Séries Addict

Posts Tagged ‘Eva Longoria

Eu realmente preciso parar de assistir promos. Ou eles me deixam com altas expectativas, e eu acabo me decepcionando com o episódio, ou eles me deixam esperando o pior, e eu fico uma semana me torturando por um episódio que acaba por não ser nem de longe tão ruim quanto eu antecipava. Esse foi o caso Rose’s Turn.  Essa temporada teve tantos altos e baixos (alguns momentos simplesmente fantásticos e outros que me faziam querer bater no Marc Cherry de tão decepcionantes) que eu agora vivo constantemente desconfiada, só esperando pelo momento em que os roteiristas estragarão tudo.
Mas Rose’s Turn foi um episódio muito bom. Tirando a ceninha melosa entre Mike e Susan com a musiquinha mais melosa ainda no fundo, eu adorei cada momento. Até mesmo a maneira como Dave virou sua sede de vingança para cima de Susan foi bastante orgânica. Aliás, esse foi um dos poucos episódio que deu destaque a Susan e a todas as suas trapalhadas e conseguiu não me irritar. E acho que o segredo é a dose. O problema da Susan não é sua personalidade, mas o quanto nós temos que engolir dela. Sim, o roteirista conseguiu incluir mais duas piadas (ou foram três) sobre como a Susan é incapaz de cozinhar (uma gag explorada desde o piloto!). Mas o resto até que conseguiu não saturar ainda mais imagem da personagem, e me divertiu.
O episódio também teve uma boa dose de Katherine e todo mundo sabe que isso sempre me deixa muito feliz. Dana Delany fez um trabalho fantástico na cena na cama com Mike, o que também é sempre louvável, principalmente quando o texto não é exatamente excepcional. Pena que sua declaração de amor parece ter saído pela culatra. Será que essa cena ficará marcada como o inicio do fim para os dois e para Delany (o quê mais ela vai fazer na série?), com Mike voltando para Susan em breve? Como eu já comentei no Twitter, prefiro que Katherine acabe morrendo pelas mãos de Dave mesmo a ver a Dana presa a série sem ter muita utilidade e chances de mostrar seu talento. Acharia super legal se ela morresse para salvar o MJ (o novo alvo do Dave), pelo menos seria uma morte digna, ao contrário da de Edie (a despedida foi muito digna, mas ela morreu por nada).
No núcleo dos Solis e dos Scavo, nós continuamos com uma virada que está se provando muito produtiva criativamente. Eu nunca teria imaginado que os pares Carlos/Lynette e Tom/Gaby poderiam me agradar. Mas eu gostei do que a presença sempre sincera da Gaby trouxe a velha trama das inseguranças de Tom, porquê Carlos, Orson e Mike jamais teriam a coragem de dizer a ele o que Gabrielle disse, de ficar contra ele e tentar dissuadi-lo de ficar amigo de Patty antes que ele fizesse algo que não pudesse consertar e magoasse Lynette.
Já o Carlos ver a Lynette nua provavelmente foi só para dar combustível para os ciúmes do Tom, mas ver que surgiu uma espécie de afeto entre eles foi tão adorável. Ricardo Chavira e Felicity Huffman tem uma química estranha, mas tem química. Eu acho que eles jamais funcionariam como casal, porquê a tensão sexual é inexistente. Mas eles conseguem ser quase tão bom juntos quanto Eva Longoria e Doug Savant.
E por fim, Bree e Orson continuam na mesma chatice. Agora ela parece ter se cansado e está rumando em direção a um divórcio. Mas o Orson é instável, e obviamente não será tão fácil para ela sair dessa situação. Só fiquei com muita raiva que ela tenha descoberto que a vizinha estaria sendo mandada para uma casa de repouso, e manteve o segredo do marido sociopata e cleptomaníaco. Para protegê-lo e para se proteger, ela fez da pobre Rose uma vítima, sendo mais cúmplice que nunca dele. Eu acho que ao invés de se divorciar, ela deveria pensar nas coisas que ele tem feito, nas coisas que ele fez no passado (atropelar Mike), tomar noção de que ele foi parcialmente responsável pela morte de Edie e que também pode representar perigo para suas demais amigas e até ela mesma, e deveria denunciá-lo a policia o mais rápido possível. Do contrário, ela será tão culpada pelos crimes de Orson quanto ele próprio.

