Séries Addict

Posts Tagged ‘Patty Hewes

Quando a segunda temporada de Damages estreou, eu tinha grandes expectativas que foram correspondidas. Com o passar do tempo, as coisas esfriaram, o ritmo tornou-se devagar e as tramas deixaram a desejar; porém, nessa reta final a série se recuperou e entregou uma finale que se não é isenta de erros, pelo menos amarra todas as pontas.

A personagem Patty Hewes seguiu sua evolução, mas manteve sua coerência. Se desde a premiere nos apontaram que ela sentia culpa, era de se imaginar que ela tentaria expiar seus sentimentos via confissão. E o resto: a armação, trazer o Tom de volta, ficar sentada sob a mira de uma arma tentando resolver as coisas com Ellen enquanto sangrava por causa do esfaqueamento, expulsar Michael de casa e ainda conseguir as prisões de Dave Pell e Walter Kendrick é Patty Hewes em seu melhor jogo. É o quê eu desejo ver quando procuro a série e é o quê me satisfaz. É o quê, aliado a mais uma performance fantástica de Glenn Close, tornou essa finale um episódio delicioso de se assistir.

Porquê nem fazendo Patty de refém Ellen me empolgou. E depois ela simplesmente deixou o quê a Patty fez de lado só porquê a chefe confessou. Eu preferia que ela fosse presa, mas como poderia ocorrer uma terceira temporada com essa situação? Da mesma maneira, é óbvio que ela retornará a firma de Patty. Acho que a minha maior dúvida com esse final é quem retornará junto com ela? Claire, Purcell, Phil, Katie e Frobisher parecem ter esgotado seus usos para a série. Mas eu realmente gostaria de ver pelo menos Gay Harden de novo. E apesar de não ter sido a melhor temporada ou o melhor season finale que já vi, Damages ainda fez o suficiente para que eu continue uma fã fiel, que aguarda desde já seu terceiro ano.

Texto publicado previamente no site TeleSéries.

Anúncios

United States of Tara – 1×05 – Revolution e 1×06 – Transition

A cada episódio, Tara só cresce no meu conceito. Fica claro que a série deve construir até o fim dessa temporada o panorama completo sobre a doença de Tara, sua origem e suas conseqüências reais, afinal existe muito mais conflito com a família dela do quê fomos levados a pensar inicialmente. Apesar de apoiarem Tara, Max e os filhos se vêem presos em uma roda maligna onde eles se obrigam a ser condescendentes com a protagonista, mas os filhos são totalmente passivos-agressivos e estou começando a achar que a resignação de Max tem um quê de depressão.
No meio de tudo isso é a relação de Tara com Charmaine que se provou mais interessante. No segundo em que Rosemarie DeWitt ganhou espaço ela roubou totalmente a cena dos demais coadjuvantes, sua presença mais discreta equilibrando-se perfeitamente com a força de Toni Collette. A relação entre as duas irmãs é genuinamente complexa e conflituosa, e o ressentimento que uma nutre pela outra, somada à inveja e carinho mútuos criam problemas muito mais tocantes do quê qualquer coisa que os alters possam fazer, ou das dificuldades de Kate e Marshall. Eu estou curiosa para descobrir mais sobre o passado das duas, sobre porquê Tara foi para o internato e Charmaine não, e se a múltiplas personalidades teriam realmente surgido por causa de uma violência sexual que Tara sofreu.

Trust Me – 1×04 – Au Courant

Au Courant marca a primeira aparição da atriz Vanessa Marano (a April de Gilmore Girls) na série, interpretando a filha adolescente de Mason e Erin, Haley. Não questiono a competência da menina e acho que ela atua bem, mas Marano está ficando marcada pelo mesmo estereótipo nerd, não?
Com a trama dando destaque a filha de Mason, nós acompanhamos um pouco mais da intimidade deste e conhecemos mais a fundo uma de suas muitas neuroses, o fato de ele não ser cool. Foi uma trama bem fraca e um pouco batida, mas Conner fingindo ser Spike Jonze e os diálogos impecáveis reforçados pela atuação e química fantástica de Tom Cavanagh e Eric McCormack fizeram valer a pena.
A trama de Monica Potter foi mais legal, mas acho que poderiam ter desenvolvido mais. A atriz continua ótimo, e eles poderiam ter criado mais piadas e situações constrangedoras com a confusão sobre ela ser uma lésbica.
Esse foi o episódio mais fraco da série até agora, mas eu continuo achando-a a melhor estréia desse começo de ano.

Texto publicado previamente no site TeleSéries.

