Séries Addict

Posts Tagged ‘Sheldon Cooper

The Big Bang Theory – 2×16 – The Cushion Saturation

Apesar de não ser nem de longe tão brilhante quanto o décimo quinto episódio, The Cushion Saturation é divertido e mesmo que eu concorde com algumas pessoas sobre a série se apegar a clichês, eu ri sem parar durante os vinte minutos de exibição. E às vezes só isso basta.
A trama com o sofá pode não ter sido extremamente original, mas Jim Parsons a fez hilária. Talvez a longo prazo as paranóias do Sheldon venham a cansar, mas por enquanto eu ainda as adoro. As cenas no paintball também foram ótimas. Eles sempre falam no jogo, já estava na hora de nós vermos eles jogando. E foi tão sem noção e nerd como só poderia ser com aquele quarteto. Além disso ainda teve o inesperado e surpreendentemente ótimo relacionamento entre Wollowitz e Leslie. Eu gosto mais de Leslie Winkle com o Wollowitz do quê eu jamais gostei dela com o Leonard. As personalidades do judeu e de Winkle se complementam muito melhor, e Sara Gilbert e Simon Helberg são casal com mais química que eu já vi no show (tirando Sheldon e a mãe do Leonard, é claro).

CSI Miami – 7×16 – Sink or Swim

Sink or Swin é um episódio que parece vir para construir pontes, finalizar assuntos e colocar os personagens onde eles devem estar. Se por um lado eu não entenda a necessidade de se ter criado para Eric um plot onde ele descobre ser cubano, com um pai Russo que quer matá-lo, apenas para nos revelarem que na verdade ambos são americanos e tudo ficar bem, eu apreciarei bastante que os escritores tenham tomado o tempo para demonstrar a virada no coração do advogado Derek Powell se ele de fato retornar como Promotor, como ficou implícito no final. Em seu segundo episódio, Powell não é aquele advogado esperto e sagaz que eu tanto admirei por ser um oponente à altura de Horatio. Ele é um homem com o coração partido. E se a atuação de Sean Combs não comprometeu em Presumed Guilty, aqui, com o apelo mais emocional, fica claro que ele não tem o talento para carregar muito drama. Ainda assim, me agrada que aparentemente ele esteja ficando, mesmo que não para ser o antagonista inteligente e verdadeiramente determinado que a série tanto precisa.
Porém, minha parte preferida de Sink or Swin não é a presença de Powell, mas o relacionamento entre Delko e Calleigh. Há tanto tempo eu venho torcendo por esses dois, e agora meio que me sinto recompensada. Emily Procter e Adam Rodriguez são o melhor casal formado entre CSIs em toda a franquia. Além da química inigualável, eles conseguem ser românticos sem serem enjoativos, e suas brincadeiras soam como genuinas demonstrações de afeto e intimidade. E em meio a toda a breguice de CSI Miami, o amor deles consegue ser fofo e nenhum pouco cafona.

Trust Me – 1×06 – Promises, Promises

Desde o segundo episódio eu vinha me perguntando quando a Sarah Clarke voltaria a ter algo de relevante para fazer na série. Mas por causa da qualidade do quê eu via na tela, eu deixei passar. Eu sentia vontade de ver Clarke participando mais, mas não era como se eu sentisse que ela era necessária, e que sua ausência criava algum tipo de vazio existencial na série. Porém, aqui está ela, e eu gostei muito do quê vi. Assim como os demais personagens, Erin McGuire não é exatamente uma construção brilhante e original dos roteiristas. Na verdade, de todos os clichês da série, ela como a esposa insatisfeita porquê o marido trabalha demais deve ser o maior. Mas Sarah dá cores à Erin, e a torna simpática o suficiente para quê eu me importe quando Mason não liga para lhe informar que precisará trabalhar no final de semana ou quando ele chega extremamente atrasado no restaurante elegante e caro, onde ela jantou sozinha.
Na agência, o caos reinou quando os publicitários recebem uma missão de ultima hora: produzir em um fim de semana a campanha perfeita para a candidatura de Chicago como sede das Olimpíadas em 2016. Eu estou começando a gostar de Tom e Hector. E a Sarah, apesar de ser tão sem noção que é chata, ainda não enjoou. Mas é Tony Mink que continua ganhando espaço comigo, e Griffin Dunne novamente faz um ótimo trabalho, apesar de aparecer bem pouco. Eu gostei da maneira como Tony manipulou seus subordinados para puni-los por toda a situação com a Arc Mobile e o comercial que não deveria ter sido filmado no episódio passado, e eu poderia me irritar facilmente ao ver que ele passou o fim de semana se divertindo ás custas de todo mundo, enquanto Mason brigava com Erin e Conner, e vivia uma situação infernal. Mas eu achei apenas engraçado, e estou começando a perceber que é impossível odiar Dunne, não importa o quê Tony faça ou diga.