Se o beijo entre Teri Hatcher e Swoosie Kurtz era para ser o destaque do episódio, então Marc Cherry realmente não sabe mais o quê funciona em sua série. É claro que, apesar da música I Kissed a Girl no promo ser muito provavelmente uma referência ao selinho que Susan recebe da chefe, o roteirista do episódio Jordon Nardino deveria querer mesmo é pontuar com os beijos trocados entre Hatcher e Eva Longoria. Bom, eu sei que eu não sou exatamente o público alvo desse tipo coisa, mas não funcionou.
Contudo, a trama de Susan não foi um desperdício total. Eu adorei finalmente vê-la na escola. Ela parece competente o suficiente, sem deixar de ser Susan. E isso é um grande feito considerando o quanto eles podem errar escrevendo a Susan às vezes. A participação de Kurtz também foi ótima. Eu a amava em Pushing Daisies e chorei horrores por causa dela em Huff, então sou fã declarada e totalmente imparcial.
O grande destaque foi a evolução efetiva dos planos de Dave, que sai para acampar com Mike e Katherine no final desse episódio. Eu já sabia que isso iria ocorrer (malditos spoilers), mas ainda assim tivemos muitas boas cenas aqui. Dave se prova mais uma vez um grande manipulador e consegue persuadir Katherine a ir na viagem da qual ela já havia desistido, além de apaziguar Edie que finalmente descobre sobre Paige. Aliás, a cena entre os dois foi a mais tocante de todo o episódio, graças, em grande parte, a Nicollette Sheridan.
O resto não foi tão empolgante, mas o roteiro estava redondinho e as atuações convenceram. É sempre ótimo ver Felicity Huffman e Eva Longoria interagindo, pena que não tenha rendido mais. Outra trama que também não está rendendo tanto quanto poderia é a de Orson e Bree. Ele está roubando dos vizinhos, mas até agora estão tratando isso como uma piada. E não é que eles não devam fazer humor com a situação, mas onde está a graça? E ao mesmo tempo a storyline não tem densidade o suficiente para ser levada a sério dramaticamente. Assim, os talentosos Kyle MacLachlan e Marcia Cross ficam presos em um limbo, que não lhes permite uma abordagem mais cômica ou mais trágica, e nós telespectadores não conseguimos nos conectar. Ou alguém está realmente se importanto com as consequências dessa trama? Uma coisa é certa, a Bree realmente não sabe escolher homens. A Susan também não consegue manter um relacionamento, e eles tendem a ser mais fúteis, mas pelo menos Mike e Jackson eram homens decentes.

O décimo quinto episódio é praticamente uma continuação direta do décimo quarto. Todas as tramas estão conectadas. E dinheiro continua sendo o principal assunto. Lynette e Tom continuam afundando-se em problemas devido a falta crítica dele, Bree mais uma vez enfrenta problemas com uma pessoa que ama e Gaby mostra que ainda tem suas garras.
Apesar de eu adorar a família Scavo e realmente não gostar de vê-los sofrer, especialmente considerando tudo o quê eles já passaram, eu gostei de seus problemas financeiros não terem desaparecido magicamente. Tom tinha uma decisão dolorosa pela frente, e gostei de vê-lo lutar pelo seu sonho, e de Lynette o ter apoiado mesmo quando ele toma a péssima decisão de forçar os filhos adolescentes (e obviamente descontentes) a trabalhar na pizzaria. Doug Savant é o grande destaque do episódio, pois sua atuação além de me comover e me fazer torcer por ele, até me fez esquecer de certas coisas irritantes que ele fez durante essa temporada em nome de sua crise da meia idade.
Bree, como eu tinha mencionado na review passada, está praticamente tornando a arte de alienar e irritar as pessoas que a cercam em uma segunda profissão. Contudo, dessa vez eu acho que ela não teve culpa nenhuma. Eu adoro Orson, mas ele pode ser completamente irracional às vezes. Se Bree deu um aumento a Andrew foi porquê ele mereceu. Inclusive, nesse episódio ele várias vezes se mostra muito eficiente e atento aos detalhes do negócio da mãe. Orson foi petulante, e ainda por cima, deixou seu lado negro voltar à tona. Por enquanto, ele apenas rouba uma caneta cara, mas eu já estou ansiosa para ver até onde ele vai com sua inveja do enteado.
Essa semana Gaby teve uma trama melhor que a da semana passada. Eu adoro a Gaby boazinha, mas eu gosto dela bitch também. Então foi muito divertido ver suas artimanhas para conseguir comprar o bracelete que desejava, apenas para perceber que se envolveu em uma mentira horrível, que pode ter consequências maléficas, o quê lhe causou remorso. Tarde demais, todavia. Ela e Carlos já estão completamente comprometidos. E essa é outra trama que pode render.
No entanto, foram as tramas não relacionadas a dinheiro, pelo menos não diretamente, que mais se destacaram. Eu gostaria de ter acompanhado Susan em seu novo trabalho e achei uma pena nós não termos visto ela lidando com suas responsabilidades, até porquê eu fico curiosa se na escola ela se comporta da mesma maneira imatura como se comporta em sua vida pessoa. Novamente, ela encheu Mike de exigências absurdas e comprou briga de maneira exagerada. Tudo bem que ela queria que Mike passe tempo com MJ ao invés de deixá-lo com Katherine, enquanto ele fica ausente da vida do garoto. Mas se ele tem que trabalhar, e ela tem que trabalhar, o quê tem demais que Katherine cuide do menino quando ela não está fazendo nada (algo que é estranho, pois o negócio dela com Bree está fervendo, e nós nunca mais a vimos trabalhando)? É óbvio que ela está se sentindo ameaçada como mãe, e sente ciúmes do carinho de seu filho por sua ex-amiga, mas a maneira intransigente e possessiva como ela agiu é frustrante. Felizmente, ela vai ter que superar seus sentimentos mesquinhos, porquê Mike e Katherine vão morar juntos, e a ruiva vai ser parte da vida do garoto quer Susan goste ou não.
Só que antes da data planejada para a mudança, vem a data arranjada entre Mike e Dave para irem acampar. E o ardiloso Dave ainda consegue manipular as circunstâncias para que Katherine esteja presente, e Edie não. A pressa de Dave se deve ao fato de quê ele roubou o celular de seu psiquiatra (aquele que Williams assassinou em City on Fire), e através dele trocou mensagens com a secretária do médico, descobrindo que ela está prestes a denunciar o desaparecimento do Dr. Samuel Heller. Isso faz com quê uma data limite para Dave agir tenha sido marcada, porém eu ainda tenho a impressão de quê é cedo demais. O próximo episódio é apenas o décimo sexto, e Desperate Housewives é uma série que sempre guarda a resolução de seus principais conflitos para o final. A minha aposta é que Katherine por algum motivo de última hora acabará não indo a essa viagem, adiando os planos de vingança de Dave.
Infelizmente, Marc Cherry e sua equipe são muito bons em enrolar e eu tenho certeza que eles encontrarão uma maneira de prolongar as coisas ao máximo. Eu só espero que seja uma maneira que cause um mínimo de apreensão, porquê eu sei que a série não está só na minha lista de ameaçadas. Muita gente considera abandonar a série depois dessa temporada, e vai ser preciso algo realmente fantástico para renovar a fé desses espectadores na dramédia.

