Séries Addict

Posts Tagged ‘Bart Bass

Quando Blair declarou guerra à professora que quase arruinou seu futuro, eu esperava muito mais. Não que as ações de Blair não tenham sido efetivas e até graves, mas eu achei que o episódio teve um tom leve demais para o assunto relação professora/aluno, e a questão da demissão de Rachel por conta de uma mentira/previsão de Blair. Até mesmo a trama a la “De Olhos Bem Fechados” de Chuck não foi sombria o suficiente para ser atraente.
Na frente Blair x Rachel, é difícil decidir quem tem razão. Por um lado, a professorinha do meio oeste realmente é uma criatura irritante, e tem sua dose de petulância ao achar que duas semanas depois de aterrizar no meio do Upper East Side, ela já acha que seus valores humildes são melhores do quê o de todo mundo e que ela tem que mudar as coisas, como se ela fosse um anjo mandado para salvar as almas fúteis da Constance. E ela não é. Talvez os adolescentes sejam muito fúteis e inconseqüentes mesmo, mas Rachel Carr claramente coloca aqueles que dividem sua ética debaixo das suas asas e despreza os demais. E eu realmente não gosto desse tipo de lição “siga meu exemplo e sua vida entrará nos eixos” de moral barata.
Blair, é claro, também não se ajuda. Eu entendo a irritação dela em acabar na detenção por quê apesar de pedir desculpas, Rachel a dedurou para a diretora mesmo assim. Mas ela tinha prometido que iria ficar fora do radar dessa vez e o quê ela fez foi exatamente o oposto. E por duas vezes a solução dela para lidar com Rachel me pareceu infantil e apressada. Ela não tem paciência, não tem humildade, e ultimamente, não tem tido esperteza.
Voltando a Rachel, a opinião de Rufus é algo a se ponderar. Todos nós sabemos que professores dormem com alunos. Isso é algo que acontece e honestamente, quando eu estava na escola, não era nenhum tipo de escândalo. Não sei como era com os pais, mas os alunos sempre consideraram normal. Porém, se eles querem trabalhar isso como algo que é inaceitável na série, então temos mais um erro por parte de Rachel. Ela pode só ter dormido com Dan depois da demissão, mas o quê Rufus disse é muito certo. Ela estava se encontrando com Dan, depois da hora da escola, para tomar café, para comer e para conversar. O interesse dela não era inocente, ela estava flertando com ele, e só a cega da Serena não estava vendo. E só nós formos encarar de maneira mais conservadora, o comportamento dela é inapropriado, sim.
Só quê sendo inapropriado ou não, Blair a acusou sem ter provas legítimas. Portanto é difamação e calúnia, o quê é crime. Tornando a expulsão dela da Constance justificada. Se ela tivesse tomado tempo para conseguir provas e fosse diretamente a diretora ou a Lily (que é presidente do Conselho de Pais) com as evidências, eu teria gostado. Mesmo sendo algo que prejudicaria o futuro de Rachel, se ela tivesse esperado e conseguido provas, eu não teria considerado a atitude dela tão falha (e o roteiro tão fraco nesse sentido). Até porquê Rachel parecia pouco interessada nas conseqüências das punições sobre o futuro de Blair, então porquê Blair deveria lhe estender a cortesia?
Na trama de Chuck, Nate (esses dois não tem escola, não?) e Vanessa, temos toda aquela coisa de Sociedade Secreta e festas regada a sexo. Funciona relativamente bem quando Kubrick o faz, mas em Gossip Girl não me atraiu muito. A possibilidade dos membros da Sociedade, que contavam com Bart antes de sua morte, serem perigosos a ponto de seqüestrar/matar uma garota só porquê ela convidou Chuck por engano pode até render alguma coisa, mas por enquanto não me cativou. Bart Bass festejava quase da mesma maneira que seu filho, e fazia isso com um outro grupo de homens e mulheres que desejam manter isso em segredo. Grande coisa. Até que eu tenha motivos para fazer o contrário, vou manter as minhas expectativas baixas com isso. Especialmente considerando que estamos falando de GG, e seja lá qual for a polêmica que eles querem fomentar, nós sabemos que eles só vão arranhar a superfície.
No lado cômico tivemos como sempre as amigas de Blair, que por um minuto inteiro se recusam a ajudá-la em seu plano de vingança, até que uma das iniciativas de Miss Carr é posta em prática pela Diretora Queller e celulares são proibidos dentro da escola. As reações de Hazel e Penelope são simplesmente hilárias. Amanda Setton e Dreama Walker precisam de mais tempo de tela.
Esse será o último episódio inédito em um bom tempo e Gossip Girl entra em uma espécie de hiato de novo. Então, vejo vocês depois do dia 2 de Março (quando o episódio 18 irá ao ar).