Two and a Half Men – 6×16 – She’ll Still Be Dead at Halftime

Eu odeio que pareça que eu estou vindo aqui só para reclamar de Chelsea de novo, mas ainda continuo não engolindo a nova namorada de Charlie. Quer dizer, eu entendia quando se tratava de Mia. Ela jogava duro, o quê fez com quê Charlie tivesse que investir mais no relacionamento do quê ele queria, até que ele acabou se apaixonando por ela. E a personalidade forte de Mia era justamente o quê a tornava interessante. Chelsea é bonita e parece legal, mas é só isso. Os escritores não se empenharam realmente em nos apresentar a ela, o a como Charlie se apaixonou por ela, então eu tirando o fato de quê ela não bebe e não é fácil, eu não vejo a diferença entre ela e as outras mulheres com quem Charlie dorme. O episódio foi engraçado o suficiente, mas infelizmente, Jennifer Taylor (que já apareceu na série como três mulheres diferentes antes! Chelsea é sua quarta personagem em Two and a Half Men) não tem nada a ver com isso. Charlie Sheen e Jon Cryer continuam mostrando que apesar de tudo, eles ainda conseguem me fazer rir. Os dois são o principal motivo para quê eu não abandone a série, mesmo esta exibindo sinais visíveis de cansaço.

Quem é freqüentador assíduo de blogs de séries já sabe que colunas com curtos comentários sobre vários episódios que foram ao ar durante a semana é uma prática comum. Apesar de eu preferir longos comentários, eu assisto tantas séries que fica impossível escrever textos de uma página do Word sobre cada uma. Além disso, nem sempre há tanto o quê dizer. Por isso eu resolvi aderir a idéia. Assim, eu conseguirei comentar muito mais séries e os atrasos dos reviews diminuirão. Obviamente, muitos textos longos ainda serão feitos por aqui. E episódios importantes ou acima da média geralmente receberão atenção individual. Mas eu espero que vocês gostem da coluna.

Damages – 2×05 – I Agree, It Wasn’t Funny

‘And the plot thickens…’ A cada resposta que Damages nos fornece, uma nova pergunta. Os personagens são verdadeiras esfinges, suas ligações uma extensa rede de influências, mentiras e interesses. A cada episódio uma característica inesperada aparece em um personagem, e eu fico mais e mais deslumbrada com o grande mosaico de seres humanos que habitam esse submundo. E nesse momento, Daniel continua a ser o rei dos mistérios. Ele simplesmente sentou no carro enquanto um homem assassinava sua esposa? Por quê? Medo, cobiça, covardia? Todas as anteriores? Wes Krulik reaparece e heis que descobrimos que ele está a serviço do mesmo detetive que assassinou David Connor. A vida de Ellen pode estar em perigo, até porquê no futuro seu amante aparece em seu quarto de hotel com uma bolsa cheia de armas, mas eu não consigo ficar particularmente preocupada com Parsons. Afinal, ela está se provando muito mais sagaz e hábil do que eu poderia prever. Sua percepção sobre estar sendo seguida e a maneira como ela talvez tenha manipulado Patty me fizeram gostar ainda mais dela. Mas no meio disso tudo, a Patty ainda é Patty Hewes, minha preferida, e aquela que eu duvido que vá ser derrubada. Seja pela Ellen, por CEOs exasperados de Washington ou por seu próprio marido Phil, que obviamente leva uma vida dupla (e pode estar perturbardoramente envolvido com aqueles que desejam derrubá-la). Eu confio no tio Pete e em seu instinto, e eu espero que com a ajuda dele Patty sobreviva o furacão que está prestes a vir para cima dela, de todas as direções possíveis. Mas se em algum momento sua serenidade e aparente ignorância alimentam minhas dúvidas, sua frase no começo do episódio é o suficiente para manter minha fé nela: “Did I ever tell you how I choose a case? Starts with a seed of anger. That seed has to be cultivated until it grows into a full-blown rage.” Eu mal posso esperar para ver sua fúria desabrochar.

