Séries Addict

Posts Tagged ‘Season Finale

Quando a segunda temporada de Damages estreou, eu tinha grandes expectativas que foram correspondidas. Com o passar do tempo, as coisas esfriaram, o ritmo tornou-se devagar e as tramas deixaram a desejar; porém, nessa reta final a série se recuperou e entregou uma finale que se não é isenta de erros, pelo menos amarra todas as pontas.

A personagem Patty Hewes seguiu sua evolução, mas manteve sua coerência. Se desde a premiere nos apontaram que ela sentia culpa, era de se imaginar que ela tentaria expiar seus sentimentos via confissão. E o resto: a armação, trazer o Tom de volta, ficar sentada sob a mira de uma arma tentando resolver as coisas com Ellen enquanto sangrava por causa do esfaqueamento, expulsar Michael de casa e ainda conseguir as prisões de Dave Pell e Walter Kendrick é Patty Hewes em seu melhor jogo. É o quê eu desejo ver quando procuro a série e é o quê me satisfaz. É o quê, aliado a mais uma performance fantástica de Glenn Close, tornou essa finale um episódio delicioso de se assistir.

Porquê nem fazendo Patty de refém Ellen me empolgou. E depois ela simplesmente deixou o quê a Patty fez de lado só porquê a chefe confessou. Eu preferia que ela fosse presa, mas como poderia ocorrer uma terceira temporada com essa situação? Da mesma maneira, é óbvio que ela retornará a firma de Patty. Acho que a minha maior dúvida com esse final é quem retornará junto com ela? Claire, Purcell, Phil, Katie e Frobisher parecem ter esgotado seus usos para a série. Mas eu realmente gostaria de ver pelo menos Gay Harden de novo. E apesar de não ter sido a melhor temporada ou o melhor season finale que já vi, Damages ainda fez o suficiente para que eu continue uma fã fiel, que aguarda desde já seu terceiro ano.

Texto publicado previamente no site TeleSéries.

Anúncios

Alguém mais está completamente em choque? Eu realmente achei que Nancy fosse fugir, especialmente depois daquela ameaça de Roy Till, mas quando Nancy tem uma carta na manga, é um coringa. Será que ela está mesmo grávida? Se sim, seria uma senhora coincidência e mais uma prova de que o destino gosta muito dela. Se não, está aí uma prova de que ela é muito, muito mais esperta que eu pensei. Duvido que Esteban continue decidido a matá-la, agora que ele sabe que ela está esperando um filho dele. Por outro lado, o perigo que ela corre por parte de Roy Till. Quando ele descobrir que Nancy é a mulher do chefe, e ainda por cima grávida, as coisas não vão ficar boas para o lado dela.


Que também entrou em mais uma fria de cabeça, e não é, nem de longe, tão astuta quanto Nancy foi Celia. Sua filha Quinn além de não perdoá-la, ainda a seqüestrou para arranjar dinheiro. Bom, o motivo de Celia tê-la mandado embora em primeiro lugar era que ela nunca fora “flor que se cheire”. Agora, eu fiquei perdida na tradução, ou o Dean disse que Quinn estava no Marrocos, mas Celia a encontrou no México?
A trama do Doug continua chata, apesar de que eu tenho esperanças de que ele voltará a ser ele mesmo na próxima temporada e sou só eu que não tenho o mínimo interesse em Shane e aquela chatice de adolescente rebelde? Já chega o Silas. E agora o pobre Andy descobriu que ama Nancy. Um pouquinho tarde demais, não? Mas talvez isso sirva para que na os dois voltem a contracenar bastante.
Um dos pontos altos da série sempre foi o relacionamento bizarro dos Botwin e nessa temporada, concordando plenamente com Silas, Nancy tornou-se completamente ausente. Desde que ela começou a namorar Esteban, é como se todos os núcleos tivessem se separado e a série perdeu seu senso de unidade.
Concordo com o quê alguns disseram sobre os pecados de roteiro que a série teve nessa quarta temporada, depois de um começo ótimo e apesar do final igualmente excelente, mas em momento nenhum Weeds chegou a sair da minha lista de comédias preferidas e depois desse final, eu vou ficar esperando ansiosamente por seu retorno.