Desperate finalmente retorna com inéditos e Marc Cherry, em uma decisão bem inteligente, resolveu abordar o assunto dinheiro. Considerando a crise pela qual os Estados Unidos passa, as tramas de Lynette e Mike devem ter ressonado nas famílias afetadas. E mesmo se você estiver mais para Bree do quê para os Scavos, o roteiro de Jason Ganzel (Art Isn’t Easy) ainda é bom o suficiente para entreter.
E já que mencionei Ganzel, umas das coisas que eu mais aprecio em ambos os seus roteiros é o espaço justo que ele consegue dar a todos os personagens, em particular ao sempre explorado de menos Lee. Eu amo Kevin Rahm e seu personagem, a maneira sarcástica e muitas vezes infantil como ele age, mas ao mesmo tempo como ele consegue ser maduro e fazer a coisa certa e adulta quando é necessário. E mais do quê tudo eu amo que apesar de ele odiar o subúrbio, e quase nunca aparecer socializando com seus vizinhos, ele parece ser um bom amigo. Tanto, que é o responsável por ser o primeiro a de fato desmacarar Dave ao contar a Tom que fora o marido de Edie que tinha dito a polícia que Porter estava perto de onde começou o incêndio.
Enquanto Tom cortava laços com Dave, Lynette praticamente fez o mesmo com Bree. O caso é diferente, a amizade das duas é mais antiga, porém a ruiva conseguiu mais uma vez humilhar e magoar profundamente alguém com quem se importa. Provavelmente ela conseguirá consertar seu erro no futuro, mas a questão é que nessa quinta temporada Bree conseguiu abalar vários de seus relacionamentos. E como Lynette coloca muito bem no final, a Bree de cinco atrás pelo menos entenderia os efeitos de suas ações em suas melhores amigas. A nova Bree não parece ser capaz de compreender alguém além de si mesma sem uma explicação clara.
E apesar da mudança de caráter da personagem ser algo essencialmente ruim, dramaticamente é algo me agrada bastante. É uma evolução de personagem um pouco mais sutil que a de Gaby por exemplo, mas é uma evolução. E Marcia Cross não desaponta em sua performance.
Outra coisa pela qual eu sou extremamente agradecida a Jason Ganzel é por dar a Katherine não somente espaço, mas por retratá-la como parte do grupo das DHs. Ultimamente é raro ver Katherine em qualquer momento compartilhado das amigas, e além de ser uma pena, é também sem sentido. Sendo sócia e amiga próxima o suficiente de Bree para esta considerá-la a irmã que nunca teve, Katherine deveria pelo menos aparecer nos jogos de poker. Então, vibrei um pouquinho ao vê-la incluída quando Bree resolve mostrar seu novo carro para as amigas.
E todo o resto de sua storyline foi tão bom quanto. Por mais que eu não seja fã de Susan, tenho que admitir que sua trama com Mike e Katherine foi ótima. Eu adoro essa nova família disfuncional que eles formaram. Portanto, nem me irritou o fato de Susan como sempre ter agido de maneira completamente infantil e retardada. As cenas de Teri Hatcher com Dana Delany, James Denton e especialmente Mason Vale Cotton funcionaram. Aliás, tenho que fazer um adendo e mencionar que a cada aparição eu gosto mais de MJ.
Voltando ao assunto principal, faz um bom tempo que nós não vemos a Susan trabalhando. E se as vendas de seus livros não vão bem e Mike, apesar de estar trabalhando muitas horas por dia, não está conseguindo ganhar dinheiro o suficiente para pagar a escola cara em que ela faz questão que MJ estude, então ela realmente precisava fazer alguma coisa. Só espero que agora que trabalhará em uma escola e terá responsabilidades ela amadureça um pouco. Sua invasão da casa de Katherine para roubar o colar que Mike tinha dado a namorada foi realmente patética. Mais um daqueles momentos em que sinto muita vergonha alheia por ela.
Gaby e Edie tiveram uma trama um pouco desconectada do assunto principal e sem muita relevância. Desde que Carlos teve a visão de volta os roteiros da Eva Longoria cairam de qualidade. Mas como ela e Nicollette Sheridan tem ótimo timing cômico, a estória da aula de exercícios conseguiu se segurar. Contudo não empolgou muito.
Apesar de não ser um episódio completamente alienado da linha da temporada como foi o anterior, Mama Spent Money When She Had None é mais um filler onde se prestarmos atenção, perceberemos que quase nada aconteceu de fato. E o problema é que sendo ainda o décimo quarto episódio, podemos esperar que a trama continue a virtualmente se arrastar por mais um bom tempo. E isso é extremamente irritante e cansativo para mim.