Nip/Tuck – 5×20 – Budi Sabri

Eu estou começando a ficar um pouco incomodada com os rumos que a série está tomando. Não que a qualidade dos roteiros, atuações ou direção tenha caído. Muito pelo contrário. Surpreendentemente, Nip/Tuck é uma das melhores séries que estou acompanhando ultimamente. Mas o sumiço de Julia e os filhos de Sean, a aparição esporádica de Matt e Kimber, e os relacionamentos entre Liz e Christian, mais Sean e Teddy, fazem com quê apesar de estar ótima, a série tenha se tornado algo totalmente diferente e tenha se afastado da Nip/Tuck que eu amava. Sim, eu sempre tive uma queda pelo relacionamento doentio entre Christian, Sean e Julia. É estranho ver que isso acabou, mas eu estou disposta a enxergar esse passo como uma evolução dos personagens.
Só que a continuação da crise de meia-idade do Sean tentando mudar completamente quem é não me agrada nada. Se é para ter evolução dos personagens acho que a essa altura Sean já deveria ter aprendido a lidar com meninas que querem controlar sua vida e suas ações. Acho que ele está um pouco deslumbrado com Teddy, e se eu já não gostei da personagem de cara, a detestei ainda mais profundamente ao vê-la insistir para que Sean desligasse o celular no restaurante, durante uma ligação de Julia. Apesar disso, Katee Sackhoff é ótima atriz e sua performance é extremamente competente.
O câncer de Christian se espalhou e ele não tem muito tempo de vida. O quê ele faz? Decide casar-se com Liz. Eu sempre gostei da amizade colorida dos dois, e entendo perfeitamente de onde vem a storyline, mas ainda assim fico com um nó sabendo que a sempre sensata Liz aceitou casar-se com Christian, mesmo sabendo muito bem que ele só fez a proposta por medo de morrer sozinho. Se ele estivesse saudável, ela ainda estaria em Miami e ele estaria dormindo com todas as mulheres bonitas de Los Angeles.

Damages – 2×07 – New York Sucks

E exatamente o quê eu previ, aconteceu. Se tem uma série nessa temporada que é páreo duro para Lost, é Damages. E teria como eu não gostar de um episódio cujo destaque é ninguém menos que o tio Pete? Acontece que ele é, de fato, tio materno da Patty. E sua lealdade, seja pelo sangue, sela por gratitude, seja por amor à sobrinha, prova-se inabalável ao ponto dele preferir o suicídio à deixar Patty cair nas mãos do FBI. Depois da tensão dos quarenta minutos de episódio, eu não consegui não me emocionar com aquele final. Eu só espero que Patty honre a adoração do tio por ela (e a minha) e cuide muito bem de sua viúva, em seus últimos anos de vida.
A parceria entre Frobisher e Hewes é consolidada e se torna pública. Além de ter amado a cara de pau da Patty dizendo à imprensa que Frobisher é uma ótima pessoa, com quem ela tem prazer de ter formado uma aliança, ela manipulou muito bem Ellen para que a jovem aceitasse a presença do assassino de seu noivo como cliente da firma. Ted Danson e Glenn Close continuam maravilhosos, Marcia Gay Harden está cada melhor, Olyphant e Griffin estão aparecendo um pouquinho mais e fazendo bem seu trabalho. Sinto falta do Hurt, mas mesmo que ele não apareça nunca mais, Damages tem o melhor elenco atual entre todas as séries que eu vejo.