Essa finale de LOST foi bem diferente das anteriores. Enquanto as primeiras apostavam em surpresas, em deixar questões abertas, no bom e velho WTF que nos deixava tontos por uma semana, esse fim de quarta temporada esteve preocupado com o humano, com as pessoas. É claro que todas as peças foram amarradas, de maneira mais que satisfatória devo dizer. E ficaram várias perguntas para os próximos dois anos. Mas acho que muito mais relevante foi que a jornada de cada uma daquelas pessoas atingiu pontos que eles não esperavam. E vê-los adaptar-se ao novo que se impunha de maneira voraz foi emocionante, mas é ingênuidade não considerar que vimos só a ponta do Iceberg.
Alguns saíram da Ilha e viram que não havia nada no mundo lá fora. Alguns ficaram, com a triste impressão de que todos os outros morreram. De qualquer forma, toda a tentativa de fuga foi desastrosa, trágica. E se a frieza dos Oceanic 6 em manter aquela mentira me deu arrepios durante essa temporada, eu até os perdôo agora. Ainda assim, acho merecido que suas vidas tenham sido bagunçadas pela chegada de Jeremy Bentham.
Eu fiquei um pouco surpresa com a resposta. Especular é fácil, mas depois de uma hora e vinte de exibição, imaginar que John Locke era o homem no caixão não fazia mais o mínimo sentido. John, o escolhido, ficou na Ilha enquanto Ben saiu para mover a Ilha; tornou-se líder os Outros. Mas mais importante, foi ele quem pediu a Jack para mentir, para proteger a Ilha. De repente, ele está lá fora, morto. A Ilha não deixa Jack morrer mas o escolhido de Jacob sim? Um pouco difícil de engolir. Aposto que se ele estiver realmente morto, no momento em que eles pisarem na Ilha ele vai virar uma espécie de Christian Sheppard, morto/vivo/entidade/sei-lá-o-quê. Seja lá o quê aconteceu na Ilha, deve ter sido realmente terrível para que John tenha se arriscado a sair de sua Terra de Sonhos.
De certa forma, tanto ele quanto Ben, as duas pessoas mais apegadas à Ilha mais devotas de suas maravilhas, foram os mais magnânimos. Saíram dela, em sacríficio, para preservá-la. Lutaram por ela, fizeram de tudo, enquanto Jack e Kate, os supostos protagonistas da trama, tinham um frenesi egoísta, brincaram de casinha e tudo, e a Sardenta parece mesmo não ter acordado para o fato de quê não importa o quanto ela queria proteger Aaron e viver uma vida bonitinha, há coisas demais em jogo. Há sim, um lugar de milagres. Mas também há vidas.
De todas as cenas emocionantes desse episódio, a mais tocante foi Ben virando a roda para mover a Ilha. Ela é sua casa (como diz o próprio título), seu lar. Mas ele, com muita tristeza, fez o que achou que Jacob queria e de certa maneira foi banido, indo parar no deserto no futuro (Quando saiu da Ilha, era começo do ano de 2005. Ele chegou a Tunísia em Outubro). Desmond reencontrou seu lar nos braços de Penny, numa cena linda. Mas agora que estão juntos, qual vai a ser a trama dos dois? Ajudar os demais Oceanic 6?
Já Juliet e Sawyer (dando uma de Jack-super herói), tentaram salvar as vidas dos demais, e acabaram presos na Ilha, juntos. É claro que eu estou feliz que dois dos meus personagens favoritos não morreram e sem Jack e Kate para arrastá-lo para o fundo do poço com todas aquelas estórias de amor não resolvido irritantes, talvez eles possam voltar kicking ass como os líderes do acampamento da praia. Honestamente, eu não queria vê-los se fundindo com os Outros. Mas mesmo sob nova liderança, será que eles vão deixar os Losties em paz? Ou haverão mais seqüestros e mais guerra?
Jin eu acho que morreu mesmo, mas ficam ainda várias perguntas: Quem é Charlotte e como ela saiu da Ilha da primeira vez? Será que ela foi concebida lá e essa será a chave para que a Doutora Burke resolva o caso das grávidas, fazendo com que o povo possa se reproduzir e povoar a Ilha livremente? O que aconteceu com a segunda Ilha, Alcatraz? E não diziam que havia uma terceira (tinha até um mapa)? Quando o helicóptero subiu já não dava para ver as Ilhas adicionais. O quê aconteceu com Claire? Porquê ela (se é que era ela mesmo) não quer Aaron de volta na Ilha? O quê aconteceu com Dan? E porquê diabos ele não estava disposto a voltar pelo resto?
Estou ansiosa para ver minhas pessoas favoritas de volta em Janeiro. Principalmente, estou ansiosa para ver o quê vai ser de Juliet, Sawyer, Miles e Charlotte (grupinho interessante), para ver como John vai fazer sua jornada até o ponto em que se encontra no final desse episódio e como Benjamin vai guiar o incompetente mentiroso do Jack de volta para o lugar de onde ele nunca deveria ter saído.