Desperate Housewives: The Best Thing That Ever Could Have (5×13 – 100º episódio)
Exibição: 18/1/2009
MVP: Eva Longoria, Brenda Strong e Beau Bridges

O roteiro lembra os fantásticos episódios da primeira temporada. As atuações estão simplesmente perfeitas. Tivemos participações da sempre excelente Brenda Strong (Mary Alice), Steven Culp (Rex), Lucille Soong (Yao Lin) e Beau Bridges (Eli Scruggs), que, ao falecer repentinamente, faz com que as donas de casa tenham memórias de seu passado.

A idéia de um coadjuvante que nunca tínhamos conhecido ter sido tão relevante na vida de cada uma delas foi extremamente interessante e todos os flashbacks foram ótimos. Foi maravilhoso ver como Gaby acabou se tornando amiga das demais donas de casa; ver Bree, Rex, Tom e Lynette trocando farpas durante um brunch; ver Lynette tendo a epifania em que decide abandonar a carreira e dedicar-se inteiramente aos filhos; ver Edie tentando superar o soco em seu ego que foi descobrir que seu marido era gay; assistir Susan e seu desespero frente aos divórcios e, como o melhor sempre fica para o fim, presenciar um dos últimos momentos de Mary Alice antes do suicídio.

Porém, o episódio funciona como o evento isolado e comemorativo que é. Ele não tem relação nenhuma com as tramas da temporada, que são postas de lado e ficam estagnadas aqui. Não fosse o episódio tão brilhantemente executado, eu o consideraria pura enrolação. Mas ele foi bastante tocante e sem dúvida, um dos melhores momentos dessa temporada e uma ótima maneira de celebrar 100 episódios.

House: Painless (5×12)
Exibição: 19/1/2009
MVP: Lisa Edelstein, Martin Henderson e Jake Cherry

House retorna do hiato com um episódio que, apesar de correto em todos os sentidos, não me empolgou nenhum pouco. Eu achei o episódio essencialmente chato, nada se destacou como sendo ruim ou digno de grandes críticas, mas se eu não tivesse visto Painless, não faria a mínima diferença.

O paciente da semana é Jeff, um homem que, depois de três anos sofrendo de dor crônica e incurável, tenta se matar. É óbvio que Jeff está ali para ser comparado com House, que também sofre cada vez mais com sua perna e acaba quebrando um dos canos de casa e, em uma manobra de teimosia inacreditável, faz de tudo para o seguro arcar com o prejuízo, só porque ele achava que estava certo.

Ao mesmo tempo House e Jeff são completamente diferentes: Jeff diz a House que ele tem sorte por ser sozinho, porque não precisa esconder a dor que sente.

A verdade é oposta a essa afirmação: House esconde seu sofrimento com suas grosserias e sarcasmo, enquanto Jeff é completamente aberto sobre o tamanho de sua dor e sua falta de vontade de viver por causa dela, a ponto de convencer seu filho a ajudá-lo a se matar.

Além de House, o paciente também acaba se relacionando a Thirteen, é claro, e, surpreendentemente, a Taub, que aparentemente já tentou o suicídio e se considera muito idiota por isso. Enquanto isso, Cuddy lida com os obstáculos de ser uma mãe com uma trabalho em período integral e acaba pedindo para Cameron assumir seu lugar. Sinto saudades da Cameron, vamos ver se ela aceita.

Texto publicado previamente no site TeleSéries.