CSI NY – 5×15 – The Party’s Over

Em The Party’s Over somos apresentados a mais uma trama que deve ter continuação. É uma novidade interessante para CSI NY que esta temporada esteja trazendo não apenas uma estória recorrente, mas três. O caso de Stella com a Embaixada Grega, e o envolvimento de Mac e Ella, nesse episódio somos apresentados a um caso que envolve políticos corruptos, um dono de jornal poderoso e um possível vazamento de informações. E tudo começa com a gripe azul, um protesto dos policiais cujo pagamento está atrasado. Eu adorei a maneira como o clima de caos na cidade foi retratado. E a cena mais divertida do episódio é sem dúvida a abertura, com Mac perseguindo um assaltante usando smoking e o algemando com um saco plástico por quê não tem ninguém para patrulhar as ruas.
Na festa que Mac deveria estar, Stella, seu novo namorado, o bombeiro Brendan Walsh, e Gillian Whitford presenciam a queda do corpo do anfitrião no meio salão e começa o caso da semana. Eu não gostei muito do filho ter matado o político, quando haviam tantos inimigos, tantas coisas acontecendo. Preferia que sua morte fosse relacionada aos desvios de dinheiro do cara. Mas pelo menos a presença do garoto serviu para Adam ter bastante destaque. Eu adoro o AJ Buckley, ele se tornou meu técnico de CSI preferido. É uma pena que Stella esteja envolvida com um novo cara (muito bonito, vale ressaltar), porquê eu realmente gostava quando estava rolando um clima entre eles, justamente por Adam ser essa pessoa delicada e sensível, um tanto quanto tímido, enquanto Stella é a mulher forte, decidida, extrovertida e protetora.
Outro relacionamento que parece que não vai acontecer, para meu imenso desapontamento, é o entre Gillian e Mac. Desde a primeira aparição de Julia Ormond eu gostei dela, e ela mostrou-se uma adição extremamente interessante, pois em nenhum momento sua personagem se mostra uma repetição dos outros policiais e chefes de Departamento da série. Ela tinha uma presença diferenciada e carismática, mas pelo contrato, essa deve ser sua última aparição.
Sai Ormond, entra Craig T. Nelson. Robert Dunbrook é um homem que obviamente gosta do poder e infelizmente, com a até Danny aderindo a paralisação, todo o aparato da polícia estava com problemas sérios. Uma posição delicada, que acabou colocando-os em uma posição mais delicada ainda. O poderoso dono de jornal aparentemente sabe de tudo o quê acontece, e eu aposto que sua doação de 20 milhões a NYPD vai se provar nada caridosa e causar muitas dores de cabeça. Depois do começo que eu considerei um pouco abaixo da qualidade da temporada passada, CSI NY melhorou bastante e volta a competir com Criminal Minds pelo posto de melhor policial atualmente no ar (CM ainda está ganhando).

Damages – 2×06 – Pretty Girl in Leotard

De todas as surpresas e revelações dessa fantástica temporada, a melhor de todas foi a desse episódio. Meu instinto me dizia que Patty tinha um coringa na manga, e eu não estava errada. Mas ainda assim, sua aliança com Arthur Frobisher me pegou completamente desprevenida. Sem dúvida é um desenvolvimento inesperado e magnífico em suas implicações. Ellen pode estar manipulando Patty em relação ao FBI (ainda que eu tenha dúvidas sobre o quão ingênua Patty realmente é em relação a isso), mas Patty a está enganando completamente. Ela nunca deixará que Parsons prejudique Frobisher enquanto este tiver utilidade. E apesar do meu choque inicial, o envolvimento dos dois faz todo o sentido. Eles são iguais. Ambos colocam a si mesmos acima de todo o resto, e por isso, são imprevisíveis. Suas estratégias mudam em um reflexo constante, e suas mentes afiadas são armas indispensáveis a suas necessidades de controle, poder e superioridade. Ted Danson aparece pouco, mas continua mostrando-se ótimo. Fico feliz que ele tenha retornado e que a explicação para seu sumisso seja tão perfeita.
Quem também retorna é Anastacia Griffin. Os roteiristas também foram felizes aqui, e fizeram sua ausência ser compensada pelo fato de quê seu retorno traz algumas respostas sobre o assassinato de David, ainda que eu considere que a real relevância das conexões descobertas em Pretty Girl in Leotard ainda não estejam claras.
Daniel Purcell mal apareceu e o único desenvolvimente de sua trama foi seu rompimento com Claire Maddox, essa sim um destaque. Marcia Gay Harden novamente se prova extremamente competente, muito diferente de algumas composições suas que eu vi no cinema, como a segura e misteriosa Maddox. Sem dúvida a melhor performance do episódio.

30 Rock – 3×11 – St. Valentine’s Day

Um pouco inferior a Generalíssimo, mas ainda assim bom o suficiente para que eu pense que a temporada atual finalmente está voltando ao rumo, St. Valentine’s Day se foca nos relacionamentos altamente bizarros que só 30 Rock pode proporcionar. É impossível não sentir vergonha alheia por Liz e sua tentativa de primeiro encontro com o médico perfeito Drew, que vira um desastre de proporções homéricas. Jon Hamm, sem ter muito o quê fazer (Fey precisa escrever algumas coisas realmente engraçadas para ele) está bem, mas é completamente engolido por Tina Fey. Atuando cada dia melhor, cada vez mais engraçada e possuindo as cenas mais difíceis e algumas das falas mais interessantes, é impossível ela não se destacar.
Porém, Alec Baldwin continua sensacional e no geral sua trama foi melhor, justamente por ser menos exagerada e mais palpável que a situação de Lemon com a morte da mãe de Drew e sua filha problemática tudo acontecendo ao mesmo tempo. Elisa arrastá-lo para a igreja no dia dos namorados é uma idéia simples, mas genial. As cenas de Jack usando o momento da oração para falar ao telefone e sua confissão ao padre (“Eu uma vez afirmei ser Deus. Durante um depoimento.”, “Eu posso ter sodomizado nosso ex-vice presidente, enquanto sob influências de uma arma narcótica”). Salma Hayek teve seus momentos também. Ela começou bem sem graça, mas seus diálogos melhoraram incrivelmente, o quê dá esperança de que é uma questão de tempo até que eles achem algo que funcione para Hamm.

