horatio se ele está lhe fazendo uma ameaça e este responde “Sim, é uma ameaça” (isso nunca acontece); quando Detetive Tripp tem que ajudar Calleigh a subir em um duto de ventilação e fica olhando para a bunda dela, mas tentando não olhar, constrangido; e todos os momentos entre Eric e Wolfe, que mostraram a camaradagem entre os dois. Tomara que os próximos sejam mais parecidos com o anterior do quê com esse.

Eu sei que esse episódio já foi ao ar nos EUA há bastante tempo, mas eu só consegui vê-lo agora, e como gostei tanto do quê vi, tinha que comentar. O quê mais me chamou atenção nesse episódio foi provavelmente a parte técnica.
A abertura (e também a seqüência final, mas principalmente a abertura) me deixou sem fôlego. Eu poderia descrever aqui, mas acho que só quem viu pode entender o quanto ela foi bem feita. A cena do rapto, da tortura da vítima, o entrelaçamento com os CSIs vivendo suas vidas rotineiras, eles chegando a cena do crime juntos. Até a fala de efeito de Horatio se encaixou perfeitamente (primeira vez em anos). Fiquei arrepiada e isso é raro. Roteirista, diretor e editor estão de parabéns. E o quê dizer do diretor de fotografia? Eu sempre odiei a estética de Miami, mas dessa vez eu fiquei apreciando a coisa toda. A cidade até me pareceu mais bonita. E os figurinistas se ainda não são nenhuma Patricia Field (Uggly Betty, Sex and the City) conseguiram não cometer nenhuma mega gafe e enfiar seus atores em peças simplesmente horrorosas de se olhar, como eles fazem sempre.
As cenas dos personagens Ryan, Calleigh e Eric foram bem pequenas, mas o suficiente para me deixar curiosa. Tá, Calleigh, nem tanto. Ela corre de manhã. Irrelevante. Mas quem era aquela criança com Ryan? Wolfe tem filho? O quê eu perdi (eu não vejo Miami com uma regularidade sagrada, até hoje não sei porquê Wolfe saiu do lab)? E Eric está morando em um motel porquê? Confesso que achei que viria uma bomba por aí, um daqueles episódios cheios de character drama. Tirando os problemas da ininteligível Julia Winston e do filho robótico de Horatio e da morte da terapeuta de Delko, ainda não tivemos nenhum momento extremamente dramático na vida dos investigadores nessa temporada. E isso é meio que a essência de CSI Miami. A não ser que sejam dramas do Horatio. Nesse caso, são dispensáveis. Do resto, eu adoro. O quê posso dizer? Miami é minha novela.
O caso foi bom. Às vezes eu sinto que falta originalidade em algumas das tramas de CSI (todos os CSI), mas a verdade é que eles já estão aí há nove anos (se contarmos a partir do original) e são três franquias! O roteiro foi amarradinho e teve seus momentos, meu preferido (além das já mencionadas cena de abertura e cena final) foi o sufoco que Calleigh passa dentro do elevador. Naquele momento, junto com ela, ficou óbvio para mim que o cara era culpado. Há algo que eu gosto em Miami que não tem nos outros CSIs. Os policias fazem merda o tempo todo. E não é pouca, ou do tipo desculpável. O único que sempre se safa é Horatio, mas isso não faz com que ele deixe de ser um policial com problemas éticos que gosta de bancar o justiceiro. Depois da cena do elevador a estória só melhora e eu gostei de como eles tentaram ao máximo fugir do lugar comum (apesar das reviravoltas já serem esperadas e virem sempre com um gostinho de picaretagem).
E já falei que adorei a seqüência final? Bom, sim. Mas não falei que a trilha contribuiu para que ela fosse boa, assim como contribuiu muito para a abertura e todo o resto do episódio. Às vezes a trilha traz um enorme diferencial dramático e de uma forma bem mais sutil que frases de efeitos e explosões monumentais. Então, parabéns para o pessoal da trilha também.


Categorias

Comentários

luiz augusto em The Day of the Triffids
karina em Much I Do About Nothing…
andreia em Eles estão voltando…

Blog Stats

  • 199.026 hits

Todas as atualizações do seu blog favorito

Me Adicione no Technorati

Add to Technorati Favorites