No meu review de “A Vision’s Just a Vision” eu havia dito que se o Dave fosse atrás da Susan para se vingar de Mike, e depois de seja lá o quê Dave fosse fazer os dois se dessem conta que ainda se amavam e que deveriam ficar juntos para todo sempre, eu abandonaria a série. Ao contrário do Maurício, eu gosto do Mike e acho que quem o torna um personagem chato às vezes é Susan. É verdade que os roteiristas precisam escrever o relacionamento dele com a Katherine melhor do quê eles fizeram aqui (os dois merecem mais tempo de tela, especialmente quando a Teri Hatcher tem uma aparição tão grande, que poderia muito bem ser podada). Mas também é verdade que ver o Mike dizendo que acabou tudo com a Susan (yeeeee) e que acaba de se dar conta que está apaixonado pela Katherine (yeeeee) foi um dos pontos altos dessa temporada para mim. Suspirei de alívio e tudo. E Dave estava ali, bem do lado, e obviamente já mudou o alvo de suas loucuras. E isso é bom também porquê eu sempre acho que a talentosa Dana Delany tem tido muito pouco a fazer nessa temporada. Ela poderia estar indo tão bem quanto Longoria se tivesse uma participação decente. E, honestamente, apesar de adorar os dois juntos, Mike e Katherine ainda não convenceram completamente como casal.
Connect! Connect! não foi um episódio que teve muita ação, mas ao mesmo tempo foi um episódio em que muita coisa mudou. E o motivo foi o fato de que as personagens tiveram que ter algum tipo de mudança. Foi tudo mais atrelado ao psicológico e emocional de todo mundo, a tomada de decisões de cada um.
Tivemos Bree que como sempre tem um storyline simples, mas sensacional. De um pequeno comentário que Alex, seu genro fez, surgiu quase uma guerra com a ruiva. Adoro como cada coisinha faz a Bree se inflar de raiva que ninguém um balão e depois ela fica totalmente passivo-agressiva. Marcia Cross sempre dá o tom certo e fica hilária. No fim, ela admitiu que tem estado mais impaciente, mais rude, e eu sempre fico feliz em ver a personagem admitir suas faltas e tentar se comportar melhor, mas eu espero que ela não deixe de implicar com Orson totalmente, porquê eu adoro a maneira como o relacionamento dos dois é conduzido.
Eu ainda acho que Susan deveria ter seu tempo de tela cortado pela metade, mas até que a trama dela essa semana não foi ruim. O segredo é colocá-la com personagens melhores e que consigam segurar o lado cômico da trama, como Lee e Edie. E a química de Nicollette Sheridan com Teri Hatcher é inegável, acho até que deveriam baixar um decreto de que as duas só farão cenas juntas. Assim, Susan faz o quê todo mundo já sabia que ela faria (alguém apostou em Hatcher deixando a série?), dispensou Jackson e ficou sozinha em Wisteria Lane. E Edie aceitou seu marido de volta. Eu só espero que eles não enrolem muito com a vingança. Eu sei que provavelmente só acontecerá uma resolução na season finale, mas a longa espera é uma chatice quando nós já sabemos o que esperar. Podiam fazer um longo arco, com os planos de Dave tomando ação durante quatro ou cinco episódios ao invés de um ou dois.
Lynette finalmente conseguiu seu filho de volta. Adorei a armação dela para fazer com que sua mãe entregasse Porter. Eu sempre adorei as participações da família de Lynette. Certamente são todas mulheres complicadas e de temperamento forte. A atriz Polly Bergen representou muito bem o quanto a mãe de Lynette, Stella se ressentia da filha e tinha se tornado amarga por ter sido deixada no asilo. Só achei que a bagunça na qual os Scavos se meteram foi resolvida com muita facilidade.
Por fim houve o núcleo dos Solis, que não empolgou e não acrescentou em nada. Só mostraram mais sobre como as filhas de Gaby são impossíveis e como ela ainda é muito insegura como mãe. Eva Longoria esteve bem como sempre vem estando durante toda a temporada, mas não achei que ela teve nenhuma cena de destaque (e não foi culpa dela).

Eu não sei o quê há de errado entre DH e eu. Eu gostei do episódio; o achei relativamente bem escrito, e os roteiristas parecem ter recuperado seu conhecimento em como fazer um malabarismo com todos os muitos personagens que tem em mãos; as atuações foram corretíssimas e Eva Longoria cada vez mais se confirma como o grande nome dessa temporada; mas eu passei quatro dias tentando, e não conseguindo, escrever sobre esse episódio. Se eu tiver que adivinhar qual é a causa do meu bloqueio, eu vou chutar que é o fato de que apesar da série estar boa e tecnicamente ter voltado a um certo grau de excelência, ela simplesmente não me excita mais. E é frustrante para mim admitir, mas acho que a série se tornou esquecível e irrelevante.
Home Is the Place é um bom episódio. Ele equilibra bem a comédia com o drama. De um lado temos Bree tentando se entender com a futura sogra, e para isso dando de presente uma super casa para Andrew e Alex para impedir que eles se mudem para outra cidade (e Bree sempre tem falas ótimas, não importando o quê coloquem ela para fazer) e Lee e Susan passando tempo juntos e se tornando amigos, e eu sempre fico contente com cada mero segundo de tela que Kevin Rahm recebe.
Do outro, temos ainda o drama dos Scavos, com Porter desaparecido e o Bob descobrindo que Preston é quem está no lugar dele. E quem está dando asilo para Porter é ninguém menos que a mãe de Lynette! A situação da família está cada vez mais complicada e Lynette cada vez mais desesperada. Ela não consegue provar aos filhos que pode e ela provavelmente não vai conseguir proteger todo mundo das consequências que estão por vir, e sabe disso. A atuação de Huffman aqui foi excelente, ela passou muito bem a sensação de estar perdendo o controle e não conseguir sair do poço em que caiu.
Tivemos Gaby lidando com Carlos e sua recuperação. Agora que voltou a visão, Carlos voltou a dar mais valor a vida e decidiu pedir demissão do emprego de massagista do clube e se tornar voluntário no centro para cegos. Eu acho tudo muito nobre e concordo que é legal ele passar a dar mais valor à vida, ao mundo, às coisas, mas fico do lado da Gaby. Ela passou cinco anos se virando, vendendo tudo de valor naquela casa para sustentar eles e as duas filhas (e isso com ele trabalhando e ganhando um salário!), ele deixa de ser deficiente e resolve ir trabalhar de graça? As filhas dele vão viver de quê, ar? Ele tem que saber que não é o primeiro pai que deixa de lado suas vontades e aspirações morais para poder sustentar a própria família. Não deve ser fácil, mas as crianças não nasceram do nada, não é?
Ainda houve Edie expulsando Dave de casa e Karen retornando a Wisteria Lane. Eu sei que já era hora de Edie se dar conta de que há algo de muito errado com o marido, mas ficou parecendo que ela expulsou ele só porquê ele não contou que era casado. Eu achei um pouco de exagero. Não dava para os dois conversarem?
De qualquer forma, eu vou continuar acompanhando Desperate e vou torcer para conseguir ficar um pouco mais animada.

