Séries Addict

Posts Tagged ‘Aaron Hotch

Depois de um comentário de um colega a quem eu apresentei Criminal Minds no Twitter, eu pela primeira vez assisti à série prestando atenção na trilha sonora. E é mesmo um trabalho estupendo no qual eu nunca tinha reparado antes. Aliás, eu estou sempre tão envolvida com os acontecimentos na minha frente, que muitas vezes eu esqueço de parar e apreciar as qualidades técnicas que fazem parte da identidade de Criminal Minds. A fotografia, a maquiagem, a direção de arte e a edição também são parte crucial do sucesso da série, e muitas vezes passam despercebidos. Em Cold Comfort todos esses elementos se apresentam como uma grande sinfonia, compondo um painel harmonioso e belo.
O roteiro, a parte técnica que recebe mais consideração e atenção, é o grande maestro. E um que eu aplaudiria de pé. Assim como Bloodline, sua estória trás várias camadas, vários assuntos, e eu poderia passar o resto da minha vida dissecando-os. O crime é o seqüestro e assassinato por embalsamamento de três mulheres, sendo que uma quarta ainda está viva no cativeiro e na corrida para salvá-la, a BAU precisa disputar espaço com um médium que acaba se tornando um pomo da discórdia.
Foi uma batalha entre ceticismo e fé, e os protagonistas e oponentes acabaram sendo Rossi e JJ. Cada um teve seus motivos e suas justificativas, e acho que cada um acertou de uma maneira ou outra, mas ao mesmo tempo ambos cometeram erros e se deixaram levar pelos seus lados emocionais.
JJ já está deixando seu lado materno falar mais alto. Apesar de ser uma evolução normal para uma personagem que acaba de dar a luz, eu concordo com Rossi que ela precisa acreditar no trabalho deles se quiser fazer o trabalho dela adequadamente. Se toda a fé dela não estiver na habilidade deles, as das pessoas a quem ela deve convencer, especialmente durante as coletivas de imprensa, também não estará.
E apesar de eu ficar do lado do Rossi em relação ao vidente, ele também pecou. Sua história trágica com outro vidente interferiu em sua maneira em lidar com as pessoas e ele passou o caso inteiro irritável e frustrado, respondendo de maneira rude aos comentários e situações que lhe desagradavam, e sendo um tanto quanto cruel com a mãe desesperada da vítima.
O episódio também fala de necrofilia. Eu acho que não é a primeira vez que Criminal Minds aborda o assunto, mas dessa vez eles usaram a mesma construção que em The Instincts. Antes de chegarem ao Unsub, eles encontram um criminoso similar e o interrogam, aprofundam um pouco o assunto e mostram que dentro de uma mesma doença existem vários criminosos que agem de maneiras distintas.
E a estória da família Gless e do assassino, Roderick, foi muito bem montada. O trauma na infância, os pais ausentes. A mãe austera e distante, interpretada por Cybill Shepherd é substituída pela figura da babá, que morta, se torna a obsessão do garoto pelo resto da vida. O pai culpado financia sem saber as condições para o filho manter as mulheres em cativeiro e embalsamá-las. E a vítima, Brooke Lombardini, ao final de seu cárcere dá sinais de não se lembrar do próprio nome, um sinal de quê apesar de salvá-la, a BAU pode ter chegado um pouco tarde demais. Tarde o suficiente para a lavagem cerebral de Roderick funcionar e Brooke se convencer que é na verdade Abigail. Pena que foi tudo muito rápido e sutil, já que eu acho que eles nunca exploraram a questão do surgimento de personalidades dissociativas em uma vítima devido ao trauma.
Para mim, Cold Comfort é um dos três melhores episódios dessa temporada, superando o anterior Bloodline (que ainda assim não deixa de ser genial). Mas essa quarta temporada está atingindo um grau tão alto de excelência, que eu sei que é provável que essa minha lista dos três melhores ainda mude muito até seu final. E que uma lista de dez melhores ou até mesmo doze melhores acabe sendo totalmente composta de episódios memoráveis.