Eu, e acho que não apenas eu, estava começando a gostar do Senhor Bart Bass. Ele tem aparecido mais nessa temporada e não parece tão mau ou chato, e apesar do fato de que ele nunca será um Sandy Cohen, ele parece querer que sua família dê certo. Mas nesse episódio eu apenas consegui considerá-lo sinistro. É até passável que ele dê uma de control freak para cima de Lily, afinal, ela se casou com o sujeito, tem que negociar com ele. Mas daí a investigar cada passo de seus enteados é demais, né? Ele invade a privacidade de todos e não confia em ninguém, e ao mesmo tempo, ninguém mais confia nele. Isso não é família. Família não se estabelece com um tirano disseminando paranóia.
Ainda assim, Bart não ganha o troféu de pior marido/pai do seriado. Bass tenta com afinco, mas não páreo para o Capitão Archibald. Se perseguir a esposa e os enteados é passar dos limites, o quê dizer de manipular e seqüestrar esposa e filhos para extorquir dinheiro dos sogros? Já foi tarde para a cadeia.

O quê está acontecendo com Gossip Girl? De repente, todos os personagens estão adquirindo consciências e vendo que ser bonzinho é muito mais válido? E que nome mais clichê, Fogueira da Vaidade, para um episódio que trata de adolescentes percebendo que o mundo não gira em torno do seu umbigo, colocando a si mesmos de lado e fazendo o melhor para o próximo. Dan ganhou uma trama ridícula que só serviu para que não tenhamos mais que ver Bart Bass tratando o próprio filho como lixo completo sem motivo aparente, o quê, convenhamos, era mais ridículo ainda. Dan, depois de perceber que tinha que ser um pouco menos cheio de moral (nada contra a ética, mas Dan era o personagem que eles tentavam tornar tão correto, que ele se tornou um insuportável que julgava todo mundo), entrega a estória sobre Chuck para conseguir uma recomendação para Yale. E com ela, chama a atenção do editor da New York Magazine. Primeiro ele usou as pessoas que conhecia, depois foi usado por causa das pessoas que conhecia. Que ele iria ouvir seu pai e preferir ficar com seus valores ao invés da oportunidade de carreira como escritor era óbvio. Surpreendente foi ver Bart Bass caindo com aquela facilidade na armadilha de Dan. E o quê mais me irrita é que eles criam uma história dessas e desperdiçam completamente o potencial dela. Bart forjou um incêndio, foi responsável pela morte de um homem. A questão ética não deveria ser se Dan deveria ou não escrever um artigo que poderia arruinar os Van Der Woodsen/Bass.
Já um dos momentos mais aguardados por mim, o aparecimento de Cyrus Rose, foi completamente decepcionante. Cyrus era para ser repulsivo, e terminou como esquisito e feio, mas adorável. E com Blair fazendo a coisa certa de novo. Enquanto isso, o filho de Cyrus, Aaron, prova-se um par ainda mais inadequado para Serena. Os dois estão protagonizando o romance mais sem sal ever. E olha que isso é uma marca e tanto considerando os padrões de Gossip Girl. As amigas de Blair apareceram, mas também não fizeram nada demais.
A única parte excitante do episódio foi a de Jenny. Quando lembro da Little J do piloto, mal consigo acreditar em como a personagem cresceu. E a estória dela está andando para frente, e está com tudo. Como já se era de esperar, as coisas não ficaram tranqüilas nem por um minuto. Agnes é um furacão temperamental, e quase levou Jenny para o fundo do poço. Mas mesmo com seus vestidos queimados, os pais se recusando a assinar a autorização que ela precisa para a trabalhar e sem nenhum lugar para viver, Jenny segue em frente, tentando tudo o quê pode. Quem vai ficar de coração partido é o Rufus, quando descobrir que ela pediu a emancipação. Eu só quero ver o quão longe ela vai dessa vez. Será que ela vai sair vencendo pelo menos um pouquinho, ou vai ser obrigada a colocar o rabo entre as pernas e fazer uma saída estratégica como na temporada passada? Eu espero que não. Eu realmente estou gostando desse novo caminho na vida dela.