Quem é freqüentador assíduo de blogs de séries já sabe que colunas com curtos comentários sobre vários episódios que foram ao ar durante a semana é uma prática comum. Apesar de eu preferir longos comentários, eu assisto tantas séries que fica impossível escrever textos de uma página do Word sobre cada uma. Além disso, nem sempre há tanto o quê dizer. Por isso eu resolvi aderir a idéia. Assim, eu conseguirei comentar muito mais séries e os atrasos dos reviews diminuirão. Obviamente, muitos textos longos ainda serão feitos por aqui. E episódios importantes ou acima da média geralmente receberão atenção individual. Mas eu espero que vocês gostem da coluna.

Damages – 2×05 – I Agree, It Wasn’t Funny

‘And the plot thickens…’ A cada resposta que Damages nos fornece, uma nova pergunta. Os personagens são verdadeiras esfinges, suas ligações uma extensa rede de influências, mentiras e interesses. A cada episódio uma característica inesperada aparece em um personagem, e eu fico mais e mais deslumbrada com o grande mosaico de seres humanos que habitam esse submundo. E nesse momento, Daniel continua a ser o rei dos mistérios. Ele simplesmente sentou no carro enquanto um homem assassinava sua esposa? Por quê? Medo, cobiça, covardia? Todas as anteriores? Wes Krulik reaparece e heis que descobrimos que ele está a serviço do mesmo detetive que assassinou David Connor. A vida de Ellen pode estar em perigo, até porquê no futuro seu amante aparece em seu quarto de hotel com uma bolsa cheia de armas, mas eu não consigo ficar particularmente preocupada com Parsons. Afinal, ela está se provando muito mais sagaz e hábil do que eu poderia prever. Sua percepção sobre estar sendo seguida e a maneira como ela talvez tenha manipulado Patty me fizeram gostar ainda mais dela. Mas no meio disso tudo, a Patty ainda é Patty Hewes, minha preferida, e aquela que eu duvido que vá ser derrubada. Seja pela Ellen, por CEOs exasperados de Washington ou por seu próprio marido Phil, que obviamente leva uma vida dupla (e pode estar perturbardoramente envolvido com aqueles que desejam derrubá-la). Eu confio no tio Pete e em seu instinto, e eu espero que com a ajuda dele Patty sobreviva o furacão que está prestes a vir para cima dela, de todas as direções possíveis. Mas se em algum momento sua serenidade e aparente ignorância alimentam minhas dúvidas, sua frase no começo do episódio é o suficiente para manter minha fé nela: “Did I ever tell you how I choose a case? Starts with a seed of anger. That seed has to be cultivated until it grows into a full-blown rage.” Eu mal posso esperar para ver sua fúria desabrochar.

Lie To Me – 1×03 – A Perfect Score

O roteiro melhorou um pouco. Os casos ficaram um pouco mais inteligentes. O protagonista Cal Lightman fica mais interessante a cada nova hora da série. Mas ainda assim, Lie To Me continua a ser uma série sem brilho e sem personalidade. Aliás, sei que todo mundo já comparou e todo mundo já está cheio de ler essa comparação, mas o meu problema com Lie To Me é o mesmo problema que eu tinha com The Mentalist. Assistir ambas as séries é uma atividade inócua, sem sentimentos envolvidos, nem sequer divertimento. Eu insisto, acho que assistir só três episódios e desistir da série é covardia. Até porquê é uma série nova. E eu gosto dos personagens principais, e acho o elenco bem decente. Mas nem eles empolgam. As tramas dessa semana, o assassinato de uma adolescente envolvendo competitividade acadêmica em uma escola de prestígio e o acidente na NASA com o piloto que era drogado secretamente pela esposa foram bem pensadas, mas a execução falha. O episódio não tem clímax, não tem tensão e da maneira que Cal, Gillian e Loker agem é difícil levar a investigação deles a sério. Porquê eles não parecem levar. Eles fazem a procura pela resposta parecer extremamente fácil e desinteressante, e o fato de eu sentir que eles sempre terão uma carta na manga não ajuda.