Anúncios

Em certa altura de Bloodline, um dos UNSUBS, no exato momento em que é preso por Morgan, relembra como na antigüidade os guerreiros invadiam cidades, matavam homens, mulheres e meninos, mas ficavam com as garotas. Na época, era uma tática de sobrevivência que permitia que aqueles homens perpetuassem suas linhagens de alguma maneira.
Bloodline aborda um crime de essência semelhante. Aqui a questão já não é mais a sobrevivência, mas a tradição. Porém, o quê somos nós enquanto sociedade se não ritualistas? Nós todos acreditamos que nós entendemos como funciona o mundo e que passamos para frente os mecanismos que consideramos essenciais a nossa existência. Por isso, Bloodline não é somente sobre um crime. É sobre uma sociedade atacando o modo de vida da outra; sobre uma sociedade se defendendo da outra. É sobre a segurança que todo ser humano procura, e que geralmente encontra naquilo que é comum a seus semelhantes. Bloodline é um daqueles episódios que me faz questionar e refletir. Mesmo que sua abordagem não seja macro, mas feita através do olhar dos agentes da BAU que voam para o Alabama para encontrar uma garotinha de 10 anos, raptada oito horas antes.
Os responsáveis, uma família cujo filho tem idade semelhante a da menina raptada e cuja mãe também havia sido raptada, como a menina, muitos anos antes e transformada em esposa e mãe. O roteiro é simplesmente brilhante. Para aquele grupo de pessoas, aquela micro-sociedade, levar sua existência tal como eles aprenderam e acreditam ser sagrado, eles atacam o nosso modo de vida, roubando meninas da nossa sociedade e transformando-as neles. Nós nos defendemos e ao mesmo tempo, contra atacamos, os punindo por fazerem aquilo que na nossa sociedade é contra-lei. E como defesa, eles se fecham em silêncio e protegem seus “irmãos”. Em essência, é um guerra de costumes.

O episódio também apresenta a questão da Síndrome de Estocolmo: adapte-se ou morra. Eu já acho que é uma questão mais complexa: fique isolado dentro de uma única maneira de pensar, tendo acesso a apenas um tipo de ideologia, e é difícil qualquer pessoa questionar qualquer coisa. E não é só algo que aconteça com pessoas em cativeiro. Na verdade é incrível como mesmo pessoas que tem contato com outros tipos de idéia, seja através de outras pessoas ou através dos meios de comunicação de massa, às vezes mantêm uma mesma maneira de pensar a vida toda, e não conseguem entender outros pontos de vista de maneira alguma.
O crime afeta Todd desde o começo e já nos primeiros minutos eu percebi que ela teria outra das crises dela. É fato que a personagem foi posta ali para nos mostrar o quanto o trabalho na BAU é difícil. No final, quando ela diz a Hotch que espera que ele dê o devido valor a JJ, eu meio que senti como se fosse uma mensagem dos produtores para nós telespectadores. E mesmo que não seja, é algo que aconteceu comigo. Eu nunca dei nada por JJ, mas senti falta dela e fico feliz que ela estará de volta já no próximo episódio. Infelizmente Jordan me pareceu emocional demais e competente de menos. E eu nunca cheguei a gostar da Meta Golding, o quê significa que a partida dela não tem nenhum efeito em mim.

Outra constatação que Jordan faz (e que é muito óbvia, porquê é algo que qualquer fã da série consegue dizer) é que o time da BAU é uma família, e que uma família acaba incorporando os traços mais marcantes de seu líder. Foi impressão minha ou isso soou como uma acusação partindo de Todd de que o resto do time esconde suas emoções porquê Hotch o faz? Eles são super controlados sim, e como Rossi aponta bem, eles se escondem atrás da linguagem para não deixar os casos os atingirem de maneira muito dura, mas como Morgan responde de maneira perfeita, é a maneira que eles tem de se manterem objetivos e consequentemente, eficientes.
E o fato de eles serem frios e centrados não os torna menos humanos. Aliás, frieza e objetividade não faz de ninguém menos humano, da mesma maneira que excesso de emoção não torna a pessoa fraca (mas em alguns casos, a torna irritante para pessoas que não compartilham seu modo de se comportar, o quê eu sorrateiramente deixo como justificativa da minha completa desconsideração para com Jordan Todd). E Morgan, Reid, Prentiss, Rossi e até mesmo Hotch não são imunes ao sofrimento alheio em momento nenhum.
Pelo contrário. Nesse episódio, Hotch rapidamente empatizou com o pai ausente da primeira vítima de seqüestro, Cate Hale. E Thomas Gibson esteve absolutamente sensacional durante os quarenta e tantos minutos de projeção, mas alguns de seus melhores momentos são com o pai de Cate, especialmente quando ele lhe confidencia sobre não saber se seu filho Jack teria gostado de um presente de Natal dado por um de seus colegas (e meu curioso cérebro na hora começou a pensar sobre quem poderia ser o tal “colega” e como boa shipper que sou, eu espero que tenha sido Emily).