Um fator que sempre contribuiu para que eu amasse Blair nos livros é que ela é um tanto atormentada. Não é nada comparável as grandes tragédias da antigüidade ou às grandes tragédias teen contemporâneas, ninguém próximo dela morreu e ela não matou ninguém (embora ela tenha chegado a roubar uma calça de cashmere de uma boutique de luxo para Nate em momento de desespero), são as pequenas coisas. Ela é negligenciada, provocada, humilhada e tudo o quê ela batalha para conseguir geralmente falha, e para piorar a situação, é conseguido logo em seguida por Serena sem esforço nenhum, e a loura faz questão de deixar claro que tudo não passou de acidente cósmico que conspira para que ela brilhe. Por isso é com muito prazer que eu vejo essa trama sendo introduzida na série.
Sim, é angustiante a às vezes extremamente irritante ver a Blair sendo tão ferrada e a Serena sendo tão agraciada pelos Deuses, mas é um antagonismo ótimo, e que cria sempre ótimas tramas. E Serena boazinha é tão chata, que eu sentirei pela pobre Blair cada minuto que a loura infernizá-la, mas torcendo ao mesmo tempo para ver mais. Ainda mais porquê a Blair da série não vai deixar Serena tratá-la como lixo e ignorar, ela partirá para briga e agora ela aparentemente conta com uma aliada, Jenny. Adorei ver como a união das duas se deu e adorei a explicação de Jenny para Blair, que condiz com tudo o quê eu disse acima. As duas podem dar muitos passos errados, mentir, manipular, tramar, mas elas tem um objetivo e elas correm atrás, só para no final serem passadas para traz por uma Serena ou Poppy da vida, que tem tudo no colo. Acho melhor Serena tomar cuidado, porquê ela pode ser a Rainha agora, mas Blair e Jenny juntas são verdadeiras déspotas.
Uma alianças também improvável e interessante foi a de Dan Humphrey com Chuck Bass. Pena que durou tão pouco. E é impressão minha, ou todos os Upper East Siders irão para Yale? No livro Serena e Nate entram, enquanto Blair sofre um tempo na lista de espera e tem que suar mais um pouquinho para entrar, mas os outros vão para cantos totalmente diferentes. E Jenny? Será que ela irá para o internato? Isso seria muito chato, mas não está parecendo que ela ficará na Constance, já que ela deixou bem claro para o pai que não volta. O quê acontece é que com ela e Eric sendo dois anos mais novos que todo mundo, e os personagens principais tendo que ir para a faculdade, vai ser complicado mantê-los conectados com a trama, mesmo com Jenny trabalhando para Eleanor Waldorf.
No núcleo adulto descobrimos que Lily tirou uma foto nua. Concordo com a Serena que a Lily é a mãe mais cool do Upper East Side. Pena que Bart voltou e acabou com os planos dela de ser descolada, deu um daqueles discursos sobre discrição e deixou no ar algo sobre um segredo tão sórdido que Lily prefere manter enterrado. É impressão minha, ou isso foi meio que uma chantagem?
Esse episódio de Gossip Girl pode não ter sido tão empolgante quanto o da semana passada, mas foi ótimo e a série parece estar perfeitamente sintonizada com a identidade que encontrou.

