Séries Addict

Posts Tagged ‘seattle grace

Só eu achei incrivelmente injusta a maneira como a Yang foi punida nesse episódio? Sim, ela errou ao não reportar os internos auto-mutiladores imediatamente, mas como ela poderia adivinhar que algumas horas depois (acho que entre os episódios oito e novo não se passa nenhum dia) eles estariam de volta ao hospital, e fazendo uma merda daquele tamanho? Sem falar que ela tem toda razão quando ela diz que não foram só os internos dela que fizeram aquilo, e quê o que aconteceu é responsabilidade de todos os residentes e na minha opinião dos atendentes também (porquê tirando raras vezes, eles só olham para os internos quando tem algum interesse, quando não é sexo, como Sadie bem mencionou, é alguma coisa que chama o interesse deles, e tirando Lexipedia e O’Malley, os internos dessa geração estão esquecidos por todo mundo). Aliás, a maior responsável que é a Sadie, sequer está sob a responsabilidade dela.
Paulo Fiaes e eu estávamos conversando no outro dia como em Gossip Girl muitas coisas que são feitas passam sem conseqüência e de repente tudo volta ao normal. Com Shonda às vezes é assim também, mas ela não tem boa mão para conseqüências nas duas vias: às vezes eu sinto que a coisa toda é exagerada; às vezes eu sinto o peso da condescendência, como se só depois ela tivesse realizado em sua mente que reverter uma situação seria complicada. E eu não estou falando só de Izzie cortando o fio do aparelho que mantinha Denny vivo (e que depois ela teve que arranjar uma maneira de trazer a Doutora de volta ao hospital). Eu sequer me recordo de qual foi a punição da própria Yang e de Burke por toda aquela mentirada deles quando ele não conseguia operar. E aquele fiasco de Meredith desistir de viver e quase se afogar? De qualquer forma, os internos também saíram praticamente sem punição. Não podem operar. Tá, aquele programa de elite que expulsava qualquer um que não estivesse à altura? Quer dizer, internos são médicos formados, adultos, responsáveis pelas próprias decisões. Eles não precisavam da tia Yang para dizer que o que eles estavam aprontando era feio.
Saindo um pouco disso, tivemos também o retorno da Doutora Dixon para o hospital. Honestamente, eu não gostei muito dessa participação dela. Na primeira vez, ela aparecia como a médica competente, mas socialmente inapta, cuja esquistice era divertida, mas cuja ética era muito séria e certa, enquanto os médicos do Seattle Grace apareceram como desrespeitosos (até Bailey). Dessa vez a competência dela como médica nem é ressaltada e apesar de já compreendermos como a mente dela funciona e já sabermos que ela tem uma doença, não deixa de ser incômoda a maneira como ela insiste em tirar os órgãos da garota morta enquanto a irmã adolescente desta grita histérica e desesperada. Aliás, atuação sensacional da Kay Panabaker (a Lindsey Willows crescida em CSI), que faz a irmã, Emma, apesar de eu ter achado que o roteiro poderia Ter-lhe dado ainda mais com o quê trabalhar. Achei o desenvolvimento dos pacientes da semana um pouco superficial. A morte de Holly não me abalou nenhum pouco e a recuperação da voz da outra mulher lá também não foi muito tocante.
Por fim, o assunto que está deixando todo mundo meio irritado com Shonda: Izzie e Denny. Eu amo o Jeffrey Dean Morgan, acho ele lindo e adoro praticamente qualquer fala que saia da boca dele. O personagem é bom, sempre foi. Mas Shonda optou por matá-lo e desde então, ela já o usou até demais. Eu não sei qual será a explicação para Izzie estar passando por isso, mas seja lá qual for, eu tenho certeza que colocar umas das protagonistas fazendo sexo e tendo um relacionamento amoroso com um homem morto foi uma linha que Shonda não precisava cruzar, ela escolheu cruzar. Foi uma decisão, e ao que me parece até agora, uma decisão estúpida. Vamos apenas esperar que o balanço de Grey’s Anatomy no final dessa temporada não seja de um ano em que houveram mais erros do que acertos (como já aconteceu em temporadas anteriores), porquê os telespectadores podem escolher não continuar vendo pra saber onde isso vai dar, e os executivos da ABC podem decidir não bancar também.

Eu sinto falta Kate Walsh. Eu sinto muita, muita falta de Kate Walsh e sua Addison Montgomery. Eu já tentei assistir aquela serie dela, mas francamente, depois de cinco episódios eu desisti. Em primeiro lugar, os personagens são chatérrimos. Em segundo lugar, as tramas são chatérrimas. E ver Addison não fazer nenhuma daquelas cirurgias loucas e extremamente difíceis é terrível. Eu já torci para Private Practice ser cancelada e tudo, mas minha praga não colou.
Eu sei que portagonizar sua própria série é uma chance e tanto na carreira de Walsh, mas aumentem o salário da moça e dêem mais destaque pra ela em Grey’s. Eu tenho certeza que ela teria muito mais chances de ganhar um Emmy, o quê, francamente, acho que seria ainda melhor para a carreira dela.
Poxa, a Addison pertence ao Seattle Grace, tendo momentos estranhos com Derek e Meredith, trabalhando com Alex e Izzie, dando o fora no Mark, e principalmente, sendo amiga da Callie e uma espécie de filha do Chief. Addison traz uma dinâmica ao lugar que apesar de eu ter reclamado a temporada inteira que não estava lá, eu só realmente senti o quanto faz falta ao vê-la de volta. Essa quarta temporada tem sido ótima, e ainda assim Piece of My Heart conseguiu ser de longe o melhor episódio. E eu ri como há muito tempo não ria com Grey’s, especialmente na cena do elevador com Derek, Meredith, Addie, Rose e Mark. Me lembrou a segunda temporada, que foi o melhor momento que o show já viveu.
Uma das coisas que mais me lembrou aqueles tempos, e que mais me agrada em Grey’s, foi o clima de descontração. Aliás, eu adoro isso em todos os shows, mas eu considero meio eu essencial em Grey’s. A série para min é excelente quando equilibra bem dois elementos: a vida pessoal retratada de maneira leve e com muita camaradagem (odeio quando cai para o melodrama) e casos raros, interessantes, com cirurgias incrivelmente cool e cheias de tensão.
Agora, mudando de assunto, sou só eu que detesto que a Erica trate a Yang que nem lixo? Eu adoro a Yang e no começo foi legal, mas agora eu já estou cheia daquela mulher chutando minha personagem preferida que nem cachorro morto. Christina é a melhor cirurgiã do ano dela e merecia mais respeito. Quero vê-la se vingando de Hahn no final. Já me disseram que o próximo episódio é ainda melhor. Mal posso esperar.


Categorias

Comentários

luiz augusto em The Day of the Triffids
karina em Much I Do About Nothing…
andreia em Eles estão voltando…

Blog Stats

  • 202.625 hits

Todas as atualizações do seu blog favorito

Me Adicione no Technorati

Add to Technorati Favorites