A cena só não superou a rotina tira bom/tira mau que ele faz com Prentiss para tentar abalar a seqüestradora/seqüestrada Kathy Gray. E Emily é perfeita para o papel de boazinha, porquê novamente ela é quem consegue lidar melhor e de maneira mais doce e calorosa com as vítimas. Prova disso é a fantástica cena da entrevista cognitiva em que ela interroga Cate. Paget Brewster e Adair Tishler (a Molly de Heroes) estão fantásticas, e tornam uma cena que já era bem feita em algo extraordinário.
Além deles, tem sempre Garcia e suas ótimas tiradas cômicas, que fazem tudo aquilo não parecer tão horrível pelos poucos segundinhos que ela fica na tela. E Kirsten Vangsness sempre merece menção por seu ótimo trabalho sobre um texto que é tão geek que não pode ser fácil de transpor para a tela da maneira engraçada e adorável que ela faz. Mas no geral, tirando Meta Golding, todo o elenco estava absolutamente afiado, incluindo os atores convidados Cynthia Gibb e Andrew Divoff (que coincidentemente interpreta o mais novo nêmesis de Horatio Caine em CSI Miami). O quê tornou a experiência de assistir Bloodline ainda mais gratificante.

A minha espera pela volta de Criminal Minds foi tão grande, que eu acho que estava mais ansiosa pelo retorno da série policial do quê pelas estréias das temporadas de Lost e Damages. Eu estava morrendo por um pouquinho do time de profilers, de Quantico, das frases hilárias da Garcia, da genialidade do Reid, do charme e a determinação de Morgan, da serenidade e sabedoria do Rossi e da perspicácia e segurança de Prentiss e Hotch.
Porém Soul Mates não nos leva a território familiar. Ele tira o confortável de debaixo de nós como se puxasse um tapete, e utiliza-se, novamente, de uma estrutura narrativa diferenciada. Ao invés de acompanharmos a equipe recebendo debriefing do caso em Quantico, o avaliando, fazendo o brainstorming no jato e começando a traçar o perfil e procurar por suspeitos, já começamos com a prisão de um suspeito. Uma prisão que é um tanto precipitada, considerando que não há muitas evidências, e com isso eles tem pouco tempo para quebrar William Harris.
Sim, a partir daí a maneira de conduzir a trama lembra muito Masterpiece. Só que é muito melhor que o episódio com Jason Alexander (que a cada vez que eu reviso na minha cabeça, só me parece pior, mas eu ainda vou vê-lo de novo para reavaliar). Todavia, parece que depois de 52 Pickup, o nível caiu de brilhante para apenas muito bom. Soul Mates é ótimo, mas ainda não me empolgou como o começo dessa temporada. É claro que se eu vejo um episódio ótimo, que fica acima de vários outros episódios de outras séries, e ainda assim acho que está abaixo da média da temporada, isso mostra o quanto a qualidade está alta. E com o nível tão alto, não tem como a expectativa não ficar alta demais também.
William Harris é um ótimo personagem. Ele é tudo aquilo que Prof. Rothchild não conseguiu ser. Arrogante, seguro, educado, insensível. E em um caso raro, seu parceiro, Steven Baleman, também o é. Dois sujeitos dominadores, em uma parceria extremamente forte, mas que é abalada assim que a BAU começa a plantar evidências de traição, e a fé de Baleman na lealdade de seu parceiro balança.
O roteiro trouxe um caso extremamente coeso, com um profile interessante e um trabalho de equipe afiado. O time é dividido: Rossi e Morgan entrevistando e tentando manipular o suspeito (com destaque para Morgan, que se mostra cada vez melhor em coagir os UNSUBs), Reid fazendo análise lingüística de um Live Journal que ambos os suspeitos mantinham para se comunicar (e se em Angel Maker tivemos o “He’s so life-like!” da Prentiss, aqui tivemos Rossi dizendo ao detetive responsável que o gênio “Foi deixado em uma cesta na porta do FBI” quando perguntado sobre onde eles encontraram Spencer), Garcia como sempre conseguindo as informações necessárias direto de seu bunker, e Hotch e Prentiss falando com a família e demais pessoas de interesse (e como eu sou shipper dos dois, adorei vê-los grudados o tempo todo durante a investigação).