Sabe último capítulo de novela? Um casamento, a vilã se dando mal, as tramas se fechando e os casais se acertando? Vendo a season finale de Gossip Girl eu tive a sensação de estar vendo um, com a diferença de que tiveram umas reviravoltas no final, porquê afinal de contas, tem a segunda temporada e eles tinham que tentar deixar um gancho. Fiquei ansiosa para ver o que vai acontecer? Não.
GG, como é chamada pelos íntimos, é uma série montanha-russa. Tantos altos e baixos, que eu fico até tonta. Começou ruim, ficou consideravelmente boa, algumas coisas incomodavam ainda, aí ficou excelente, decepcionou, e se afundou de vez. Isso é season finale que se preze? Até os figurinos estavam horríveis.
Minha trama preferida, a de Rufus e Lily, terminou de uma forma que não me agradou. Depois do beijo do episódio passado, os dois dormiram juntos. Mas Lily ia se casar mesmo assim. Ela foi se encontrar com Bart, que meio que a encurralou, demonstrando que sabia o quê ela andava fazendo. Ela prometeu desistir do Rufus por ele. Mesmo Rufus e Lily sendo um casal lindo, fofo, tudo de bom, Bart não é ruim e ele não faz um par ruim com Lily. Concordo plenamente com tudo o quê Chuck disse em seu discurso e mais. Os dois desistiram de muitas coisas para estarem juntos, eles tem um certo companheirismo que é até engraçado, Bart sendo tão sisudo e Lily tão cheia de pose. Podia ter acabado aí, a escolha dela seria completamente justificada, a própria Lily justificou. Tudo aquilo de Rufus descobrindo que Serena pediu a Lily para não ir embora com ele, indo atrás dela, tentando convencê-la a desistir, só para deixá-la ir, foi besteira. Uma grande enrolação só para causar um pouco de tensão naqueles que ainda não sabiam que Lily subiria ao altar, sim.
Dan e Serena terminaram. Aleluia. Os dois estavam chatos demais. Não vai fazer falta. Nate e Vanessa também terminaram. Aleluia de novo. Alguém mais sentia como aquilo simplesmente não era para ser? Os dois não tinham química!
Blair e Chuck voltaram e eu fiquei feliz da vida, e então no final, uma decepção. Os dois ficam juntos uma semana e já estão traindo? E o amor? Os dois são tão legais juntos, não agüento mais uma temporada deles sem contracenar. Então espero que os escritores tenham uma solução satisfatória. Dan parece que vai ficar com Vanessa (não é o cúmulo da chatice?) e Nate com Serena (talvez funcione, depende só dos escritores). Jenny ainda fez uma aparição relâmpago para ganhar uma traminha inútil que vai colocá-la contra Blair, de novo. Acho que não consigo ver a segunda temporada.
A única coisa boa foi Blair acabando com a alegria de Georgina, fazendo-a ser encontrada pelos pais e conseguindo com que fosse mandada para um reformatório. Apesar de que, até disso, eu esperava mais.
Alguém me dê um bom motivo para ver a Segunda temporada, por favor, porquê eu não estou conseguindo ver a luz no fim do túnel.


Categorias

Comentários

luiz augusto em The Day of the Triffids
karina em Much I Do About Nothing…
andreia em Eles estão voltando…

Blog Stats

  • 172,350 hits

Todas as atualizações do seu blog favorito

Me Adicione no Technorati

Add to Technorati Favorites