Só lembrando que por 2008 inclui-se o ano todo, e não só a Fall Season. Além disso, ao começar a fazer essa lista eu tentei pensar em todos os nomes mais mencionados, os queridinhos da crítica e dos formadores de opinião (bloggers), os concorrentes aos principais prêmios. O problema é que quase nenhum entra nessa lista simplesmente porquê eu não estou assistindo a quase nenhum. Assim que eu me deixei levar, a lista saiu facilmente. E eu honestamente não vou colocar na minha cabeça que eu só vejo porcaria, porquê eu acho que não é bem por aí. Cada série nessa lista, cada ator, tem uma razão para estar ali. Mas não vou mentir que essa lista é extremamente subjetiva. Apesar do nome do post, essa é uma lista das coisas que eu mais adorei esse ano, que mais me comoveram, surpreenderam ou excitaram. Que sob o meu olhar, foram destaque de alguma maneira. E se é uma lista no mínimo diferente, eu espero que sirva para interessar as pessoas em coisas que estão aí, no ar, e que elas desconhecem o quão boas são. Eu também tenho a mania de incluir alguns atores em séries que eu não vi inteiras, mas não consigo incluir séries cujos episódios eu tenha perdido. Isso explica por exemplo a presença de Duchovny, mas a ausência de Californication.

Melhor Série Dramática: LOST
Runner-up: Criminal Minds

Menções Honrosas: Lipstick Jungle, House, Terminator: Sarah Connor Chronicles, CSI:NY

Foi difícil escolher. As duas séries no topo me deixaram na ponta da poltrona, me mordendo, falando com o PC, rindo e chorando. LOST foi uma série que me conquistou desde o início, e com a qual eu me revoltei em ocasiões, quase abandonei durante a segunda temporada (que eu odiei, period), mas que me emocionou muitas e muitas vezes e sempre consegue puxar o tapete de debaixo dos meus pés. Eu achei essa quarta temporada brilhante. Reclamei de várias coisas, mas qualquer que seja a série, eu sempre tenho reclamações a fazer, algumas completamente irracionais até. Já CM foi crescendo sutilmente no meu gosto. Antes um policial que eu considerava inteligente e tecnicamente bem feito, mas que ficava abaixo em preferência das franquias CSI, Criminal Minds conseguiu me conquistar completamente e se tornar meu show investigativo favorito, e surpreendentemente foi o quê vi de melhor na Fall Season. Lipstick aparece logo depois, me surpreendendo completamente com uma segunda temporada cativante depois da medíocre primeira. House até está tendo uma temporada que não é a sua melhor, mas eu ainda estou gostando. E esse posicionamento aqui também é, em grande parte, responsabilidade do final da quarta temporada, que foi inquestionavelmente fantástico. Sarah Connor foi uma grande descoberta. Gostei, apesar de implicar com um milhão de coisas. A primeira temporada (que eu vi na Warner, na época em que eles ainda eram canal de séries) me agradou bem mais, mas a segunda pode surpreender agora mais para o final, com as pontas se amarrando. E CSI:NY é aquela série que é tecnicamente tão impecável, que eu não consigo deixá-la de fora de uma lista dessas, apesar de eu considerá-la um pouco fria, e ter problemas pra gostar dos personagens. É simplesmente A série na qual eu não vejo defeito nenhum (além do supra citado).

Melhor Série Comédia: Big Bang Theory
Runner-up: 30 Rock

Menções Honrrosas: The New Adventures of Old Christine, Weeds, Two and a Half Men

Eu não sei como isso aconteceu, mas 30 Rock foi completamente desbancada. A série cômica que atualmente mais me surpreende, agrada e, o principal, faz rir, é Big Bang. Ainda assim, tem espaço aqui para menções a sempre primorosa 30 Rock (a CSI: NY cômica), Old Christine (que eu amo demais), Weeds (que eu amo demais também) e Two and a Half Men (que se repete o tempo todo, e me deixa com a impressão de que eu estou vendo coisas repetidas todo episódio, mas me faz rir mesmo assim).