Prentiss continua ganhando destaque. Ela é uma quase Hotch, e nessa temporada está assumindo bastante uma posição de liderança, mas ela é quase tão calorosa e se relaciona tão bem com as pessoas quanto JJ (e para quem nunca deu nada pela loura como eu, é duro admitir, mas ela faz muita falta, especialmente porquê Todd não convence, e mesmo que conseguisse convencer, ela mal apareceu). O elenco todo faz um trabalho notável, mas Paget Brewster é a estrela dessa quarta temporada. A expressividade dela é tão grande, que me deixa triste saber que por causa da natureza da série sua composição não será tão reconhecida como merece. E além dela, Matthew Gray Gubler, continuando a ser espetacular, também se sobressai.
O diretor John Gallagher (No Way Out, Seven Seconds) também soube conduzir muito bem o material que tinha em mãos. Eu fiquei extremamente tensa no momento do climax, o final, quando Steven rapta Andrea, a filha de William, mas ainda assim o suspeito se recusa a assumir a culpa pelos crimes e dar o paradeiro do parceiro para que a BAU possa resgatar sua única filha das mãos de um estuprador em série e assassino. Mas enfim a BAU consegue o suficiente para prender os dois. E eu mal posso esperar pelo próximo.

Esse texto contém Spoilers para quem não está acompanhando a série de acordo com a exibição americana.

Brothers in Arms falou de um serial killer que estava focando-se em policiais, deixando toda a população apavorada. Mesmo assim, a presença da BAU não foi bem-vinda. O perfil do suspeito era até bom, o episódio foi todo bem feitinho e Derek fez bonito mostrando que entendia os policiais e se importava, mas eu passei o episódio inteiro me perguntando, CM já não teve um episódio exatamente assim antes? Eu vejo tantas séries, que nem sempre minha memória é confiável, mas eu tenho quase certeza que sim.
O último episódio do ano, Normal, apelou para uma maneira diferente de filmar e editar. Nós conhecemos o suspeito o tempo todo, conhecemos sua família. Eu senti pena dele, vendo como ele era tratado pela esposa e filhas (que pode ser também parte da ilusão dele), vendo como ele perdeu a filha caçula e sabendo que ele estava apenas surtado. Foi um episódio em que nós tivemos uma ampla oportunidade de simpatizar com o criminoso. Já tiveram assim antes, mas eu acho que deu para se deixar levar mesmo assim. Mas tive algumas implicâncias com esse episódio.
Achei que houveram muitos erros óbvios. Eles tentaram fazer uma trama que nos enganasse e se enrolaram. Como o cara matou três pessoas com uma arma barulhenta daquela e nenhum dos vizinhos ouviu nada? As filhas nem acordam quando ele atira na mãe primeiro, e eles estão todos dentro da mesma casa. E a mulher que é sua primeira vítima olha diretamente para ele e não consegue mencionar para polícia que ele é careca e usa óculos? Eu entendi que ela nem prestou atenção nele, porquê o achou insignificante, mas são traços diferenciais, difíceis de não notar ou lembrar.
E também tenho que comentar sobre a substituta de JJ, Agente Todd. Eu não sou grande fã de JJ, porquê acho ela a mais sem personalidade do grupo (e realmente não consigo apontar se a culpa é do roteiro ou da atriz, mas a essa altura acho que é dos dois). Mas Meta Golding consegue ser ainda pior. Primeiro que eu não consigo comprar o relacionamento dela com o Derek, porquê de jeito nenhum Golding e Moore tem química juntos. Segundo, porquê nós sabemos que um novo membro da equipe será diferente, e nós já vimos Prentiss e Rossi passarem por esse processo, mas nunca a maneira de fazer as coisas de um novato me irritaram tanto. A mentira no nono episódio nem foi tão ruim, mas perder a cabeça e agir como amadora nesse episódio, sim. Como assim ela foi gritar com Hotch no meio da rua só porquê o criminoso tinha matado de novo por causa da coletiva para a imprensa? Não me convenceu.
Todavia, para fechar o ano com chave de ouro, os produtores trouxeram A.J. Cook de volta, com o bebê de JJ fazendo uma visita a sombria BAU. Realmente, com tudo o quê se vê naquela sala, é bom eles terem um memória feliz. E foi uma cena perfeita. Se até Hotch sorriu, como eu poderia resistir? Derek com o bebê no colo brincando, Prentiss e Garcia fazendo piada dele, Reid com aquela carinha de encantado. Dá quase para querer ser essa criança, afinal, ele vai ter alguns dos “tios” mais legais do mundo televisivo. Eu mal posso esperar pelo resto dessa temporada.