Shonda Rimes é muito inteligente. Ela ás vezes comete burradas colossais, e deixa Grey’s descambar para o melodramático de uma maneira quase fisicamente dolorosa de assistir, mas quando ela acerta, ela acerta mesmo. E um dos maiores acertos de Shonda foi introduzir a terapeuta à trama. Meredith tinha chegado ao cúmulo de ser tão complexa, que ninguém conseguia entendê-la. E o comportamento dela ficava parecendo infantil e chato. Dar uma justificativa para esse comportamento e um motivo para sua protagonista seguir em frente foi a melhor coisa que Shonda já fez.
Outra coisa boa que Shonda fez foi desistir de fazer a Yang deprimida, porquê simplesmente não combina. Ela ter ficado mal no dia que soube do Burke tudo bem, mas eu achei honestamente que depois daquele discurso ela se levantaria no dia seguinte decidida a lutar. Demorou, e precisou que a Meredith emprestasse o Pager Brilhante pra ela, mas Yang mostrou a que veio. E descobrir através da Lexie que ainda por cima ela é dislexia só mostra que apesar de todos os dramas de Izzie, George e Meredith, a guerreira da equipe é mesmo ela. Fez muito bem vê-la colocar Hahn em seu lugar, porquê eu ela não é nenhuma residente bobinha. Ela fazia as cirurgias do Burke! Ela vendo que não quer se tornar como a Hahn e decidindo ensinar Lexie também foi um ótimo amadurecimento da personagem, apesar de que entendia o lado dela. A presença de Lexie no hospital deixava Meredith, sua melhor amiga, infeliz. E não importa o quanto a Yang seja diferente das demais garotas, ela ainda é uma em essência, e garotas sempre protegem suas melhores amigas.
Lexie por sua vez deixou de ser tão irritante e tão obcecada pela irmã que não quer nem saber dela. Tá, que teve aquele discursinho ridículo de “Eu te amo mesmo que você me odeie”, mas pelo menos ela não está se comportando mais como um cachorrinho carente, que era exatamente o que o Derek costumava fazer (a cara dele diz tudo…), e que afastava a médica ainda mais.
A trama de Karev e Rebecca teve um fim comovente. Eu senti muito por ele, por tudo que ele que teve que passar por se sentir responsável por ela. E senti muito por ela, por acabar daquele jeito, internada em uma clínica psiquiátrica e completamente sozinha. Mas do jeito que estava os dois realmente não podiam ficar. A Izzie voltou a ser ela mesma. Eu tenho minhas dúvidas se ligar para o Alex de hora em hora era a maneira certa de tentar ajudar, mas a sua decisão final de internar Rebecca foi certa. Ela fez o que deveria como médica. Da última vez que ela pensou com o coração ao invés de como médica tudo deu errado. Denny morreu e ela quase definhou no chão do banheiro. E aí houveram todas as burradas subseqüentes.
As demais tramas foram boas, mas nada que eu queira muito comentar. Callie finalmente ficou com Hahn, Bailey finalmente delegou algum trabalho para poder ficar com a família, o Chefe finalmente conseguiu ser aceito de volta pela esposa, George finalmente conseguiu a chance de refazer o teste para se tornar residente. Agora que muitos problemas foram tirados de campo e algumas coisa interessantes foram introduzidas, vamos ver como ficará a vida no Seattle Grace.