Being Human – Episódio 3

Being Human tentou fazer um episódio sobre o amor e considerando o fato de que os relacionamentos da série são todos singulares, o resultado deveria ser extremamente interessante. Porém, os cinqüenta e sete minutos de exibição pareceram muito mais. O episódio foi maçante e talvez em grande parte isso se deva ao destaque de Annie, a personagem menos cativante da série. Nem seu envolvimento com o fantasma sem noção Gilbert, nem a descoberta de quê seu tão amado noivo a jogou da escada em uma crise de ciúmes causando sua morte fizeram com quê o episódio valesse mais a pena. E a enrolação de George para transar com a enfermeira também não foi muito melhor. Só Mitchell com sua relação doentia com Lauren conseguiu me agradar. A ambigüidade de Mitchell é o ponto forte da série. Afinal, ele se recusa a continuar matando para se alimentar, mas ele ainda é o cara que assiste um pornô para vampiros (um vídeo em que um vampiro se filma transando e se alimentando de humanos) uma dúzia de vezes, mesmo que supostamente tenha vomitado durante todas elas. E Lauren é definitivamente uma pessoa auto-destrutiva que se deixa levar pelo lado sombrio com imensa facilidade, mesmo que sua obsessão seja com o bom moço, moralmente correto, que rejeita as práticas não humanamente éticas de sua raça. Como a narração em off de George no começo coloca, o amor deles “é pervertido por outras coisas, como possessão, amor, decepção, luxúria e morte”. Mas quer eles já tenham percebido ou não, eles não podem fugir um do outro. Eu aposto que as decisões de Lauren continuarão a afetar e muito o destino de Mitchell. O quê ele merece de certa forma, afinal, ele a transformou em vampira, mudando para sempre o destino dela. Agora, ele tem que lidar a ligação mórbida entre os dois.

The Big Bang Theory – 2×15 – The Maternal Capacitance

Oh My God, Sheldon achou uma competição à altura! E Big Bang entregou um episódio tão bom quando o do Natal. O quê eu mais gosto em Big Bang é quando eles mergulham de cabeça nas particularidades e bizarrices daquele mundo de pessoas tão inteligentes, tão bem-sucedidas, tão além de nós reles mortais em matéria de conhecimento. E ao trazer a Senhora Hofstadter, mãe de Leonard e quase uma cópia feminina de Sheldon, os escritores conseguiram criar ótimas situações envolvendo a percepção quase alienígena da psiquiatra, o life-style de mais uma pessoa que só consegue funcionar no plano racional e analítico, e é claro, seu conseqüente desdém pelos decoros sociais. Christine Baranski nos dá uma performance genial e é uma pena que ela não fique na série para um arco maior. Eu definitivamente espero que ela volte, pois além da alta qualidade de sua personagem, sua presença permitiu as ótimas ações e reações dos demais personagens. Até Leonard estava fantástico. Seus diálogos com Penny foram impagáveis. Para superá-los, só a acusação da Senhora Hofstadter de quê Raj e Hollowitz tem um caso gay platônico, e a piadinha de Sheldon comparando a fazer xixi com comprar imóveis “Location, location, location”. A melhor comédia da temporada está de volta a sua melhor forma.