Esse texto contém Spoilers para quem não está acompanhando a série de acordo com a exibição americana.

Chegamos a The Insticsts e Memoriam, que são dois episódios especiais com uma trama focada completamente em Reid. O mais jovem do time está sendo atormentado por sonhos que no começo parecem estar relacionados ao caso, em que um menino de seis anos é seqüestrado e morto e eles tem que encontrar um segundo menino, que acaba de ser raptado. Mas com o tempo fica aparente que podem ser memórias reprimidas de sua infância. O caso é resolvido, mas Reid continua perturbado. Ele dorme com a mãe e seus companheiros ficam em Vegas também (e jantam juntos, em uma cena super descontraída e cheia de camaradagem que eu adorei). Mais um sonho, e agora Reid tem certeza de que seu pai teve alguma coisa a ver com o assassinato de Riley Jenkins, um menino de seis anos estuprado e esfaqueado na época em que ele era uma criança.
Assim, no começo de Memoriam ele avisa a todos que ficará para trás e os dispensa. Mas Derek sabe o porquê Reid realmente quer permanecer em Vegas, e ele e Rossi ficam também para ajudarem o amigo em suas investigações. Esse episódio é uma viagem ao passado de Reid, e nós ficamos sabendo muita coisa de sua família. Eu amei todo ele, adorei cada cena que a mãe de Reid teve (Jane Lynch é perfeita) e achei que Gubler teve uma ótima interpretação (acima do ótimo de sempre, desculpem-me, mas estou ficando sem elogios positivos).
E para completar esse episódio, tivemos JJ entrando em trabalho de parto. Nem sou tão fã da personagem, mas foi muito doce ver todos da equipe correndo com ela para o hospital, e deixando sua substituta, a mais sem graça ainda Jordan Todd, cuidando da casa. E ela ainda escolheu Garcia e Reid como padrinhos!! A cena final, com Reid segurando seu afilhado, foi o cúmulo do adorável.


O oitavo episódio, Masterpiece, também é diferente. O Prof. Rothchild (Jason Alexander, com uma caracterização estranhíssima) procura por Rossi e Reid em uma seção de recrutamento e lhes diz que matou sete mulheres e que mais cinco pessoas morrerão, a não ser que a BAU descubra onde estão. Esse foi um episódio que me decepcionou um pouco. Tive a impressão de que tudo acabou rápido demais e no final a trama de vingança de Rothchild contra Rossi ficou parecendo meio boba (apesar de eu ter literalmente perdido o fôlego por um segundo quando ficou claro que o criminoso tinha armado uma armadilha para a equipe). Quando acabou, eu me perguntei: “mas é só isso”? Não foi a Masterpiece (obra-prima) do título.
Então temos 52 Pickup para deixar minha decepção completamente para trás. Eu nunca ri e provavelmente nunca mais rirei tanto com um episódio de Criminal Minds. O suspeito do episódio em questão está pegando sus vítimas em boates, abrindo suas barrigas e fazendo com que limpem seu sangue antes de matá-las cortando sua garganta. A equipe voa para Atlanta e decide que tem que fazer dois profiles, pois antes o suspeito vitimava prostitutas, o quê quer dizer que ele mudou completamente seu M.O. E o quê ajudou a mudar foi um curso sobre como “pegar” mulheres em boates.
E então entra cena uma das figuras mais bizarras a aparecerem em CM, Viper, o professor do curso. Não bastasse ele ser misógino e cretino, ele tem a coragem de dizer a Prentiss: “Encontre-me em meu território e as coisas que eu poderia obrigá-la a fazer…”. Seriously? Como se não bastasse, Prentiss é mandada para uma boate, para investigar Viper e no meio tempo, se submeter as péssimas cantadas dele. Os momentos que esse encontro rendeu ainda conseguem me arrancar uma risada quando eu relembro. As expressões de Brewster foram simplesmente impagáveis.
Hotch ainda se desculpa por faze-la passar por isso, mas ela diz que não se importa, porquê já namorou caras bem piores do que o cafajeste profissional. Acontece que isso somado a cena da surra lá no terceiro episódio tem feito os fãs acharem que o segredo de Prentiss (os produtores disseram que ela tem um segredo que será revelado em breve) está relacionado a algum tipo de violência contra ela. Será? Eu só sei que amo cada vez mais a personagem (que já é minha favorita junto com Derek e Reid, porquê eu sou indecisa e me recuso a escolher entre os três) e ficarei feliz com qualquer coisa que derem para Paget trabalhar.
Ainda mais engraçado que Prentiss toda arrumada em uma boate aturando aquele palhaço do Viper tentando convencê-la de que ele era o presente de Deus para as mulheres, foi Derek e Reid também em uma casa noturna, distribuindo o retrato falado do suspeito. O quê foi o Reid dizendo que não sabe como as casas noturnas não atraem mais serial killers, considerando “o abuso do álcool, as incontáveis oportunidades para o uso de drogas de estupro e a conduta de alto risco” para um monte de garotas na boate? Melhor ainda foi ele seguindo as dicas de Derek e deixando a bartender completamente interessada nele (e ela é super bonita, e combina muito com ele). Tomara que eles namorem.