Criminal Minds Finale

É incrível como Criminal Minds consegue superar-se a cada temporada. Eles mantém sua fórmula, mas a melhoram e exploram possibilidades dentro dela. Uma coisa que eu não gostava muito era que os criminosos sempre terminavam fazendo exatamente o quê os Profilers da BAU previam que fariam. E nessa terceira temporada fugiu-se um pouco disso. Apesar de serem exímios observadores do comportamento humano, os Profilers não são adivinhadores e foi bom vendo-os serem surpreendidos.
Com um caso especialmente complicado e várias momentos pessoais, Lo-Fi foi um dos melhores desse anos. Quando vários sujeitos parecem estar matando pessoas aleatoriamente em Nova York, a equipe é convocada para ajudar a Agente Kate Joyner (que para a surpresa de todos é igualzinha à ex-esposa de Hotch). O medo de todos é que se os assassinatos forem mesmo aleatórios, qualquer um pode ser uma vítima. Qualquer um deve temer ser uma vítima.
E seguindo essa lógica, o gancho para a próxima temporada vai deixar alguns fãs se matando de curiosidade. Uma bomba explode em um carro preto, logo depois que todos os membros do time entram em carros idênticos. Pode ser qualquer um. Quem será?
Garcia já foi atacada nessa temporada. Seria um pouco cruel se fosse ela novamente. JJ anuncia sua gravidez nesse episódio (mais cruel ainda). Emily ficou no meio de um tiroteio e saiu ilesa (enquanto o policial que estava com ela foi para o hospital) e Derek teve alguns problemas em lidar com a cadeia de comando depois de saber que Kate o estava tratando diferente por ser ele o mais cotado para tirar a vaga dela caso ela falhe. Os únicos que conseguiram não se meter em problemas (até agora) foram Hotch, Rossi e Reid. Então eu aposto em um deles.
Mas o melhor gancho é justamente quando eles conseguem chegar a uma conclusão sobre o caso. Uma célula terrorista. Como os agentes do FBI vão lidar com essa ameaça?

CSI Miami = Novela Mexicana. Period. Não estou reclamando, juro, mas que é, é. Até aqui a temporada já tinha tido tanto drama que às vezes eu pensava que estava assistindo uma fan fiction. Eu vejo as pessoas falando que seus guilty pleasures são Gossip Girl, Dirty Sexy Money, Desperate Housewives. Sinceramente, não mesmo. Não tem nada mais Guilty Pleasure do que CSI Miami!
Essa sexta temporada poderia ser chamada de “1000 maneiras de ferrar com Horatio e Calleigh”. CSI Miami sempre tem tragédias no nível pessoal, mas parece que eles estiveram determinados a bater nos personagens de Caruso e Procter.
Eu já listei todas as fatalidades que aconteceram com Calleigh aqui. Mas eu achei honestamente que eles deixariam ela em paz depois do episódio passado. Não deixaram. Enquanto analiza balas antigas em seu laboratório, Calleigh pára para atender o telefone. Uma das balas rola da mesa, cai no chão na vertical, estoura, o tiro pega na lâmpada, que explode, cai na mesa e incendia o laboratório da loira. Calleigh fica em choque, mas depois de mais uma cena romântica com Eric, volta ao seu normal. Os escritores poderiam me poupar e colocar os dois juntos de uma vez.
Já Horatio descobriu no começo da temporada que tinha um filho, Kyle. Esse filho estava envolvido em um assassinato e um seqüestro. Kyle foi o problema por um tempo, mas aí a ex de Horatio, Julia, apareceu para perturbá-lo. Foi preso, extraditado, matou vários, perdeu Alexx. Mas seu grande inimigo nessa temporada era mesmo Ron Saris e eu fiquei esperando as coisas se resolverem. E aí temos aquele final a la “Quem matou Odete Roitman?”. Se bem que duvido que Horatio tenha morrido. Aquele tiro foi só para ter gancho para a próxima temporada, o quê CSI Miami sabe fazer de melhor, aliás, são finales.
Going Ballistic, que já começou com um tiroteio em que a nova legista é baleada na cabeça (a coitada não ficou nem cinco minutos em cena!), terminou com uma daquelas seqüências que me fazem ter vergonha de dizer que gosto de CSI Miami (peço desculpas a quem achou legal). Horatio é baleado no aeroporto. Julia, que ele queria tirar do país, tinha saído de casa dizendo que resolveria algo. Kyle, que é um deliqüente e que estava chateado porquê seu pai estava tentando mandá-lo para longe, estava em posse de uma arma. Ron Saris, o arqui-rival, tem uma cena meio maluca em que beija uma caixa de balas. O cara que Horatio prende manda alguém matá-lo da cadeia, e diz que quer saber quando estiver feito. Mas quem recebe uma mensagem de “Está feito” é ninguém menos que Ryan!! Eu perdi alguns episódios de CSI Miami (minha paciência não permite que eu acompanhe tudo direitinho), então alguém me explica, o quê Ryan teria contra Horatio?!? Ou, se foi uma armação entre os dois, porquê diabos Horatio confiou em Ryan, ao invés de Eric, de quem ele parece gostar como um filho ou Calleigh, que é a sua protegida?
Se ele estiver envolvido mesmo, quando, como e quem vai descobrir? Como será que o time vai reagir? Estilo Caine (justiça com as próprias mãos)? Como Horatio vai reagir? Os chatos Ron, Julia e Kyle vão sair da série ou se tornar regulares? Eric e Calleigh vão ficar juntos? A bruxa vai sair do pé da Bullet Girl? Horatio vai parar de agir como o herói invencível e de dizer frases ridículas? Tão vendo porquê é The Ultimate Guilty Pleasure? Será que consigo resistir aos spoilers? Será?