Eu adoro Damages. Acho cada episódio sensacional. Tenho verdadeira adoração por Glenn Close e seu talento. E não tenho como explicar que seja tão difícil colocar meus sentimentos e opiniões em palavras. Apenas é. Então eu vou fazer uma tentativa que pode ou não ser considerada um sucesso de expressar o quanto e porquê eu gostei desses dois últimos episódios.
Em I Knew Your Pig e Hey! Mr. Pibb! os roteiristas se focam na relação de Patty e Daniel. Eu estava curiosa a princípio para saber quê tipo de passado esses dois dividiam, além do óbvio (Daniel ser o pai do filho de Patty) e gostei dos flashbacks mostrando a relação dos dois entremeada pelos casos judiciais e a questão de Michael, que Patty fez de tudo para manter afastado de Daniel. Mas depois eu fiquei me perguntando se isso tudo vai ter alguma pertinência à trama principal ou se é só uma tentativa de enrolação disfarçada de revelação.
O caso em si foi para frente, para trás, para frente de novo, para trás de novo. Atualmente, eu não sei dizer em que pé está. É óbvio que Purcell prejudicou a ação no tribunal, ao desmentir que a Ultima National Resources tivesse feito qualquer coisa errada. Mas o ódio extremo e desejo de vingança que Patty deve estar sentindo pode ser exatamente o quê faltava para essa temporada pegar fogo. Eu a estava sentindo bem menos determinada e gananciosa que na primeira temporada, onde sua vontade apaixonada de vencer Frobisher a qualquer custo era o quê mais me entretinha e interessava.
Por outro lado, Tom e Ellen encontraram Josh, o repórter que era o contato de Daniel na Virgínia e ele parece genuinamente interessado em expôr a UNR e até agora, não pareceu ter outros objetivos escusos, como Daniel sempre teve. E apesar da amostra de água que ele forneceu a Patty ter sido jogada fora por Purcell, algo me diz que o jornalista será um aliado valioso e que de alguma maneira será indispensável na virada de jogo de Hewes, que certamente está por vir.
Ainda sobre Daniel, ele está se saindo o mais interessante personagem dessa temporada. Conseguiu manipular Patty direitinho e a fez denfende-lo na questão da morte de sua esposa e tirá-lo da cadeia, quando tudo era apenas armação da URN e dele, para encobrir o quê parece ser o fato de quê Daniel na verdade matou Christine.
Claire Maddox apareceu, mas não teve muito o quê fazer a não ser dar alguns conselhos legais e ir ao Tribunal se defender contra Patty Hewes. Marcia Gay Harden continua a ótima atriz que sempre foi, mas ela tem muito pouco a fazer realmente. Glenn Close e William Hurt porém, tem tido ótimas oportunidades para demonstrar seus imensos talentos, e as têm aproveitado devidamente. Os dois tem feito um trabalho sensacional e são um dos principais motivos de eu estar tão entrosada nesse começo de temporada. Por outro lado, Ted Danson e Timothy Olyphant sumiram do mapa, e Anastasia Griffith (cujo nome permanece nos créditos) teve uma aparição relâmpago durante um telefonema para Parsons. Sabemos que Katie Connor parece estar seguindo em frente depois de toda aquele inferno do caso Frobisher e que tem um namorado novo que deseja apresentar a Ellen.
Nunca descarto nenhuma informação em Damages como irrelevante, mas assim como o passado de Daniel e Patty, eu ainda não sei ao certo onde tudo isso, ou a própria Katie, se encaixam. Só sei que tive um pressentimento sombrio de quê a pessoa que Ellen Parsons recebeu no hotel e de quem aceitou dinheiro pudesse ser ela ao invés de Wes Krulik (a aposta mais sólida até agora). Mas também pensei Hollis Nye, o advogado que levou Ellen até o FBI, que está, por enquanto, também desaparecido de cena.
As peças do quebra-cabeça estão sendo colocadas juntas, e talvez nós ainda não tenhamos visto nenhuma peça realmente crucial, ou talvez ela esteja bem na nossa frente desde o começo. Mas eu estou longe de saber qual é a figura que ele formará quando completo.