CSI:Miami – 7×01 – Ressurection (MVP: Emily Procter)
Exibição: 22/9/2008

Alguém realmente esperou que Horatio fosse morrer? Não, não é dessa vez que nos vimos livres das frases de efeito e das pausas dramáticas, que em conjunto com um roteiro que insiste em fazer de Caine uma espécie de super-herói, tornou o protagonista dessa franquia de CSI em caricatura. Para piorar, juntando as pistas da finale com a primeira cena da premiere, eu precisei de meros dois segundos para entender que Horatio e Ryan Wolfe tinham, juntos, armado tudo. Pelo menos os roteiristas entregaram tudo aos 14 minutos (não que tenha sido pouco), ao invés de tentar fazer alguma revelação de última hora.

É claro que entregar a “ressurreição” de Horatio tinha um propósito, afinal, como o maior justiceiro do Miami poderia ficar escondido enquanto uma trama burlesca para derrubar seu arqui-rival Ron Saris e o traficante Juan Ortega se desenrolava? É claro que no final tudo acabou bem. Bom, quase tudo, porquê o corpo de Saris desapareceu depois de uma massiva explosão. Parece que o vilão é tão invencível quanto Horatio. Será que os dois são algum tipo de mutação genética? Honestamente, acho que eles teriam lugar cativo em Heroes.

Para completar, o desaparecido namorado de Calleigh, Jake Berkeley volta a dar as caras e nós descobrimos que ele tinha voltado a trabalhar disfarçado, explicando o porquê de ter estado completamente ausente da série desde o episódio nove. Mas ele só voltou para colocar um ponto final na relação, que parece ter acabado de vez, o quê possivelmente deixa o caminho aberto para Eric.

O episódio foi previsível e emaranhou tantas tramas que até me deu dor de cabeça. Apesar de eu já assistir CSI:Miami esperando o trash, um pouco de criatividade nunca faz mal. Menos maquiagem e melhores atuações também, mas aí já esperar de mais.

Criminal Minds – 4×01 – Mayhem (MVP: Thomas Gibson e Shemar Moore)
Exibição: 24/9/2008

Quem morreu na explosão da van? A resposta é Kate Joyner. Eu não esperava que um integrante principal da equipe fosse morrer e que alguém tenha de fato morrido foi até corajoso (apesar de eles terem feito de tudo, na finale, para que antipatizássemos com a agente sósia da ex-mulher do Hotch), mas que fica um gostinho de artifício barato fica. Porém, isso é televisão, e a não ser que você esteja em CSI, tenta-se manter o elenco principal intacto ao máximo de suas possibilidades e Criminal Minds já perdeu dois de seus integrantes originais.

Ainda assim, o episódio Mayhem é um verdadeiro primor, contribuindo para o patamar cada vez mais alto que a série atinge em qualidade. Quem dera os filmes de ação do cinema conseguissem injetar em mim um quarto da tensão que esse episódio conseguiu. É claro que há muitas diferenças entre TV e cinema e o fato de eu acompanhar esses personagens há anos ajuda em minha empatia imediata, mas a verdade é que o roteiro é extremamente inteligente, a direção prima pelo realismo, a edição cria um ritmo angustiante e as atuações são extremamente convincentes, elementos que andam em falta em Hollywood (talvez eu esteja vendo os filmes errados. Aceito sugestões). Redondinha e emocionante do jeito que está, Criminal Minds tem tudo para ser a melhor série policial da temporada (e umas das melhores no geral).

Texto originalmente publicado no TeleSéries.


Categorias

Comentários

luiz augusto em The Day of the Triffids
karina em Much I Do About Nothing…
andreia em Eles estão voltando…

Blog Stats

  • 175,259 hits

Todas as atualizações do seu blog favorito

Me Adicione no Technorati

Add to Technorati Favorites