Sabe último capítulo de novela? Um casamento, a vilã se dando mal, as tramas se fechando e os casais se acertando? Vendo a season finale de Gossip Girl eu tive a sensação de estar vendo um, com a diferença de que tiveram umas reviravoltas no final, porquê afinal de contas, tem a segunda temporada e eles tinham que tentar deixar um gancho. Fiquei ansiosa para ver o que vai acontecer? Não.
GG, como é chamada pelos íntimos, é uma série montanha-russa. Tantos altos e baixos, que eu fico até tonta. Começou ruim, ficou consideravelmente boa, algumas coisas incomodavam ainda, aí ficou excelente, decepcionou, e se afundou de vez. Isso é season finale que se preze? Até os figurinos estavam horríveis.
Minha trama preferida, a de Rufus e Lily, terminou de uma forma que não me agradou. Depois do beijo do episódio passado, os dois dormiram juntos. Mas Lily ia se casar mesmo assim. Ela foi se encontrar com Bart, que meio que a encurralou, demonstrando que sabia o quê ela andava fazendo. Ela prometeu desistir do Rufus por ele. Mesmo Rufus e Lily sendo um casal lindo, fofo, tudo de bom, Bart não é ruim e ele não faz um par ruim com Lily. Concordo plenamente com tudo o quê Chuck disse em seu discurso e mais. Os dois desistiram de muitas coisas para estarem juntos, eles tem um certo companheirismo que é até engraçado, Bart sendo tão sisudo e Lily tão cheia de pose. Podia ter acabado aí, a escolha dela seria completamente justificada, a própria Lily justificou. Tudo aquilo de Rufus descobrindo que Serena pediu a Lily para não ir embora com ele, indo atrás dela, tentando convencê-la a desistir, só para deixá-la ir, foi besteira. Uma grande enrolação só para causar um pouco de tensão naqueles que ainda não sabiam que Lily subiria ao altar, sim.
Dan e Serena terminaram. Aleluia. Os dois estavam chatos demais. Não vai fazer falta. Nate e Vanessa também terminaram. Aleluia de novo. Alguém mais sentia como aquilo simplesmente não era para ser? Os dois não tinham química!
Blair e Chuck voltaram e eu fiquei feliz da vida, e então no final, uma decepção. Os dois ficam juntos uma semana e já estão traindo? E o amor? Os dois são tão legais juntos, não agüento mais uma temporada deles sem contracenar. Então espero que os escritores tenham uma solução satisfatória. Dan parece que vai ficar com Vanessa (não é o cúmulo da chatice?) e Nate com Serena (talvez funcione, depende só dos escritores). Jenny ainda fez uma aparição relâmpago para ganhar uma traminha inútil que vai colocá-la contra Blair, de novo. Acho que não consigo ver a segunda temporada.
A única coisa boa foi Blair acabando com a alegria de Georgina, fazendo-a ser encontrada pelos pais e conseguindo com que fosse mandada para um reformatório. Apesar de que, até disso, eu esperava mais.
Alguém me dê um bom motivo para ver a Segunda temporada, por favor, porquê eu não estou conseguindo ver a luz no fim do túnel.


Categorias

Comentários

luiz augusto em The Day of the Triffids
karina em Much I Do About Nothing…
andreia em Eles estão voltando…

Blog Stats

  • 174,216 hits

Todas as atualizações do seu blog favorito

Me Adicione no Technorati

Add to Technorati Favorites