Melhor Atriz Dramática: Paget Brewster
Runner-up: Kim Raver

Menções Honrosas: Leighton Meester, Lena Headey, Melina Kanakaredes

Essa é uma categoria extremamente perniciosa para mim. Eu nunca escolho os mesmos nomes que a maioria das pessoas e quando eu começo a colocar os nomes no papel, eu sempre fico com dó de escolher só uma. Ser uma leading lady não é fácil. Nem todos os papéis da Tv são bons ou profundos o suficiente, e sempre parece que os homens ficam com os mais legais. A Leighton Meester, por exemplo, quase entrou como runner-up e até mesmo pensei em colocá-la no posto máximo. ADORO Blair. Ela é uma personagem feminina, jovem e é politicamente incorreta o suficiente para eu considerá-la uma das melhores coisas na Tv atualmente. E sua intérprete, Meester, é simplesmente perfeita. Mas apesar de continuar sendo a alma de Gossip Girl, acho que Blair perdeu um pouco de seu ardor e acho que Raver e Brewster acabaram batendo Meester pelas primeiras posições por terem sido mais memoráveis na minha cabecinha. Raver, de quem eu sempre gostei, é a alma de sua série. Sim, sua personagem Nico perde de longe para Blair. Ela é mais quadradinha, mais dramática, tem menos edge (não consigo achar uma palavra melhor). Mas ela é mais profunda, mais sutil e atuação de Kim me tocou mais fundo. Já Brewster pode ser uma escolha que ninguém vai entender e muitos virão aqui dizer que ela é coadjuvante, mas eu acho que ela está assumindo o posto de protagonista feminina de CM e com louvor. Repentinamente a personagem evoluiu enormemente frente aos meus olhos e eu ainda estou boba. E é tudo trabalho de Brewster, porquê apesar de sua Emily Prentiss estar ganhando destaque, a verdade é que os personagens principais tem poucas chances em dramas procedurais como Criminal Minds para expor algum traço marcante de personalidade e conquistar o espectador. E ela conseguiu me conquistar.

Melhor Atriz de Comédia: Tina Fey
Runner-up: Mary Louise Parker

Menções Honrosas: Julia Louis-Dreyfous, Eva Longoria

Parker perdeu seu lugar de honra para Fey, porquê a intérprete de Liz Lemon tem feito muito, muito bonito como a escritora nerd do The Girlie Show. Ainda assim, Parker arrasou o suficiente para estar bem pertinho dela no topo. E o mais importante é que ela conseguiu passar grande parte da temporada sendo apenas boa e em uma cena, conseguiu deixar todos os fãs aplaudindo sua atuação de pé. Dreyfous sempre me faz rir, ela é o Charlie Sheen mulher para mim. E Longoria teve uma temporada sensacional e está finalmente mostrando que é, de fato, uma atriz bem talentosa.

Melhor Ator Dramático: Hugh Laurie
Runner-up: Gary Sinise

Menções Honrosas: Charlie Hunnam, Donald Sutherland

Categoria sempre difícil para mim também, mas pelo motivo oposto de Melhor Atriz. Hugh Laurie sempre ganha, e depois eu fico que nem uma idiota tentando encontrar pelo menos mais dois nomes pra mencionar. A verdade é que vi muito pouco de Sons of Anarchy e Dirty Sexy Money. Os dois atores estavam ótimos, mas nem posso dizer que tenho um grande conhecimento de causa. E Sinise que eu também adoro e que é meu leading man em séries policiais preferido (no momento) ganhou um espacinho, porquê tem feito seu trabalho direitinho, independentemente de eu ser capaz de empatizar com ele ou não.

Melhor Ator de Comédia: Jim Parsons
Runner-up: Alec Baldwin

Menções Honrosas: Charlie Sheen, David Duchovny

Parsons é a melhor coisa a acontecer na comédia esse ano. O resto também me fez rir, mas não tanto.

Melhor Atriz Coadjuvante: Summer Glau
Runner-up: Dana Delany

Menções Honrosas: Elizabeth Mitchell, Sandra Oh, Kelly Rutherford, Lisa Edelstein, Jill Clayburgh, Katey Sagal

Glau é outra vitória incontestável. Headey pode até ter entrado na minha menção honrosa lá em cima, e eu a adoro desde Intrigas, mas nem eu consigo negar que a atriz que interpreta a robô Cameron é a alma de Terminator. E é a melhor personagem feminina do Fall Season. Delany marca presença porquê eu amei tudo o quê ela fez em DH na temporada passada e praticamente só me lembro da trama dela, o quê significa que todo o resto foi esquecível. Uma atriz que salva um temporada inteira de uma série assim merece lugar de destaque. As demais são todas ótimas, mas no caso de Mitchell, Oh, Rutherford e Edelstein, o roteiro nem sempre as ajuda. E no caso de Oh e Rutherford, elas próprias nem sempre se ajudam (tem atriz que faz mais com muito menos material). Mas ainda as adoro profundamente e mais frequentemente que não, elas conseguem ser o melhor ator em cena (tá, para Rutherford não é muito difícil, considerando os atores com ela contracena normalmente, tipo Blake Lively, Connor Paolo e Penn Bagdley).

