Séries Addict

Posts Tagged ‘Sebastien Stan

Se alguém tivesse me dito no começo dessa temporada que Blair e Nate teriam uma recaída, eu provavelmente teria desistido da série ali mesmo. Chuck e Blair eram o melhor casal da série e apesar dos produtores terem insistido na idéia de mantê-los separados por seus orgulhos e jogos psicológicos desde a temporada passada, eu acreditava sinceramente que se as coisas não se resolvessem logo, pelo menos Leighton Meester e Ed Westick arranjariam uma maneira de manter as coisas interessantes. Bom, infelizmente nem os dois atores, que são muito bons, conseguiram segurar-se na montanha russa de composição de personagem pela qual Blair e Chuck passaram nos últimos episódios, e ver Blair gravitar em direção ao seu amor e rocha original, Nathaniel, não foi nem de longe tão desastroso quanto eu pensei que seria.
É claro que ajudaria se Chace Crawford conseguisse expressar alguma coisa em sua face, e Meester praticamente trabalhou sozinha o componente emocional da reconexão dos dois. Mas até que ele conseguiu manter o diálogo com sua parceira de cena, e isso é uma grande coisa porquê muitas das linhas que eles são obrigados a falar tem o potencial para se tornarem extremamente cafonas. É só prestar atenção em tudo que sai da boca de Vanessa e temos um bom exemplo de como transformar um texto que já não é maravilhoso em material de novela mexicana.
Contudo, tirando a incompetência de Jessica Szohr, eu não tenho reclamações do episódio. Talvez seja porquê eu já tinha praticamente desistido da série e abaixei completamente minhas expectativas, mas eles conseguiram fazer um roteiro sem tantos problemas sérios e a direção deu fluidez a trama, fazendo com quê ela de fato parecesse seguir um curso para um determinado destino, ao invés dos ciclos fechados, que dão voltas em si mesmo e aborrecem, que vínhamos vendo.
Nas tramas paralelas, tivemos a volta de Lily. Eu sempre sinto falta dela, mas entendo que nem é culpa dos produtores. A barriga de Kelly já está enorme e eles tem ficar escondendo ela atrás de mantas e casacos enormes, o quê obviamente limita as escolhas narrativas para a personagem. A trama com a listas de ex-namorados e namoradas não foi das mais originais, mas o casal estava fofo e a estória teve o tempo ideal de tela. Mais um pouco e poderia ficar chato, mas ao mesmo tempo eles precisaram de tempo o suficiente para entrar em conflito e se reconciliar.
E é claro, houve a breve aparição de Carter Baizen. Eu estava adorando tudo, até que ele saiu de cena, à francesa e de maneira bem rápida. Achei que foi um desperdício, porquê ao contrário de Serena e Chuck, acho que a Blair não chegou nem perto de atingir seu potencial como garota má. Eu esperava vê-la aprontando mais e esperava que Carter fosse se provar mais ameaçador. A cena entre Meester, Westick e Stan foi excelente, mas fora isso Carter se provou totalmente desnecessário as necessidades do plot.
Eu não estou esperando muito do próximo episódio (vi algumas fotos que me deixaram realmente contrariada), mas pode ser que a série ainda se salve da minha lista de série que serão cortadas da minha vida na próxima temporada. GG já é guilty pleasure, eles não precisam fazer episódios sensacionais e trazer atuações e tramas fantásticas. Só precisam fazer o quê fizeram em The Grandfather. Manter as tramas focadas e coesas, e não deixar elementos ruins comprometerem resultado final em sua totalidade.

Mais um episódio problemático de GG. Mais um caso onde eles pegam tramas que são até boas, fazem um roteiro terrivelmente superficial e confuso, cheio de briguinhas fúteis e clichês, e Blair e Chuck, os melhores personagens da série, são colocados em umas situações que seriam ainda mais constrangedoras se não fosse o fato de Ed Westick e Leighton Meester conseguirem tirar um pouco da mão pesadamente melodramática que tem guiado seus personagens. Eu simplesmente não estou comprando a mudança profunda no caráter dos dois. Personagens, assim como pessoas de verdade, precisam mudar ao longo do tempo. Mas me parece que essa mudança em Blair e Chuck carece seriamente de sutilezas.
E o problema é, como sempre, eles não são o único problema. A minha impressão é que esse episódio tentou criar reviravoltas de mais, inserir elementos demais e além de não ter explorado devidamente nada do quê tinha em mãos, acabou voltando exatamente para o mesmo lugar.
A tentativa de romance entre Rachel e Dan foi fraca, mas o rompimento dos dois foi ainda mais doloroso de assistir. E não em um sentido bom. Que Rachel era uma hipócrita auto-indulgente eu não tinha dúvidas, mas ela destruiu o futuro de Blair e saiu sem punição. Mesmo eu achando que Blair jamais deveria ter simplesmente deixado-a ir sem cicatrizes, o quê me incomoda não é a escolha dos produtores de a afastarem com um caso de problemas de consciência, mas como tudo soou forçado. É um daqueles casos em quê o personagem tem de servir a narrativa, ao invés da narrativa servir aos personagens, e no final ambos acabam se tornando implausíveis.
A storyline de Nate e Vanessa foi absolutamente ridícula. A briga deles, depois que o fator ciúmes foi tirado da equação, ficou vazia de sentido, e a cena da reconciliação é uma variação tosca de algo que eu já vi em pelo menos quinze comédias românticas diferentes.
Porém, a pior parte disso tudo foi a trama de Chuck. A mulher que supostamente havia sido seqüestrada estava por aí, tentando se esconder em restaurantes de luxo acompanhada de milionários. Chuck, totalmente fora de seu personagem, parece completamente apaixonado pela mulher com quem ele passou apenas algumas horas, em uma festa onde foi drogado. Ele é protetor com relação a ela e em certos momentos, eu achei que ele acabaria professando seu amor. Ele a chama para morar com ele em São Paulo todavia, o quê é quase a mesma coisa. E então, depois de ser supostamente raptada de novo por Carter, ela se prova uma cretina e isso faz Chuck se dar conta de quê precisa voltar com Blair. Parafraseando Blair, eu me sinto nauseada. GG pode não ser a melhor série da Tv, mas de onde saiu toda essa porcaria digna de novela mexicana? Só faltaram revelar que Elle na verdade era uma meia-irmã perdida de Chuck e eles dizerem coisas como “Nosso amor é impossível”. Graças a Deus eles se contentaram com apenas “Você tem um bom coração. Você deveria dá-lo a alguém que se importa.” Uma boa atriz talvez até fizesse a fala descer, mas Kate French é tão ruim, que o nível de canastrice ficou insuportável.
A única coisa que salva esse episódio são os belíssimos figurinos e a mais bela ainda trilha sonora. É muito difícil ver música clássica tocando em séries teen, mas o enxerto La Fleur Que Tu M’avais Jetee da Ópera Carmen no final deu o tom perfeito para o encontro de Blair e Carter. Eu ficaria ansiosa para ver que frutos renderá essa ligação entre os dois, mas eu acho que os escritores deixarão a bola cair mais uma vez.


Categorias

Comentários

luiz augusto em The Day of the Triffids
karina em Much I Do About Nothing…
andreia em Eles estão voltando…

Blog Stats

  • 202.625 hits

Todas as atualizações do seu blog favorito

Me Adicione no Technorati

Add to Technorati Favorites