Lie To Me – 1×03 – A Perfect Score

O roteiro melhorou um pouco. Os casos ficaram um pouco mais inteligentes. O protagonista Cal Lightman fica mais interessante a cada nova hora da série. Mas ainda assim, Lie To Me continua a ser uma série sem brilho e sem personalidade. Aliás, sei que todo mundo já comparou e todo mundo já está cheio de ler essa comparação, mas o meu problema com Lie To Me é o mesmo problema que eu tinha com The Mentalist. Assistir ambas as séries é uma atividade inócua, sem sentimentos envolvidos, nem sequer divertimento. Eu insisto, acho que assistir só três episódios e desistir da série é covardia. Até porquê é uma série nova. E eu gosto dos personagens principais, e acho o elenco bem decente. Mas nem eles empolgam. As tramas dessa semana, o assassinato de uma adolescente envolvendo competitividade acadêmica em uma escola de prestígio e o acidente na NASA com o piloto que era drogado secretamente pela esposa foram bem pensadas, mas a execução falha. O episódio não tem clímax, não tem tensão e da maneira que Cal, Gillian e Loker agem é difícil levar a investigação deles a sério. Porquê eles não parecem levar. Eles fazem a procura pela resposta parecer extremamente fácil e desinteressante, e o fato de eu sentir que eles sempre terão uma carta na manga não ajuda.

Being Human – Episódio 3

Being Human tentou fazer um episódio sobre o amor e considerando o fato de que os relacionamentos da série são todos singulares, o resultado deveria ser extremamente interessante. Porém, os cinqüenta e sete minutos de exibição pareceram muito mais. O episódio foi maçante e talvez em grande parte isso se deva ao destaque de Annie, a personagem menos cativante da série. Nem seu envolvimento com o fantasma sem noção Gilbert, nem a descoberta de quê seu tão amado noivo a jogou da escada em uma crise de ciúmes causando sua morte fizeram com quê o episódio valesse mais a pena. E a enrolação de George para transar com a enfermeira também não foi muito melhor. Só Mitchell com sua relação doentia com Lauren conseguiu me agradar. A ambigüidade de Mitchell é o ponto forte da série. Afinal, ele se recusa a continuar matando para se alimentar, mas ele ainda é o cara que assiste um pornô para vampiros (um vídeo em que um vampiro se filma transando e se alimentando de humanos) uma dúzia de vezes, mesmo que supostamente tenha vomitado durante todas elas. E Lauren é definitivamente uma pessoa auto-destrutiva que se deixa levar pelo lado sombrio com imensa facilidade, mesmo que sua obsessão seja com o bom moço, moralmente correto, que rejeita as práticas não humanamente éticas de sua raça. Como a narração em off de George no começo coloca, o amor deles “é pervertido por outras coisas, como possessão, amor, decepção, luxúria e morte”. Mas quer eles já tenham percebido ou não, eles não podem fugir um do outro. Eu aposto que as decisões de Lauren continuarão a afetar e muito o destino de Mitchell. O quê ele merece de certa forma, afinal, ele a transformou em vampira, mudando para sempre o destino dela. Agora, ele tem que lidar a ligação mórbida entre os dois.

The Big Bang Theory – 2×15 – The Maternal Capacitance

Oh My God, Sheldon achou uma competição à altura! E Big Bang entregou um episódio tão bom quando o do Natal. O quê eu mais gosto em Big Bang é quando eles mergulham de cabeça nas particularidades e bizarrices daquele mundo de pessoas tão inteligentes, tão bem-sucedidas, tão além de nós reles mortais em matéria de conhecimento. E ao trazer a Senhora Hofstadter, mãe de Leonard e quase uma cópia feminina de Sheldon, os escritores conseguiram criar ótimas situações envolvendo a percepção quase alienígena da psiquiatra, o life-style de mais uma pessoa que só consegue funcionar no plano racional e analítico, e é claro, seu conseqüente desdém pelos decoros sociais. Christine Baranski nos dá uma performance genial e é uma pena que ela não fique na série para um arco maior. Eu definitivamente espero que ela volte, pois além da alta qualidade de sua personagem, sua presença permitiu as ótimas ações e reações dos demais personagens. Até Leonard estava fantástico. Seus diálogos com Penny foram impagáveis. Para superá-los, só a acusação da Senhora Hofstadter de quê Raj e Hollowitz tem um caso gay platônico, e a piadinha de Sheldon comparando a fazer xixi com comprar imóveis “Location, location, location”. A melhor comédia da temporada está de volta a sua melhor forma.


Categorias

Comentários

luiz augusto em The Day of the Triffids
karina em Much I Do About Nothing…
andreia em Eles estão voltando…

Blog Stats

  • 200.456 hits

Todas as atualizações do seu blog favorito

Me Adicione no Technorati

Add to Technorati Favorites