Melhor Ator Coadjuvante: Michael Emerson
Runner-up: John Noble

Menções Honrosas: Justin Kirk, Matthew Gray Gubler, Glenn Fitzgerald, Jack McBrayer, Simon Helberg, Kunal Nayyar.

Não me perguntem de onde saíram tantos nomes. É incrível como apesar de existirem papéis masculinos principais incríveis, eu consigo citar muito mais nomes de atores coadjuvantes que me impressionaram. Cheguei a escrever Noble como o melhor do ano e depois me dei conta que tinha esquecido completamente de Emerson. Um lapso imperdoável, eu sei. O quê seria de LOST sem Benjamin Linus? Eu odeio Ben com todas as forças e ainda assim, o adoro e acho que ele é a única pessoa que tem a mínima idéia do quê diabos está se passando, o tempo todo. Emerson o construiu de maneira fantástica. Sua ambiguidade constante, seus maneirismos meio de nerd, mas que são assustadores ao mesmo tempo, tudo contribui para tornar Linus o melhor personagem na Tv atualmente.

Prêmio Especial para Melhor Série Velha que eu só fui ver esse ano: The Pretender
Runner-up: Huff

Menção Honrosa: Veronica Mars

Porquê eu sempre sou fisgada completamente por séries antigas? Ano passado não fiz essa categoria, mas considerando que as três séries acima estão entre o quê eu vi de melhor esse ano, superando, inclusive, grande parte do material inédito, elas tinham que aparecer de alguma maneira aqui. Ainda faço um texto especial sobre elas, juro.

Desperate Housewives está começando a repetir tramas demais, não? A dona de casa com o adolescente (Gaby e o jardineiro), o marido abusivo (Wayne, o marido de Katherine), Bree tendo que esconder suas imperfeições. O problema não é as tramas estarem ruins, mas que as tramas anteriores foram significativamente melhores. John e Gaby tiveram um longo affair, que teve tempo para convencer e divertir; Wayne, o policial que perseguia a esposa conseguiu me apavorar de verdade e a parte em que ele seqüestra Katherine e Bree foi minha estória favorita na finale; e a trama de Bree foi escrita de maneira um tanto superficial, apesar da representação de Marcia Cross do texto continuar excelente.
Em meio a tudo isso a estória mais original é surpreendentemente a de Carlos e Gaby com a Senhora Hildergraden. Estou adorando as tentativas desesperadas de Virginia de entrar para a família Solis, e as tentativas nem sempre tão convincentes da Gaby de escapar das garras dela. Frances Conroy e Eva Longoria tem estado ótimas.
Outra parte que eu tenho adorado é a de Karen McCluskey e sua irmã Roberta. Eu sempre adorei as ironias da primeira, mas agora ela está se mostrando muito mais sagaz do que eu jamais poderia ter imaginado. E as atrizes Kathryn Joosten e Lily Tomlin também tem sido destaque.
Torço, porém, para que toda a situação com os Schilling acabe logo (apesar de não parecer provável). Eu gosto da Gail O’Grady, mas lhe colocaram em uma situação ruim lhe dando um roteiro tão corrido. E agora que ela está grávida e Porter parece que vai ser preso, ou as coisas vão ficar muito boas, ou vão ficar insuportáveis de se assistir. Marc Cherry, por favor, Felicity Huffman é uma deusa da atuação, não prejudique o trabalho dela. Já chega toda a trama com a crise de meia idade de Tom, que me faz querer bater em Doug Savant, que até algum tempo atrás eu adorava de paixão. A única coisa boa que saiu da parte dele foi a banda, porquê ver o ator James Denton cantando me levou de volta aos tempos que eu assistia The Pretender (leia-se, alguns meses atrás e ocasionalmente, quando tenho saudades) e ficava babando por ele o tempo todo (apesar de seu personagem, Lyle, ser o mal encarnado. Eu não resistia quando ele jogava charme, mesmo quando era para cima da própria irmã).
O incêndio foi um acontecimento bom. Melhor do que o de Bang, mas não tão bom quanto o furacão, na minha opinião. O Dave me dá arrepios, mas eu dou crédito ao ator. O mistério está previsível (a não ser que haja uma grande reviravolta).
A maior reclamação que eu tenho não só a respeito desses episódios, mas a respeito de toda a temporada, é que ela parece estar indo na contramão do que eu comentei abaixo sobre Lipstick. Onde estão as amigas em seus momentos de camaradagem, conversas fiadas e jogos de poquêr? Foi abordado um momento e outro, mas elas estão distantes umas das outras nessa temporada como nunca estiveram.


Categorias

Comentários

luiz augusto em The Day of the Triffids
karina em Much I Do About Nothing…
andreia em Eles estão voltando…

Blog Stats

  • 208.318 hits

Todas as atualizações do seu blog favorito

Me Adicione no Technorati

Add to Technorati Favorites