Eu gostei tanto desse episódio que se eu ainda utilizasse notas para avaliar episódios , eu daria a Burn it, Shred it, I Don’t Care a nota máxima. Nessa segunda temporada as coisas parecem estar se desenvolvendo mais rápido, e obviamente teremos mais reviravoltas, o quê nem sempre é bom, mas aqui é surpreendente. O roteiro intricado, cheio de revelações mas ao mesmo tempo sempre nos mantendo três passos atrás dos espertos e dúbios protagonistas.
Nessa nova trama, ninguém é confiável, ninguém é simplesmente bom ou mau, nada é preto ou branco. E como na primeira temporada, quando você começa a achar que está entendendo alguma coisa, vem um episódio como esse e te mostra que ainda é muito cedo para se ter certeza de qualquer coisa, e que a verdade é que nós não sabemos nada. A estrutura narrativa de Damages é como uma tapeçaria incompleta, e por mais que os caminhos que os fios percorrerão e se entrelaçarão pareçam previsíveis, eles nunca correspondem as nossas expectativas.
Patty dispensou o caso que o FBI preparou como armadilha e assumiu com tudo o caso de Daniel Purcell. Porém o velho conhecido da advogada parece não ser tão inocente quanto se esperava. A frase do episódio é de Patty, que diz sabiamente que todo mundo tem um objetivo escuso. E eu acho que o grande mistério dessa temporada não é em quem Ellen atirou afinal de contas, mas qual é o objetivo de escuso de Patty. Até agora Hewes parece não estar jogando, manipulando ou escondendo nada para tirar vantagem dos outros, mas esperar que ela realmente não tenha uma (ou várias) cartas na manga é ingenuidade. Por mais que ela pareça se preocupar genuinamente com Purcell (quem, em um momento suspeito, fica extremamente tenso ao conhecer o filho de Patty, Michael, que ao alguém me lembrou sabiamente que também não é filho do marido dela), e por mais que as intenções dela em relação ao caso pareçam boas, eu não confio que Patty seja completamente altruísta ou que pelo menos ela não vá jogar muito sujo.
Mas com o quê vimos até aqui, ela está até parecendo a mocinha da estória. Ellen está tramando contra ela, Tom parece muito próximo de Parsons no futuro, Purcell pode estar usando-a. E ainda temos, Frobisher (que não apareceu dessa vez, mas alguém duvida que ele continue sendo o homem maquiavélico de sempre) e o novato Wes, que parece ter uma obsessão nada saudável com ex-bilionário e seu envolvimento com Ellen, isso sem mencionar na sua assustadora coleção de armas.
Para completar, entra em cena Claire Maddox, interpretada pela ganhadora do Oscar Marcia Gay Harden. Por enquanto apenas conseguimos deduzir que ela e Daniel tem um segredo, que pode variar desde um envolvimento mais pessoal até os dois estarem juntos armando contra Patty. Porquê motivo eles fariam isso, eu ainda não sei. Mas Claire parece que será uma antagonista ainda melhor que Ray Fiske.
Gay Harden é ótima atriz, e sua composição está irrepreensível, mas os destaques de atuação em Burn it, Shred it, I Don’t Care são mesmo Glenn Close e William Hurt. Enquanto Glenn consegue dar uma certa vulnerabilidade a Patty sem fazer com que ela deixe de ser a mulher sagaz e calculista que todo mundo já aprendeu a temer e respeitar, William Hurt faz exatamente o oposto, apresentando Daniel como um homem supostamente fiel aos seus valores e assustado, mas que esconde um lado negro.
Com isso, quarta-feira já tornou-se o melhor dia da semana, o mais esperado por mim pelo menos, e está extremamente difícil escolher o que ver primeiro: Damages, Lost ou Criminal Minds (e ainda tem tecnicamente impecável CSI: NY).


Minha trajetória com Damages é provavelmente diferente da maioria das pessoas. Quando a série estreou nos Estados Unidos, eu assisti imediatamente (sem legenda), junto com Saving Grace, e enquanto odiei a série protagonizada por Holly Hunter (que eu considero uma atriz tão sensacional quanto Close, a propósito), eu amei o piloto de Damages imediatamente. Identificação que eu sei que não aconteceu com a maioria das pessoas, que precisaram de dois, três e em alguns casos todos os episódios para serem finalmente fisgados (ou não). Mas enquanto todo mundo aderia a onda de Damages, eu, por algum motivo que não me recordo, acabei deixando a série de lado completamente e só voltei a vê-la meses depois, em uma maratona que me fez sentir muita raiva de mim mesma. Afinal, Damages era mesmo tudo aquilo que eu achei que seria.
Damages é essencialmente uma série sóbria. Consegue-se captar um toque de humor negro e ironia aqui e ali, mas os personagens não se descontraem, não se divertem. É tudo muito sério. Patty Hewes e seu inimigos e aliados jogam é muito perigoso, porquê todos eles jogam para ganhar. E eu simplesmente adoro esse clima sombrio, austero e urgente da série.
Mas eu entendo perfeitamente que é uma fascinação que nem todo mundo divide comigo. E quem não está tão envolvido nesse universo de Damages quanto eu, provavelmente nem achou a estréia da segunda temporada tão boa assim. Especialmente considerando que depois de uma espera de um ano, as críticas, os prêmios, o boca a boca, as expectativas estavam altíssimas, até mesmo para quem não gosta ou nunca assistiu a série.
Eu, apesar de amar o thriller, não estava esperando nenhuma obra-prima para falar a verdade. É o primeiro episódio, e é nesse que Damages monta a estrutura, distribui algumas peças, nos dá uma pequena amostra do quê está por vir. É quase um prefácio.
E o mais importante aqui parecia ser nos mostrar as condições da psique de Ellen Parsons. Um mês depois do fim do caso Frobisher, Ellen continua bancando a queridinha de Patty enquanto espera que o FBI monte o plano deles para destruir Patty Hewes e comece a de fato usá-la. Ela se ressente de Patty profundamente, e se ressente de Frobisher de maneira que chega até mesmo a odiá-lo. Ela está presa, encurralada na própria mente e ela precisa acertar as contas com ambos Hewes e Frobisher, mas acho que aqui mais que nunca ela se dá conta de que não sabe realmente como vai conseguir paz. Não pode perdoar e não consegue se vingar, e tudo simplesmente a atormenta. Mas seis meses depois, algo vai estar completamente diferente, porquê no flashfoward a vemos bebendo e atirando em alguém. E eu duvido que seja Patty.
Enquanto isso a própria Patty continua extremamente atormentada pela morte de Ray Fiske, porém, sua ordem para assassinar Ellen não parece tê-la afetado em nada. E sem dúvida ela continua a mesma mulher manipuladora e sem escrúpulos de sempre, mas agora ela decidiu trabalhar com caridade, provavelmente, como ela mesmo coloca para Ellen quando essa tenta desdenhar sutilmente dela (mas não consegue) para limpar a própria consciência. O problema é que o próprio caso Frobisher já tinha essa característica de ser algo em prol de um bem maior. É claro que ela queria vencer mais que tudo e que deveria estar louca pela comissão em cima dos dois bilhões, mas ajudar as pessoas parece ser algo que sempre teve que estar entre os objetivos da advogada, de uma maneira ou outra.
Além disso, somos introduzidos a Daniel Purcell, interpretado pelo sempre ótimo (mas até aqui, um tanto apagado) William Hurt, que parece ser o novo caso de Patty, além de ter um relacionamento prévio com ela. Alguém mais cogitou se Daniel não poderia ser ninguém menos que o pai de Julia Hewes? Quer dizer, Patty nunca disse que o pai era o marido dela e eu acho que pode ser de outro homem, afinal, já fazem trinta anos que a garota morreu. E Wes Krulik, interpretado por Timothy Olyphant, um companheiro de terapia de grupo da Ellen, que de repente começa a segui-la. Será ele a Lila da vez?
Em relação as atuações, Close não decepciona, mas eu gostei mais do trabalho de Byrne. Acho que ela trabalhou com competência a mudança de Ellen de uma pessoa relativamente boba, para uma pessoa amarga que não confia mais em nada ou ninguém. Uma cena ótima é quando está na terapia, falando com a terapeuta, e a câmera a pega de lado, e podemos ver seu braço e mão contraídos, demonstrando sua fúria, em um ângulo que só Wes enxerga, enquanto ela fala serenamente com a terapeuta. Além dela, Ted Danson também volta em excelente performance como o doente, mas ainda arrogante, Frobisher. Só não digo que ele rouba a cena, porquê ele só contracenou com o figurante que faz o enfermeiro dele.
O quê gosto quando vejo Damages é que as outras coisas que eu vinha vendo e gostando, de repente parecem ordinárias (não todas, obviamente). E é provável, que a partir de agora, eu vá medir as coisas com olhos diferentes. O quê não significa que a série será a melhor ou mais extraordinária, ou até mesmo a mais cativante das séries da temporada (eu ainda tenho grandes esperanças em LOST, e acho sinceramente que o saldo final das temporadas atuais de Criminal Minds e Sarah Connor serão altamente positivos), mas já considero vital ter Damages na minha lista de séries.

A propósito, uma curiosidade: fui surpreendida no dia seguinte a estréia de Damages ao abrir meu twitter e descobrir que eu estava sendo seguida por ninguém menos que Patty Hewes e Ellen Parsons. As duas simplesmente postam algumas notinhas referentes ao episódio que já foi ao ar nos States, o quê não é bom para quem demora para ver, ou espera a AXN, mas quem acompanha direitinho e curte a série pode achar interessante adicioná-las e segui-las. Um post mais antigo de Patty diz: Did I ever tell you how I choose a case? Starts with a seed of anger. That seed has to be cultivated until it grows into a full-blown rage.” e as duas mais recentes de Ellen, são sobre coisas que nós mesmo poderíamos deduzir do episódio Seeing Frobisher in the hospital didn’t dim my resolve for revenge. But a gun isn’t the answer. Have to build a case against him. And Patty” e If @PattyHewes thinks I’ll be mollified by a story about how I’m like the daughter she never had, she’s way off her game. I’ll can use that.”


Categorias

Comentários

luiz augusto em The Day of the Triffids
karina em Much I Do About Nothing…
andreia em Eles estão voltando…

Blog Stats

  • 175,323 hits

Todas as atualizações do seu blog favorito

Me Adicione no Technorati

Add to Technorati Favorites